7a Parte do Curso Bnei Noach

B”H

 

Parte 7 do Mini Curso Virtual Gratuito de Introdução ao Tema de Bnei Noach

6a Parte do Curso Bnei Noach

B”H

 

Parte 6 do Mini Curso Virtual Gratuito de Introdução ao Tema de Bnei Noach

4a Parte do Curso Bnei Noach

B”H

 

Parte 4 do Mini Curso Virtual Gratuito de Introdução ao Tema de Bnei Noach

Shavuot Bnei Noach e 2a Parte do Curso Bnei Noach

Por Projeto Noaísmo Info

 

Shalom para todos!

Prezados Bnei Noach, hoje, domingo, 16 de maio de 2021, ao pôr do sol, ou seja, às 18 horas, começa a festividade judaica de Shavuót. Essa festividade, comemorada na Diáspora no 6° e 7° dias do mês judaico de Sivan, é a data na qual os judeus celebram Matan Torá — a Entrega da Torá. Portanto, no nosso calendário não judaico, ela vai do anoitecer de hoje ao anoitecer de terça, 18 de maio de 2021.

 


Observação:
É importante notar, contudo, que a transmissão da Torá não ocorreu em um único dia — mas sim, O ONIPOTENTE a transmitiu a Moshé, que a ensinou ao povo judeu durante os 40 anos de sua permanência no deserto do Sinai.


 

É importante nós Bnei Noach ou noaítas honrarmos a festividade de Shavuót porque, apesar de ser uma festividade judaica, de todas as festividades caracteristicamente judaicas a única que contém também um aspecto universal, não judaico, é essa, Shavuót.

Qual é a relevância para nós deste aspecto universal de Shavuót?

A data de Shavuót significa não apenas o nascimento do povo judeu enquanto nação mas também o nascimento do status de Chassidéi Umót Haolám, ou seja, de piedosos/devotos de Hashém dentre as nações, pois é apenas a partir de Shavuót que uma pessoa nao-judia que aceita as 7 Leis Universais, não porque foram dadas para Adão e Eva na Criação do mundo nem porque foram dadas para Noá e Naamá depois do dilúvio, mas, porque foram dadas pelo PRÓPRIO D’US para Moshé e para o povo judeu na Entrega da Torá no monte Sinai, é que se alcança o maior status que um não-judeu pode alcançar, mais do que ser apenas sábio e justo, como o foram Noá, Eliézer, Jó, alcança-se o status de um Chassíd Umót Haolám, como explicado pelo Rabi Maimônides, o Rambám.
O Rebe diz:
É óbvio que a tarefa de fazer com que o mundo todo seja um lugar [espiritualmente] civilizado não pode ser alcançado unicamente pelo povo judeu. Certamente, nós judeus podemos ajudar, mas a tarefa concreta de civilizar [espiritualmente] o mundo de maneira permanente deve ser levada a cabo pelas próprias nações não judaicas. Elas têm a responsabilidade de fazer deste mundo um lugar [espiritualmente] civilizado para se viver.
Rabi Maimônides enfatiza, ao analisar as Sete Leis Noaíticas, que elas devem fazê-lo com a convicção de que estão cumprindo a vontade de D’US tal como ELE a revelou no monte Sinai; que quando D’US deu todos os SEUS mandamentos para o povo judeu, ELE também deu as Sete Leis Noaíticas para todas as nações do mundo.”

 

E será que há algo que nós Bnei Noach podemos fazer para celebrar Shavuót referente àquilo que nos diz respeito?

Sim, com certeza. Podemos orar, fazer bênçãos, ler a Torá, acender vela para embelezar a casa, fazer refeições festivas, e mais, como nos explica a Ieshivá Pirchéi Shoshaním:

Embora Israel fosse a preocupação primária de D’US no Sinai, não era a única preocupação de D’US. Quando ELE ordenou Israel na Torá, ELE também aproveitou a oportunidade para reafirmar as leis noaíticas e ordená-las de novo para o mundo. Ao dar a Torá no Sinai, D’US renovou a esperança no mundo. Isto é confirmado pelo fato de que as leis noaíticas foram re-ordenadas para o mundo no Sinai.
Shavuot, o aniversário da entrega da Torá é o momento de conectar-se com a obrigação de observar as leis noaíticas, aceitá-las novamente e celebrar o fato de que D’US as afirmou de novo no Sinai.
Existe o costume de decorar a Sinagoga [e a casa] com plantas e flores para celebrar a revelação no Sinai, pois quando a Torá foi entregue para o povo judeu, o Monte Sinai — uma montanha deserta e árida — viu-se subitamente coberto de flores, árvores e grama. É apropriado que os noaítas enfeitem seus locais de reunião ou suas casas para a festividade. Uma vez que este é o aniversário da afirmação de D’US das leis noaíticas para o mundo, este é um momento apropriado para aceitar e afirmar as leis noaíticas tanto individualmente como comunitariamente. Esta aceitação pode ser realizada de forma individual ou pessoal (ou seja, não tem de ser perante um rabino nem ter a assinatura de um rabino). No entanto, se alguém desejar recitar um texto, nós sugerimos o do Guia de Bênçãos e Orações Diárias para os Bnei Noach (revisado, aprovado e recomendado pelo Rav Shimshon Bisker, de Israel) (que, inclusive, a versão PDF também contêm orações especiais que podem ser recitadas durante esses dois dias de Shavuót).

As orações devem expressar o desejo de que o mundo inteiro reconheça a revelação no Sinai e venha a aceitar as leis noaíticas. As orações também devem incluir pedidos para que se julgue favoravelmente os frutos das árvores, pois em Shavuot o mundo é julgado com base nos frutos. Como tal, é um momento apropriado para orar pelos frutos das árvores.

Também é apropriado estudar as leis noaíticas e [lições] relativas às leis noaíticas e à entrega da Torá até tarde da noite. As orações da manhã também devem ser feitas cedo.

Em resumo:
1. Enquanto os judeus celebram Shavuot como a entrega da Torá, Bnei Noach (noaítas) o celebra como o dia em que as leis noaíticas foram renovadas e um dia de julgamento para os frutos das árvores.
2. O local de reunião ou a casa deve ser decorado com plantas.
3. É o momento de reafirmar e aceitar as leis noaíticas.
4. O estudo da Torá deve ser aumentado neste dia.”

Editado e traduzido do inglês por Projeto Noaísmo Info: © Projeto Noaismo Info

© Rabi Menachem Mendel Schneerson
© Yeshiva Pirchei Shoshanim

© Projeto Noaismo Info

 

E certamente uma maneira de se estudar a Torá e suas leis universais, as Sete Leis de Bnei Noach, é fazendo o Mini Curso Virtual Gratuito de Introdução ao Tema de Bnei Noach. Se você ainda não estudou a primeira parte, estude-a. Se sim, reveja-a. E exatamente hoje, às 18h, graças a D’US, estará saindo a segunda parte. Bom curso.

 

Parte 2 do Mini Curso Virtual Gratuito de Introdução ao Tema de Bnei Noach

Site Bnei Noach (BRA)_Bnei Noach_Filhos de Noé_Leis Universais_Noaismo.info

© Projeto Noaismo Info (Site Bnei Noach)

O que significa estar sob as asas da PRESENÇA DIVINA?

orgulhosamente apresenta:

EM HOMENAGEM AO MORÉ SR. CHAIM REISNER, O FUNDADOR DA ORGANIZAÇÃO ASK NOAH INTERNATIONAL, PELO UM ANO DE SEU FALECIMENTO, E EM HOMENAGEM AO REBE PELO SEU 119° ANIVERSÁRIO DE NASCIMENTO

 

Estar sob as asas da Shechiná

 

Atenção:
Nas palavras transliteradas, o “ch” tem som de “RR”: Charán.
Nas palavras transliteradas, o “sh” tem som de “CH”: Shechiná (shechiná, lê-se cherriná); Rashi; Moshe.

 

Pergunta:
O que significa estar “sob as asas da Shechiná”?

 

Resposta:
Vejamos a explicação de Rashi sobre Gênesis 12:5. Mas antes, vejamos o que diz Gênesis 12:5:
“E Avram tomou Sarai, sua esposa, e Lot, seu sobrinho, e todos os seus bens que eles tinham adquirido e todas as pessoas que eles fizeram em Charán, e partiram em direção à terra de Canaan. E eles chegaram à terra de Canaan.”

Rashi explica o significado midráshico da frase “e todas as pessoas que eles fizeram em Charán“:
“Aqueles que ele (Avram) introduzira sob as asas da Shechiná — PRESENÇA DIVINA.
Avraham convertia os homens, e Sarai as mulheres. Assim, as Escrituras atribuem a eles (o mérito), como se eles os houvessem feito.”

Isto foi antes da Torá ser dada no Monte Sinai, quando os israelitas se tornaram o povo judeu, então a “conversão” referida por Rashi significa que Abraham e Sara convenceram muitas pessoas em sua cidade natal de Charán a rejeitar a idolatria e a aceitar e seguir o Único D’US Verdadeiro, e essas pessoas foram inspiradas a se tornarem seus seguidores. Abraham e Sara não apenas ensinaram seus seguidores a acreditar no Único D’US, CRIADOR do Céu e da Terra, mas também a observar os Sete Mandamentos que D’US ordenou através de Noá. Em termos simples, estas pessoas se converteram em gentios justos — pessoas não-judias que elevaram suas almas. Com esta fé e obediência a D’US, elas mereceram receber bênçãos e ter uma estreita ligação com A PRESENÇA DIVINA de D’US (a Shechiná), e ganhar recompensa espiritual neste mundo e em sua vida após a morte. O termo eufemístico para este avanço espiritual é estar “sob as asas da Shechiná”.

O Lubavitcher Rebe expôs em uma palestra:
“Falando de Avraham e Sarah, a Torá se refere às “pessoas que eles fizeram em Charán”. Rashi explica que se diz que eles “fizeram” as pessoas, “pois eles as introduziram sob as asas da PRESENÇA DIVINA (a Shechiná)”. Avraham “convertia” os homens, e Sarah “convertia” as mulheres. A Escritura considera isto como se eles as tivessem “feito”.
Rashi não diz “conversão ao Judaísmo”, pois este é um fenômeno que começou apenas depois da revelação da Torá (no Monte Sinai). Em vez disso, ele enfatiza, “eles as introduziram sob as asas da PRESENÇA DIVINA”. Isto também explica por que o Targum Onkelos (a tradução aramaica) traduz o versículo como: “aqueles que eles fizeram subservientes à Torá[*]”, e não “aqueles que eles converteram”.” [Enquanto o Rabi Moshe Wisnefsky traduz:
“Os seguidores que eles tinham persuadido a aceitar o monoteísmo”. Observação do Projeto Noaísmo Info.

* A Torá das Sete Leis — as Leis Noaíticas.]

 

Por Organização Internacional Ask Noah (que reconhece e aprova o Projeto Noaísmo Info)
Traduzido por Projeto Noaísmo Info

© Ask Noah International
© Projeto Noaismo Info

Site Bnei Noach (BRA)_Bnei Noach_Filhos de Noé_Leis Universais_Noaismo.info

© Projeto Noaismo Info (Site Bnei Noach)

O Projeto Noaismo Info acredita que o Rebe é o Mashiach?

PERGUNTAS & RESPOSTAS

 

Pergunta:
O Projeto Noaismo Info acredita que o Rebe é o Mashiach? Vocês apoiam esta ideia?

E além disso, os Bnei Noach podem acreditar que o Rebe do Chabad (Rabi Menachem Mendel Schneerson) é o Mashíach?

 

Resposta:
Ficamos felizes em responder as suas perguntas.
Vamos aos esclarecimentos:

A posição do Projeto Noaismo Info sobre a identidade do Mashíach (do messias) é a mesmíssima posição do nosso Rabino Consultor, o Rav Shimshon Bisker, a saber, que quando O PRÓPRIO Hashém o revelar, então aí sim nós o anunciaremos.

Também aproveitamos a ocasião para trazermos aqui a posição da Ask Noah. O Rabi Dr. Michael Schulman, dono e diretor da Organização Ask Noah International, declarou para o Projeto Noaismo Info:
“A política oficial da minha organização Ask Noah International é que não promovemos, nem negamos, a questão de se o Rebe era ou é Mashíach presumido (Mashiach Be Chazaká) ou definitivo (Mashiach Vadái).
Meu entendimento é que a questão de se o Rebe SERÁ Mashíach Vadái é uma questão de fé.”

 

O Rabino Consultor do Projeto Noaismo Info, o Rav Shimshon Bisker, nos declarou:
O Rebe foi um grande tsadíc, ninguém discute, somente que declarar um messias é muito grave (mesmo quando se trata de um grande tsadíc que pode ser que realmente tinha a possibilidade de ser revelado como o messias).
O problema é que muitas pessoas já anunciam o Rebe como o messias, e não que será o messias.
A tentativa de promover um messias (que pode vir dos vivos ou dos mortos, segundo o próprio Talmud) não se trata de avodá zará (idolatria). De toda forma, anunciar um messias é grave e quando tentam nos forçar a receber um messias, devemos tomar cuidado e saber como tratar do tema. Uma posição neutra é melhor para não acabar falando do que não é necessário, entrando em discussões, e também não entrar em questões as quais “não fomos chamados”… .”

 

Abaixo, no vídeo, o nosso Rabino Consultor, o Rav Shimshon Bisker, discorre um pouco mais sobre este tema.

Finalizaremos esta matéria com palavras do Rabi Avigdor Miller:
“Quero contar-lhes umas palavras do velho Rebe de Lubavitch (o rebe anterior) — não sou um lubavitcher, mas o velho Rebe de Lubavitch disse algo. Em seu tempo, houve um certo ano em que eles disseram que o Mashíach (Messias) viria naquele mesmo ano. Ele se arriscou muito.
“O Mashíach virá este ano”, disse ele.
Isso foi há muitos anos — o velho Rebe (o rebe anterior), não o de agora.

E os lubavitcher? Eles estavam se organizando, fazendo pronunciamentos: “Este ano! Este ano!”
Todo mundo estava ridicularizando isso.
E o ano passou e nada aconteceu.
Então eu lhe ofereci um consolo; lhes ofereci meu pequeno simples consolo. Eu disse: “O Rebe de Lubavitch tem razão; ele estava certo. Ele mesmo redimiu muitos judeus de se perderem; ele foi um Mashíach para muitos judeus.”

E quanto a você? Só se vive uma vez neste mundo, e seu trabalho é ser um Mashíach para resgatar ao menos a si mesmo. E se alguém vem e lhe resgata como o velho Rebe de Lubavitch fez, ele também é um Mashíach.

O velho Rebe de Lubavitch fundou yeshivás onde quer que ele fosse. Para quantas crianças, para quantos meninos e meninas judeus, ele era um Mashíach? Deste modo o Mashíach veio; em certo sentido veio.

E por conseguinte, mesmo sendo uma virtude que todos devam esperar todos os dias que o Mashíach venha, mas, enquanto isso ocupem-se e se redimam. Você ouviu isso? Não espere. Há muita coisa para fazer.”

 

© Projeto Noaismo Info
© Rabi Dr. Michael Schulman
© Rav Shimshon Bisker
© Rabi Avigdor Miller
Todas as traduções por Projeto Noaismo Info: © Projeto Noaismo Info
Vídeo editado por Projeto Noaismo Info

Site Bnei Noach (BRA)_Bnei Noach_Filhos de Noé_Leis Universais_Noaismo.info

© Projeto Noaismo Info (Site Bnei Noach)

Por que mashíach ainda não chegou?

apresenta

No mês de aniversário do nosso Site
(05 anos)

Por que mashíach ainda não chegou?

 

“A diferença entre a Redenção e a era atual não é uma mudança no conjunto físico, mas uma mudança na nossa consciência de D’us.” — Chabad.org

 

Por Rabi Menachem Mendel Schneerson (O Rebe)

 


Trazer o Mashíach é um trabalho para cada ser humano na Terra.


 

[Se] existe em toda geração “uma pessoa dentre os descendentes de Judá que é digna de ser o Mashíach de Israel” (Comentário de Rav Ovadiá de Bartenura ao Livro de Rute)[, e se], como escreve o rabino Moshe Schreiber: “Desde o momento da destruição do Bet Hamicdásh, tem nascido alguém que em sua justiça é digno de ser o redentor (de Israel)”, e caso não houvesse impedimentos e obstáculos que impedissem sua vinda, ele já teria vindo[, e também se] nossos Sábios declararam [no Talmud]: “Todos os tempos designados para a vinda de Mashíach já passaram” (Sanhedrin 97b), surge uma pergunta surpreendente:

Como é possível que, apesar de todos esses fatores, Mashíach ainda não tenha chegado? Isto está além de toda compreensão possível.

Considerando que estarmos no exílio por mais de [2000] anos pode causar desânimo e desesperança; por que Mashíach ainda não chegou?! Portanto, saibam: a geração atual [é] a última geração do exílio e a primeira geração da Redenção.

Nossa tarefa de transformar o mundo em uma morada para D’us e provocar a chegada de Mashíach também inclui influenciar os não-judeus a manter suas mitsvót, as Sete Leis Noaíticas. Todo judeu é obrigado a fazer isso. Surge uma pergunta, já que esta lei está em vigor [desde a entrega da Torá no Sinai], por que apenas recentemente ela tem sido enfatizada, e com tanta frequência?

Há duas explicações sobre por que agora as Sete Mitsvót devem ser difundidas. A razão simples é que em gerações anteriores era impossível influenciar os não-judeus neste sentido. Qualquer tentativa de influenciar um não-judeu em assuntos religiosos colocaria a sua vida em perigo. E mesmo quando já não era mais uma questão de vida ou morte, continuava sendo perigoso o suficiente ao ponto de que as pessoas (judias) estavam isentas da obrigação de chegar até os Bnei Noach (descendentes de Noá).

Hoje, no entanto, vemos que o mundo tem mudado drasticamente. Não só é possível influenciar os não-judeus sem se colocar em perigo, mas eles ficam realmente agradecidos. Quando se lhes notifica que existe um “Ser” ONIPOTENTE e que eles podem ajudar a tornar o mundo um lugar melhor mantendo as Sete Mitsvót, eles vêem que você se preocupa com o bem-estar deles. Frequentemente, eles até mesmo mostram sua apreciação.

Além disso, o Rabi Maimônides usa a expressão “‘lakuf’ (‘influenciar à força’) todos os habitantes do mundo a aceitarem os mandamentos noaíticos.” Embora obviamente deva-se fazer isto de uma maneira agradável, gentil e pacífica, ainda assim deve ser feito com persistência. Se você já tentou várias vezes, mesmo assim tente novamente de todas as formas. Com frequência vemos que, ainda que às vezes se fala às pessoas cinco vezes, elas não mudam até ouvir uma sexta vez!

Alguém pode querer reclamar: “e isto é tudo o que nos falta? Há tantas coisas que precisam de nossa atenção!”

Obviamente, esta reclamação não pode ser levada a sério. Pelo mesmo raciocínio, você poderia acabar com todas as 613 mitsvót [judaicas], D’us nos livre! Peça a alguém para fazer uma mitsvá, e ele pode responder: ‘Mas há algo mais importante que estou fazendo!’ E isto não é apenas uma resposta teórica — é algo que vemos no dia-a-dia. Com este raciocínio, uma pessoa poderia até dizer: ‘Mas estou fazendo mitsvót ajudando outros judeus — não tenho tempo para pensar em D’us!’ Portanto, devemos nos preocupar com todas as mitsvót — neste caso, divulgar os mandamentos noaíticos.

Esta é a razão simples da atual ênfase na divulgação das Sete Mitsvót, mas há uma razão mais profunda, ligada à idéia de que o mundo está mudando.

Vemos mudanças radicais no mundo de hoje. Nunca vimos tais extremos — tanto no positivo quanto no negativo.

Nas relações interpessoais, há discussões violentas ocorrendo entre pessoas que parecem não ter nem mesmo o potencial para a controvérsia. Do mesmo modo no lado bom: há atos de caridade e bondade que estão sendo feitos de uma maneira sem precedentes nas gerações anteriores. As pessoas estão dando enormes quantias de caridade e mostrando uma absoluta abnegação pelo bem-estar dos outros. Qualquer um que pensar no que está acontecendo no ambiente à sua volta vai perceber isto.

Apesar do fato do mundo estar passando por tais mudanças, o Mashíach ainda não chegou. [Como já foi falado,] nos tempos do Talmud nossos Sábios já diziam: “todos os prazos para a vinda do Mashíach já passaram.” Ao longo das gerações, líderes judeus como Rav Saadia Gaon, o Rambam e muitos outros falaram de prazos posteriores. Embora não tenham sido tão divulgados, o Alter Rebe e o Rebe Rashab também falaram de prazos. Mas uma nova era começou quando o Rebe Anterior proclamou: ‘Faça teshuvá agora e Mashíach virá agora’. Ele mandou imprimi-la e divulgá-la, e apesar da amarga oposição, repetiu-a continuamente.

Já se passaram décadas após estas proclamações e, no entanto, o Mashíach ainda não chegou. Pesquisei e procurei uma explicação para isto, e a única resposta que encontrei é a seguinte. Nas gerações anteriores, era possível confiar nos esforços do Nasi (Líder da geração). Entretanto, depois de tanto tempo, quando até mesmo a proclamação do Rebe Anterior passou e Mashíach ainda não chegou, a única possibilidade é que cada judeu deve estar envolvido em trazer a redenção.

Como já passou tanto tempo, e a situação mundial até mudou para melhor (como mencionado acima) e o Mashíach ainda não chegou, a única coisa que poderia estar faltando é que todo judeu sinta que trazer o Mashíach é sua responsabilidade pessoal.

Esta é também a outra razão para a ênfase nas Sete Mitsvót. Como o mundo mudou e o Mashíach ainda não chegou, todo indivíduo (não-judeu) deve fazer todo o possível para apressar sua vinda. A vinda do Mashíach também é relevante para os gentios.

E embora haja muitas reclamações e desculpas (dos próprios judeus) sobre ser impróprio falar da vinda de Mashíach e das Sete Mitsvót: chegou a hora de preparar o mundo para o Mashíach. Isto inclui torná-lo um “lugar de estabilidade” através da divulgação das Sete Mitsvót.

Nossos esforços para espalhar a consciência de D’us em todo o mundo e fazer com que essa consciência permeie cada indivíduo precipitará a chegada da era em que “a Terra inteira estará preenchida com o conhecimento de D’us (Havayáh) como as águas cobrem o mar.” (Isaías 11:9)

Agora, esta transição na composição espiritual do mundo não acontecerá instantaneamente [e nem magicamente]. Em vez disso, será o resultado de séculos de esforços da parte do ser humano para aumentar a consciência de D’us dentro de seu próprio mundo pessoal de pensamento e sentimento. De fato, a paz e a prosperidade do tempo da era de Mashíach (apenas) virão como resultado desse aumento da consciência da DIVINDADE [que, como já explicado, somente se concretizará com o ensinamento das Sete Mitsvót para todas as pessoas do mundo].

Que seja a vontade de D’us que todo mundo (judeus e não-judeus) comece a se envolver ativamente em trazer o Mashíach ainda mais cedo, com todos estes momentos somando-se à redenção imediata.

O que mais posso fazer para motivar todo o povo judeu a realmente provocar a vinda de Mashíach? Tudo o que tem sido feito até agora tem sido em vão. Pois ainda estamos no exílio; além disso, estamos em um exílio interno no que se refere ao nosso próprio serviço a D’us.

Tudo o que eu posso fazer é entregar o assunto a vocês. Agora, façam tudo o que puderem para trazer o Mashíach, aqui e agora, imediatamente.

Eu fiz tudo o que pude; de agora em diante, vocês devem fazer tudo o que puderem. Que seja a vontade de D’us que haverá um, dois ou três entre vocês que apreciarão o que precisa ser feito e como precisa ser feito, e que vocês possam ser realmente bem sucedidos e tragam a verdadeira e completa redenção. Que isto se realize imediatamente, em um espírito de felicidade e com alegria de coração.

Por Rabi Menachem Mendel Schneerson (o Rebe) — o líder espiritual da nossa geração

 

© Rabi Menachem Mendel Schneerson
© Projeto Noaísmo Info
© Traduzido do inglês por Projeto Noaísmo Info

Site Bnei Noach (BRA)_Bnei Noach_Filhos de Noé_Leis Universais_Noaismo.info

© Projeto Noaismo Info (Site Bnei Noach)

Mazál Tov Rebe

 

Bendito és TU, Hashém, nosso Deus, Rei do universo, que é bom e faz o bem.

 

Hoje, 5 Abril 2020, equivalente ao dia judaico 11 Nissán (exemplo na foto a seguir)

é o dia do

 

O Projeto Noaismo Info (Site Bnei Noach) humildemente presta a sua homenagem ao nosso querido Líder e Mestre Rebe, o Rabi Menachem Mendel Schneerson, o Líder espiritual da nossa geração.

Foto por Bait C.J.  Editado no Site …noaismo.info por Projeto Noaismo Info.

 

“Ao assumir a liderança da dinastia Chabad em 1951, o Rebe estabeleceu para si uma meta: alcançar todas as pessoas da face da terra e motivá-las a conhecer e se voltar para a Torá (a Palavra Eterna de D’us), como a luz guia para atingirmos a redenção pessoal e global. Sem dúvida, 11 de Nissan mudou para sempre não somente o judaísmo, mas centenas de milhares no mundo atingidos pela luz do Rebe e da Torá.” – Bait Centro Judaico

 

Site Bnei Noach (BRA)_Bnei Noach_Filhos de Noé_Leis Universais_Noaismo.info

 

Site Bnei Noach (BRA)_Bnei Noach_Filhos de Noé_Leis Universais_Noaismo.info

© Projeto Noaismo Info (Site Bnei Noach)

Comunidade Virtual Endossada pela Org. Ask Noah International

 

Reconhecido, aprovado e recomendado pela Organização Ask Noah International, o Projeto Noaísmo Info (o Site Bnei Noach: a-fe-original–noaismo.info), em homenagem ao Rebe, pelos seus 70 anos de liderança, comunica a criação da Comunidade Virtual do Movimento Bnei Noach no Brasil, com o intuito de aproximar aqueles Bnei Noach cuja vivência é próxima das orientações da asknoah.org.

 

Veja:

https://a-fe-original–noaismo.info/comunidade-virtual-do-movimento-bnei-noach-no-brasil-projeto-noaismo-info/

Site Bnei Noach (BRA)_Bnei Noach_Filhos de Noé_Leis Universais_Noaismo.info

© Projeto Noaismo Info (Site Bnei Noach)

Frase: A verdadeira proximidade de D-us…

Frase

“A verdadeira proximidade de D-us é quando a pessoa não considera os benefícios que ela vai ganhar observando a Torá e as mitsvót, mas simplesmente ela quer estar perto de D-us como uma meta em si mesma.”
— Rabi Menachem Mendel Schneerson, o Rebe
(Líder espiritual da geração)

Site Bnei Noach (BRA)_Bnei Noach_Filhos de Noé_Leis Universais_Noaismo.info

© Projeto Noaismo Info (Site Bnei Noach)