A Fé da Torá (Judaica/Noaítica), Bnei Noach, Perguntas & Respostas (e Guia Bnei Noach)

As Sete Leis de Noá da Torá são eternas para os Bnei Noach assim como o povo judeu também é eterno

As Sete Leis de Noá da Torá são eternas para os Bnei Noach assim como o povo judeu também é eterno

 

Por Projeto Noaísmo Info e O Rebe

 

Desde que o ser humano foi criado por Hashém que toda a humanidade está sujeita ao cumprimento das Sete Leis Divinas Universais, primeiramente dadas a Adám e Chavá (Adão e Eva), e posteriormente dadas a Nôach (Noá) e Naamá, e finalmente reveladas a toda a humanidade através da Torá, entregue por Hashém a Moshé (Moisés) e ao povo judeu no monte Sinái em 2448 depois da Criação.
Portanto, diferente das 613 mitsvót judaicas que foram surgindo gradativamente desde Avrahám (Abraão) (o primeiro judeu) até a entrega da Torá no Sinái, as Sete Leis Universais existiram desde sempre. E o surgimento do povo judeu se deu exatamente por causa delas, das Leis Universais de Hashém, ou seja, o povo judeu surgiu não para por um fim nelas, mas para protegê-las (do esquecimento das nações por causa de rejeição e abandono).
Todas as nações — todos os povos — são criações de D’us, obviamente. O povo judeu também é criação de D’us. Mas, mais do que apenas ser criação de D’us, o povo judeu foi escolhido por D’us para servi-LO eternamente (nunca O abandonando por completo, nunca O esquecendo por completo) e para representá-LO diante de todas as nações do mundo*. (* “Uma nação de sacerdotes — o povo a quem ELE escolhera para SI, para receber SUA Torá e para servir de guia e inspiração [espiritual e moral] aos demais povos do mundo. Ensinamos ao mundo o monoteísmo e lhes demos a nossa Torá, que é a base da civilização e da fé entre os homens.” – Revista Morashá) Assim, mesmo que a partir de então todas as pessoas do mundo abandonassem seu CRIADOR e se esquecessem de SUAS Leis Universais, o povo judeu estaria ali servindo como um lembrete, um aviso Divino, para elas.
Mas, se — como está evidente acima — o povo judeu tem uma missão divina diferente da missão divina de todas as outras nações, o que torna o judeu diferente do não-judeu? Qual é a diferença entre o judeu e o não-judeu?
O próprio Rebe, o Rabi Menachem Mendel Schneerson, o líder espiritual da nossa geração, responde:

“Somos todos iguais, biologicamente e fisiologicamente. Só que o papel do judeu é diferente do papel do não-judeu. D’us fez estas distinções e ninguém pode mudar isso. A diferença entre judeus e não-judeus se expressa em relação à observância da Torá. Se requer que o povo judeu observe 613 mitsvót da Torá e que os gentios do mundo só cumpram as Sete Leis Noaíticas (Universais). Esta não é uma responsabilidade pequena, já que é um ingrediente essencial na criação do mundo.”

O povo judeu é diferente dos povos não-judeus porque recebeu do MESMO CRIADOR 613 mandamentos: as Sete Leis Universais (sim, os judeus não estão dispensados delas) acrescidas de 606 mandamentos. Isto é o que identifica o judeu, esta é a sua identidade, esta é a Identidade Judaica (estar sujeito ao cumprimento de 613 mandamentos divinos).
Se o povo judeu surgiu para assegurar que todas as pessoas do mundo NUNCA se esquecessem das Sete Leis Universais de Hashém, então, assim como o povo judeu é eterno, assim também as Sete Leis Universais de Hashém são eternas para todos os povos. Como Hashém é eterno, nada do que ELE cria se desfaz. Portanto, as Sete Leis Universais de Hashém são eternas, vão existir para sempre. E para serem cumpridas por quem? Pelos não-judeus, é óbvio. Então os não-judeus também existirão para sempre, pois também são criações de Hashém. E dessa maneira, portanto, o mesmo se dá com o povo judeu e com as 613 mitsvót da Torá, cada um também existirá para sempre.
“Assim como D’us é eterno, também é eterna a sua aliança com o povo judeu.”
“Assim como D’us é eterno, assim também o povo judeu é eterno.”
“A Torá é eterna, e tudo o que nela está escrito também é eterno.”
“Nosso interesse (dos judeus) não é eliminar as nações do mundo, mas refiná-las. Elas não deixam de existir após a conclusão do processo de refinamento (do mundo). Mesmo no futuro (messiânico), as nações continuarão a existir.” Continuar lendo

Padrão
A Fé da Torá (Judaica/Noaítica), Bnei Noach, Perguntas & Respostas (e Guia Bnei Noach)

Nova Página do Site

Apresenta

 

Pela graça de D’us, uma nova página no site

 

https://a-fe-original–noaismo.info/o-que-e-o-refinamento-do-mundo-dos-nao-judeus/

Site Bnei Noach (BRA)_Bnei Noach_Filhos de Noé_Leis Universais_Noaismo.info

Padrão
Bnei Noach, Judaísmo, Perguntas & Respostas (e Guia Bnei Noach)

Proselitismo inconsciente

PROSELITISMO INCONSCIENTE

Se você deseja se converter ao judaísmo, faça-o da maneira correta e sem buscar caminhos duvidosos, e pare de convencer a todo mundo de que eles também têm de fazê-lo. Acredite você ou não, nem todos querem se converter ao judaísmo, e [tais pessoas realmente] são felizes com as suas 7 leis noaíticas. E pare de negar a existência das 7 leis só por causa do seu ego. A negação é apenas uma amostra de tudo o que você ignora. Se você quer ser judeu…ande, seja feliz, se esforce… quem disse que o caminho do convertido é fácil? E deixe os outros serem felizes com as suas 7 leis.
Por que negar as 7 leis existentes antes de “Matán Torá” (Entrega da Torá) apenas por causa do seu ego e do proselitismo inconsciente?
A sabedoria consiste [em estar-se ciente de] que nem todos têm de ser iguais a você e [de que] sempre há uma resposta adequada para cada coisa.

Rabino Asher Cacua
(Maio 2020)

© Har Hamoriáh
© Traduzido do espanhol por Projeto Noaismo Info

Site Bnei Noach (BRA)_Bnei Noach_Filhos de Noé_Leis Universais_Noaismo.info

https://a-fe-original–noaismo.info/site-bnei-noach-copyright/

Padrão
Bnei Noach, Perguntas & Respostas (e Guia Bnei Noach)

Bnei Noach podem celebrar as Festividades Judaicas ou alguma delas?

Perguntas & Respostas

 

P: Bnei Noach podem celebrar as Festividades Judaicas ou alguma delas?

 

R: O Shulchan Aruch Bnei Noach — o livro The Divine Code (“O Código Divino”), conhecido no hebraico como Shéva Mitsvót Hashém (“As Sete Mitsvót [Universais] de Hashém”) —, do Rabi Moshe Weiner, publicado pela Organização Internacional Ask Noah, é enfatico:

“Qualquer mandamento [de se celebrar] um dia sagrado judaico está proibido para um gentio(*). E práticas relacionadas especificamente com esses dias, tais como [por exemplo] comer pão sem levedura no Pêssach, agitar uma folha de palmeira (luláv) ou sentar-se em uma sucá em Sucót, jejuar em Ióm Kipúr, tocar shofár no Rósh Hashaná, também são impróprios para um gentio. Tudo isso porque [se ele faz essas coisas] ele está cumprido um dia sagrado que ele não foi mandado cumprir, e é uma proibição que alguém faça seu próprio dia sagrado devido a que está proibido criar uma outra religião(**.

 

* Isso inclui o Shabát, pois “Havayah falou a Moshé, dizendo-lhe para falar aos benêi Yisrael e dizer-lhes: Há épocas especiais que vocês devem celebrar como feriados sagrados a Havayah. São as seguintes Minhas festividades: … o sétimo dia é um Shabát … um feriado sagrado para Havayah.” (Levítico/Vayicrá 23, A Torá Viva, Rabi Aryeh Kaplan, Maayanot.) “Vede [benêi Yisrael], Havayah vos deu o Shabát.” (Êxodo/Shemót 16:6, 29). Como diz o Rabi Aryeh Kaplan: “O Shabát foi outorgado ao povo judeu quando receberam o maná pela primeira vez.” E como diz a Revista Morashá: “O Shabát — o único ritual judaico que é um dos Dez Mandamentos — é a primeira de todas as festas [judaicas], porque é a primeira a ser mencionada na Torá (Levítico, 23:2-3). Diz a Torá: “(O Shabát) é um sinal entre MIM (Havayah) e os benêi Yisrael para sempre” (Êxodo, 31:17). Apesar de muitos não o saberem, qualquer Shabat é o dia mais sagrado do ano judaico, até mesmo mais do que Ióm Kipúr (Shulchán Arúch, Órach Chaím, 242:1).” (© Instituto Morashá de Cultura.)

A única exceção é a celebração de Rósh Hashaná, por se tratar do dia da Criação da Humanidade (Adám e Chavá).

 

** Pois ele não é judeu e está praticando um mandamento especificamente judaico, então isso não é nem noaísmo nem judaísmo, logo, é outra coisa — é criar outra religião.)”

 

The Divine Code, Terceira Edição, versão inglesa autorizada do original em hebraico: Sheva Mitsvot Hashem, por Rabi Moshe Weiner, 2018 Ask Noah International.

© Ask Noah International
© Rabi Moshe Weiner
© Rabi Dr. Michael Schulman
Traduzido por Projeto Noaismo Info: © Projeto Noaismo Info

Site Bnei Noach (BRA)_Bnei Noach_Filhos de Noé_Leis Universais_Noaismo.info

https://a-fe-original–noaismo.info/site-bnei-noach-copyright/

Padrão
Bnei Noach

Mandamentos para os judeus e mandamentos para os Bnei Noach

Mandamentos para os judeus e mandamentos para os Bnei Noach

 

Você sabia que existem Mandamentos exclusivamente JUDAICOS, ou seja, que são apenas para os judeus (ou, em outras palavras, que são proibidos para os Bnei Noach)? Além daqueles que são inapropriados para os noaítas?

Você sabia que as Leis de Noá não são somente Sete? Você sabia que as Leis Noaicas chegam no mínimo a 100? Você sabia que muitos dos 613 mandamentos da Torá são subdivisões ou ramificações das Sete Leis?

Você sabia que existe um limite de até onde um noaíta pode ir no cumprimento de mitsvót? E que esse limite foi estabelecido pelo PRÓPRIO D’us, Hashém, e não por algum humano?

 

A Organização Internacional Ask Noah, cujo Diretor é o Rabi Dr. Michael Schulman, explica:

Nos preparamos para a vinda do mashíach “fortalecendo a observância dos mandamentos. Para os gentios (não-judeus), isso significa os Sete Mandamentos que se aplicam a eles: as Sete Leis que foram dadas a Noé e todos os seus descendentes. Para os judeus significa os mandamentos que se aplicam a eles [as 613 mitsvót]. Ambos os grupos de mandamentos encontram-se na Torá e na Tradição Oral Judaica, dada por D’us a Moisés no Monte Sinai. Este avanço será concretizado por todos os judeus e gentios trabalhando juntos nestes dois caminhos” espirituais.

 

Além disso, conforme exposto pelo Rambám e pelo Rebe, e então explanado pelo Shulchan Aruch Bnei Noach — o livro The Divine Code da AskNoah, escrito pelo Rabi Moshe Weiner:

“Se um gentio quiser cumprir qualquer um dos outros mandamentos da Torá com o fim de receber um benefício prático[*] (mas não como um mandamento direto), não o impedimos de fazê-lo, inclusive com suas respectivas leis corretas (com as exceções indicadas no parágrafo abaixo) – se ele quiser dar um dízimo de seu dinheiro ou produto para caridade, isso é permitido (com as exceções a seguir). No entanto, se um gentio observa qualquer um dos mandamentos judaicos da Torá como uma obrigação religiosa (inclusive se ele o faz com o desejo de receber uma recompensa espiritual), isto é proibido, [como parte] da proibição de adicionar mandamentos, e não há recompensa espiritual derivada disso.

A regra geral é que qualquer mandamento judaico entre o homem e seus semelhantes, ou entre o homem e D’us, que tenha uma razão e um benefício lógico para uma pessoa ou para uma sociedade, é permitido para os gentios. Mas isto não se aplica para qualquer mandamento que não tenha uma função lógica ou benefício natural (tais como os mandamentos que exijam a santidade de um judeu), [em outras palavras, não se aplica a qualquer mandamento] que é um sinal de identidade para os judeus (os símbolos judaicos, tais) como suas franjas rituais (tsitsit), pergaminhos de mezuzá, ou filactérios, e é um estatuto divino para os judeus sem nenhuma razão ou benefício entendido para uma pessoa. Um gentio deve evitar a observância de tais mandamentos, e deve ser instruído que é inapropriado observá-los.

Mandamentos que são imprescindíveis pela lógica, como honrar os pais, fazer bondade e caridade, é apropriado fazê-los.”

 

[* Este é o caso unicamente do tipo de mandamentos chamados Mishpatím.]

(Traduzido por © Projeto Noaismo Info)

 

O Rabi Ariel Groisman (que tem seus vídeos sobre Bnei Nôach postados no site do Chabad) explica o significado de: “podemos cumprir qualquer  um dos outros mandamentos da Torá” e destemidamente exorta-nos:

“Não podemos cumprir aqueles mandamentos que são exclusivos e identificadores do povo judeu (os Edót), por exemplo: FESTIVIDADES, SHABÁT, TALÍT, TEFILÍN, MICVÊ, TSITSÍT etc.
Se (vocês Bnei Noach) vão imitar os judeus, façam-no com respeito à solidariedade, caridade e justiça social que eles praticam, e com respeito à perseverança no estudo da Torá.
Se deseja imitar o povo judeu, faça-o com respeito a estudar e ensinar os valores da Torá, e os atos de justiça social e beneficência. Eles fazem isso. Imite-os.”

 

O Rabi Ariel Groisman é Rabino do Centro de Estudos do Gran Templo Paso de Buenos Aires, Argentina, e co-fundador e co-diretor do centro noajidas.org, um Centro de Estudos virtual e físico dos Sete Princípios Universais.

 

Por Projeto Noaismo Info
Traduções do inglês e do espanhol por © Projeto Noaismo Info
© Ask Noah International
© Rabi Moshe Weiner
© Rabi Ariel Groisman

Site Bnei Noach (BRA)_Bnei Noach_Filhos de Noé_Leis Universais_Noaismo.info

https://a-fe-original–noaismo.info/site-bnei-noach-copyright/

 

Veja também

https://a-fe-original–noaismo.info/2018/04/02/site-bnei-noach-o-modo-de-vida-dos-bnei-noach/

https://a-fe-original–noaismo.info/2016/03/27/site-bnei-noach-exceto-as-sete-leis-de-noe-pode-um-nao-judeu-observar-mitsvot/

https://a-fe-original–noaismo.info/2016/08/01/site-bnei-noach-maimonides-e-os-bnei-noach/

https://a-fe-original–noaismo.info/2017/12/02/site-bnei-noach-noaitas-e-os-613-mandamentos-judaicos-divinos-ou-a-criacao-de-ritos/

https://a-fe-original–noaismo.info/2018/05/06/site-bnei-noach-nao-recebemos-nenhum-merito-por-observar-mandamentos-que-nao-nos-sao-pertinentes/

 

Padrão