Uncategorized

Benêi Nôach e o hebraico

A Fé Original: Noaismo.info

O Site de Bnei Noach do Brasil

 

B”H

 

Sobre Benêi Nôach e o hebraico, veja

https://a-fe-original–noaismo.info/2015/11/17/deve-o-noaita-aprender-a-lingua-hebraica-e-aprender-o-tanach-em-hebraico/

Anúncios
Padrão
Uncategorized

A existência de um povo que prova a existência de D’us

B”H

 

Você já parou para pensar no como e no por que o povo judeu existe até hoje (existe há 4.000 anos)?

 

É a existência de um povo que prova a existência de D’us.

 

Veja em

 

https://a-fe-original–noaismo.info/2016/04/22/o-povo-de-dus/

Padrão
Uncategorized

Pêssach e os Bnei Nôach

B”H

 

Pêssach e os Bnei Nôach

 

Como os Bnei Nôach celebram Pêssach?

 

Os Bnei Nôach NÃO celebram Pêssach.

Os Bnei Nôach NÃO celebram Pêssach e os Bnei Nôach NÃO celebram NENHUMA festividade judaica, incluindo Shabát (Pêssach e Shabát celebram a mesma coisa: a saída do povo judeu do Egito, e, por isso mesmo, são mandamentos festivos exclusivamente judaicos*. O Pêssach é a celebração anual enquanto o Shabát é a celebração semanal.

 

* Para o Shabát, veja Vaicrá/Lev. 23:1-5, 44; Devarím/Deut. 5:15; Shemót/Êxo. 16:1, 4-5, 22-23, 25-30; 31:12-17.)

 

Por que os Bnei Nôach não celebram Pêssach? Porque Bnei Nôach (noaítas/Filhos de Noá) NÃO são judeus. Por que os Bnei Nôach haveriam de celebrar Pêssach (ou qualquer outra festividade judaica) se não são judeus?

Bnei Nôach são NÃO-judeus que reconheceram e aceitaram que O D’us de Israel é O MESMO D’us CRIADOR do universo e que vivem de acordo com SUAS Mitsvót (Leis) Universais e que acreditam apenas no Tanách (bíblia judaica) como A Palavra de D’us.

Portanto, é absolutamente impertinente para os Bnei Nôach (como para qualquer outro não-judeu) o Pêssach ou qualquer outra festividade judaica, bem como o Shabát.

 

Os Bnei Nôach descendem de Avrahám, Yitschák e Yaacóv? NÃO.
Os Bnei Nôach foram escravos no Egito? NÃO.
Os Bnei Nôach foram libertados da escravidão no Egito? NÃO.
Então, não faz sentido os Bnei Nôach quererem honrar Pêssach. (Como não faz sentido algum os Bnei Nôach quererem honrar Shabát ou qualquer outra festividade judaica.)

 

O PRÓPRIO D’us, Hashém, disse:

“E se algum prosélito (não-judeu) habitar contigo (Israel) e quiser fazer o Pêssach a Havayah, todo macho deverá ser circuncidado (convertido), e então se chegará para celebrá-lo, e será como o natural da terra (de Israel); e nenhum incircunciso (não-convertido) [participará] dele. A Lei (da Torá, como modo de vida do judeu,) será a mesma para o natural (descendente de Israel) e o prosélito (convertido) que peregrina entre vós. Assim fizeram todos os filhos de Israel, como ordenou Havayah a Moshé e a Aharón; e assim fizeram. E … Havayah tirou os filhos de Israel da terra do Egito. … E Moshé disse ao povo (de Israel): Recordai este dia que saístes do Egito, da casa dos escravos; … e guardarás este estatuto em seu prazo de ano em ano.”
Shemót/Êxodo 12:48-13:10 *

* Leia o texto bíblico na íntegra para o mandamento estritamente judaico de chamêts.

 

Portanto, um não-judeu até pode realmente sentir vontade – ter o desejo – de observar alguma data exclusivamente judaica ou algum rito exclusivamente judaico, mas é óbvio (ou pelo menos deveria ser óbvio) que para isto ele (o não-judeu) deve converter-se.

Foi exatamente isto o que o Rabi Maimônides disse nas Leis dos Reis 10:9 e 10, que aquele noaíta que passar a ir além das suas Leis, absorvendo leis e ritos judaicos, já assumindo um modo de vida judaico, já se comportando como um judeu, que converta-se, e então poderá devidamente observar quaisquer mandamentos estritamente judaicos.

“Se um não-judeu faz Shabát ou cria práticas religiosas (por exemplo, copiando ritos judaicos) ou cria um dia de festa para si próprio (por exemplo, copiando a celebração das festividades judaicas, um judeu) deve … informá-lo de que é passível de (punição por D’us).
Em geral se adota o seguinte princípio nestes assuntos: Não se deve permitir dar origem a alguma religião ou criar novos preceitos para si mesmos, baseados nas suas próprias decisões. Eles (os não-judeus) podem se tornar convertidos justos e aceitar todos os preceitos (estritamente judaicos, como honrar o Shabát, celebrar as festividades judaicas (Pêssach, …), etc.,) ou manter suas próprias leis sem acrescentar ou diminuir.”
– Rabi Maimônides, As Leis dos Reis 10:9, 10

É por isso que destemidamente o Rabi Zvi Aviner (baseado nas palavras acima do Rabi Maimônides) declara que “outro erro (cometido por certos rabinos e alguns judeus) é oferecer aos Bnei Nôach (não-judeus) os rituais judaicos que não tem sentido para eles”, e, que “é errado os não-judeus simplesmente copiarem os costumes (estritamente) judaicos adaptando-os como seus.” Os não-judeus que assim procedem “estão equivocados”.

E é por isso mesmo também que o Rabi Michael Schulman, Diretor Executivo da Ask Noah International e do asknoah.org, site judaico afiliado do Chabad para orientações da vida dos Bnei Noach, declara que “os Bnei Nôach não devem observar os mandamentos das festividades bíblicas judaicas.”

E o que é que os Bnei Nôach podem fazer durante os dias de Pêssach?

O Rabi Michael Schulman (Chabad) responde que “os Bnei Nôach podem ler e/ou discutir as passagens da Torá sobre o Êxodo do Egito e/ou sobre os mandamentos judaicos associados ao Pêssach.”

A Leitura Bíblica para os dias do Pêssach são:

 

20 Abril, 2019*

Êxodo 12:21-51;
Números 28:16-25; e,
Josué 3:5-7; Josué 5:2-6:1; Josué 6:27

 

* A contagem do dia judaico começa ao pôr do sol de Sexta-feira, 19 Abril, 2019.
__________

 

21 Abril, 2019

Levítico 22:26-23:44
e
Reis II 23:1-9; Reis II 23:21-25

__________

 

22 Abril, 2019

Êxodo 13:1-16

__________

 

23 Abril, 2019

Êxodo 22:24-23:19

__________

 

24 Abril, 2019

Êxodo 34:1-26

__________

 

● 25 Abril, 2019

Números 9:1-14

__________

 

26 Abril, 2019

Êxodo 13:17-15:26
e
Samuel II 22:1-51

__________

 

27 Abril, 2019

Deuteronômio 14:22-16:17
e
Isaías 10:32-12:6


 

Uma pergunta:

Por que os judeus celebram Pêssach por 7 (sete) dias?

 

O Midrásh (Shemót Rabá 19:7) explica que embora os judeus tenham saído do Egito no primeiro dia de Pêssach, eles foram perseguidos pelos egípcios até a abertura do Mar Vermelho, que aconteceu sete dias depois. Portanto, embora o Êxodo tenha começado no primeiro dia, não foi completado até o sétimo dia. Os judeus são ordenados a celebrar esses sete dias.


 

Durante cada um dos dias de Pêssach, os Bnei Nôach podem fazer suas orações como sempre fazem-no, e podem, se quiserem, fazer também as seguintes orações (a partir do pôr do sol de Sexta-feira, 19 Abril, até antes do pôr do sol de Sábado, 27 Abril, 2019):

 

Nishmát Col Chái

 

Que a alma de todo ser vivo abençoe TEU NOME, Hashém, nosso Deus, e o espírito de toda criatura glorifique e exalte a TUA lembrança, REI nosso, permanentemente. Desde o mundo mais elevado até o mais baixo, TU és O Deus Todopoderoso; e fora de TI não temos REI, Redentor e Salvador que liberta, resgata, sustenta, responde e SE apieda em todo momento de aflição e tribulação; não temos outro REI, além de TI. (TU és) O Deus das primeiras e das últimas (gerações), Deus de todas as coisas criadas, Senhor de todos os acontecimentos, que é exaltado com múltiplos louvores, que dirige SEU mundo com bondade, e as SUAS criaturas com compaixão. Na verdade, Hashém não cochila nem dorme. É ELE QUEM anima os que dormem, QUEM desperta os que cochilam, QUEM faz o mudo falar, QUEM liberta os presos, QUEM sustenta os que caem, e QUEM endireita os encurvados. Somente a TI damos graças. Ainda que a nossa boca estivesse tão cheia de cântico como o mar (está cheio de água), a nossa língua de melodia como o bramido das suas ondas, e nossos lábios de louvor como a expansão do firmamento; e nossos olhos resplandecessem como o sol e a lua, nossas mãos estivessem estendidas como (as asas das) águias do céu, e nossos pés fossem ligeiros como o cervo – ainda assim não seria o suficiente para TE agradecer, Hashém, nosso Deus, e para bendizer TEU NOME. Os membros que TU dispuseste dentro de nós, o espírito e alma que TU insuflaste em nossas narinas, e a língua que TU puseste em nossa boca – todos eles hão de agradecer, abençoar, louvar e glorificar, exaltar e adorar, santificar e proclamar a soberania de TEU NOME, nosso REI. Porque toda boca TE agradecerá, toda língua há de jurar com TEU NOME, todo olho TE observará, todo joelho se ajoelhará diante de TI, todos aqueles que estão erguidos haverão de prostrar-se diante de TI, todos os corações haverão de temer a TI, e cada uma das partes mais internas cantarão ao TEU NOME, como está escrito [em Tehilím/Salmos 35:10]: “Declare todo meu ser: Hashém, quem é como TU? Que salva o pobre do mais forte, ao pobre e ao destituído do que ia roubar-lhe!” Quem pode assemelhar-se a TI, quem pode igualar-se a TI, quem pode comparar-se a TI, O grande, poderoso e temido Deus, Deus enaltecido, CRIADOR do céu e da terra! TE louvaremos, exaltaremos e glorificaremos, e abençoaremos TEU Santo NOME, como está dito [em Tehilím/Salmos 103:1: “Um Salmo] por David: abençoe a Hashém, minha alma, e todo meu ser – a SEU Santo NOME.” Todos TE reconhecerão e todos TE louvarão e todos dirão: “Não há santo como Hashém!” Todos TE exaltarão para sempre, Hashém, CRIADOR de tudo, Deus que a cada dia faz com que o sol e a lua iluminem o mundo inteiro e seus habitantes, os quais criou de acordo com o atributo da misericórdia, que com misericórdia ilumina a terra e os que a habitam, e em SUA bondade renova a cada dia, permanentemente, a obra da criação. Quão abundantes são TUAS obras, Hashém! TU as fizeste todas com sabedoria, a terra está cheia das TUAS criações. REI, que por SI só já é elevado desde antes dos tempos, louvado, glorificado e enaltecido desde o momento da criação; Hashém, Deus do universo, em TUAS abundantes misericórdias apieda-TE de nós. Não há ninguém comparável a TI, e ninguém além de TI; não há nada sem TI, e quem é como TU? Não há ninguém que se compare a TI, Hashém, nosso Deus – neste mundo; e ninguém fora de TI, nosso REI – na vida do Mundo Vindouro; não há nada sem TI, nosso Redentor – nos dias de Mashíach; e não há ninguém como TU, nosso Salvador – na era da ressurreição dos mortos.

 

Yaalé Veiavó

Nosso Deus, que ascenda, venha e alcance, seja vista, aceita, e ouvida, trazida à memória e lembrada diante de TI a nossa lembrança e recordação, a lembrança de Mashíach, o filho (descendente) de David, TEU servo, a lembrança de Yerushaláyim, TUA cidade sagrada, e a lembrança de todo TEU povo, a Casa de Israel, para salvação, bem-estar, graça, bondade, misericórdia, boa vida e paz, neste dia de convocação santa da Festividade das Matsot que TU deste aos Benêi Yisrael (Filhos de Israel), TEU povo. Lembra de nós neste (dia), Hashém nosso Deus, para o bem; tem-nos presente neste (dia) para bênção; ajuda-nos neste (dia) para a boa vida. Com a promessa de salvação e compaixão, compadece-TE e sê benigno conosco; tem piedade de nós e salva-nos; pois nossos olhos estão dirigidos a TI, pois TU, Deus, és um REI gracioso e misericordioso.

Nosso Deus, reina sobre o mundo inteiro em TUA glória, sê exaltado sobre toda a terra em TEU esplendor, e revela-TE na majestade de TEU glorioso poder sobre todos os habitantes de TEU mundo terrestre. Que tudo o que foi feito saiba que TU o fizeste; tudo o que foi criado compreenda que TU o criaste; e declare todo aquele que possua alento (de vida) em suas narinas que Hashém, Deus de Israel, é REI, e SEU reinado tem domínio sobre tudo. Purifica nosso coração para servir-TE com sinceridade, pois TU és o verdadeiro Deus, e TUA palavra, nosso REI, é verdadeira e perdura para sempre.

TU tens TE mostrado para que se saiba que Hashém é O Deus; não há mais nada fora ELE. TEU Reinado é um reinado sobre todos os mundos, e o TEU domínio está através de todas as gerações. Hashém é REI, Hashém foi REI, Hashém será REI para todo o sempre. Hashém dará força a nós Benêi Nôach e ao SEU povo Israel; Hashém abençoará os Benêi Nôach e o SEU povo Israel com a paz.

Hashém, nosso Deus, todas as TUAS obras TE louvarão, e TEUS devotos, os justos que cumprem a Tua vontade, e todo o TEU povo, a Casa de Israel, com canto jubiloso louvarão e abençoarão, enaltecerão e glorificarão, exaltarão e adorarão, consagrarão e proclamarão a soberania de TEU NOME, nosso REI. Pois é bom louvar-TE, e apropriado cantar a TEU NOME, pois do mundo mais elevado ao mais baixo TU és Deus. Bendito és TU, Hashém, REI enaltecido com louvores.

Padrão
Uncategorized

E se eu não gosto do meu trabalho?

B”H

 

E se eu não gosto do meu trabalho?

 

Perguntas & Respostas / Palavras do Rebe (o líder da nossa geração)

 

● Uma pergunta para o Rebe:

Até hoje não descobri se existe, de fato, uma profissão que eu poderia dizer que trabalharia porque aquilo é o que gosto.
Trabalho porque é preciso.
E se eu nunca encontrar um emprego que eu goste?

 

● Resposta do Rebe:

Sobre a sua falta de prazer no seu trabalho — o propósito final do seu trabalho é ganhar dinheiro para você poder:
1. sustentar sua família;
2. dar tsedacá (caridade); e,
3. estudar Torá [(adquirindo livros judaicos pertinentes à sua identidade espiritual — judaítica ou noaítica)].
Estas são razões suficientes para você gostar do seu trabalho.

© Rabi Menachem Mendel Schneerson, o Rebe

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

Padrão
Uncategorized

Qual é a diferença entre bênção e reza?

B”H

 

Perguntas E Respostas

 

Por Noaismo.info

 

Nas palavras transliteradas, “CH” deve ser pronunciado como “rr” e “SH” como “ch”.

 

Qual é a diferença entre berachá (bênção) e tefilá (oração)?

 

R: Na Berachá não se pede nada a D’us.
A Berachá é uma constante reafirmação de que D’us é a origem de tudo. Ela é uma declaração de agradecimento por tudo que D’us nos proporciona.
Quando falamos de D’us como “bendito” (“barúch”), queremos dizer que D’us é a fonte de todas as bênçãos.

A Tefilá (literalmente, “conexão”) é a comunicação com D’us, é o nosso diálogo íntimo com O INFINITO, que pode ser dividida em três categorias: louvação a D’us, petições — pessoais e/ou coletivas — a D’us, e enunciação de nossos pensamentos e sentimentos a D’us.

 

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

Padrão
Uncategorized

Qual é a maior diferença entre o conceito judaico de D’us e o conceito cristão de Deus?

B”H

 

Qual é a maior diferença entre o conceito judaico de D’us e o conceito cristão de Deus?

 

Existem inúmeras diferenças fundamentais entre o judaísmo/noaísmo e o cristianismo.

O site Noaismo.info entende que a maior e mais importante diferença entre o conceito judaico de D’us e o conceito cristão de Deus é que, segundo o cristianismo, de acordo com o seu próprio fundador, Jesus, e com o próprio Evangelho, “Deus é espírito”. Ensina o chamado “novo testamento” que Jesus, depois de morto, “entrou no próprio céu para aparecer perante a pessoa de Deus.”

“Deus é uma Pessoa espiritual, o que significa que [ele] tem um corpo espiritual. Deus como indivíduo, como Pessoa com um corpo espiritual, tem um lugar de residência, e assim não pode estar em qualquer outro lugar ao mesmo tempo.

Deus é uma pessoa, um indivíduo, tanto quanto Jesus. E os cristãos, quando finalmente viverem no céu, verão Deus e também serão semelhantes a ele, mostrando que Deus é realmente uma pessoa e tem um corpo, bem como determinado lugar para estar” e viver, um lugar literal chamado “céu”.

Em contraste, o Rabi David Aaron explica que “‘Deus” é uma palavra de origem latina não encontrada na Bíblia original [a Torá], em hebraico. O nome na Bíblia que infelizmente foi traduzido como “Deus” é o tetragrama impronunciável escrito em português como Y/H/V/H — derivado das palavras em hebraico que significam “foi”, “é” e “será”.” Chamamos a abreviação Y/H/V/H de Hashém, termo hebraico que literalmente significa “o Nome”. Mas também é comum no judaísmo e no noaísmo a utilização da expressão hebraica En Sof — literalmente “O SEM FIM”, i.e., “O UM TODO-INFINITO” ou “O ILIMITADO” ou “O INTERMINÁVEL” — para denotar D’us. O Rabi David Aaron segue explicando que “o tetragrama Y/H/V/H sugere A PRESENÇA INFINITA, A REALIDADE SUPREMA, A Origem de toda a existência.

Ainda assim, a maioria das pessoas pensa que D’us é um ser — como você e eu, mas todopoderoso — e que, como nós, existe nesse mundo. Mas a Torá ensina que D’us não é um ser que existe na realidade. Hashém não existe na realidade — Hashém é A Realidade. Nós não somos a realidade. Nós existimos na realidade,  nós existimos em Hashém, dentro da realidade que é Hashém. Para encontrar D’us, você tem de se perguntar “Onde estou?” e não “Onde está D’us?”. D’us [O D’us da Torá, O D’us de Israel] não está em nenhum lugar específico. D’us é o lugar e é todos os lugares. Nós vivemos em D’us. D’us é o lugar em que existimos, a realidade dentro da qual existimos. [Por isso,] Hashém (“D’us”) não é masculino nem feminino, não é uma pessoa e não se parece com uma pessoa. Hashém não é equivalente a nenhum ser humano. Hashém (“D’us”) é A REALIDADE SUPREMA e INFINITA — Aquilo que abarca todo tempo, todo espaço e todo ser.”

Portanto, segundo o judaísmo e o noaísmo, como explica o Rabi Aryeh Kaplan: “D’us está tão elevado acima de nós (humanos) que é completamente impossível compreendê-LO de qualquer maneira. A essência de D’us não pode ser apreendida nem pelo pensamento.”

Porém, isto não é tudo. Mais do que “D’us ser incompreensível (a nós, humanos), nem sequer os anjos mais elevados e nem sequer os seres espirituais mais elevados podem compreender a verdadeira essência de D’us. Portanto, D’us PRÓPRIO é [inimaginável,] incognoscível, indescritível e inonimado.”

“Até mesmo o tetragrama que é chamado de “nome próprio” de D’us é apenas uma alusão, porque estamos nos referindo à REALIDADE ABSOLUTA, ORIGINAL e INFINITA que simplesmente foi, é e sempre será. Algo tão vasto e abstrato não cabe em qualquer imagem ou conceito.

Não compreendemos — na verdade, não podemos entender — Hashém, mas podemos ter — e já temos — uma relação com Hashém.” Diz-nos o Rabi David Aaron.

Em vista disto tudo, não é à toa que mesmo as pessoas que pensam em D’us como alguém, como um indivíduo, questionam: “Mas como é possível ele ser todopoderoso e saber todas as coisas e ainda não ter tido um começo (se ele é só uma pessoa)?”

Mas quando elas finalmente aprendem que D’us, Hashém, é EN SOF, O INFINITO — O TODOINFINITO —, então estes questionamentos se dissipam.

 

Veja também

https://a-fe-original–noaismo.info/2017/11/19/a-nao-espiritualidade-de-dus/

https://a-fe-original–noaismo.info/2017/07/01/dus-e-os-anjos/

https://a-fe-original–noaismo.info/2019/03/19/grandiosidade-de-dus-ou-infinitude-de-dus/

 

Por Noaismo.info

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

Padrão