9a Parte do Curso Bnei Noach — Especial: Guia Bnei Noach de Bênçãos e Orações Revisado por Rav Shimshon em PDF gratuito

B”H

 

Parte 9 do Mini Curso Virtual Gratuito de Introdução ao Tema de Bnei Noach

5a Parte do Curso Bnei Noach

B”H

 

Parte 5 do Mini Curso Virtual Gratuito de Introdução ao Tema de Bnei Noach

 

Dedicado a B. e S.

4a Parte do Curso Bnei Noach

B”H

 

Parte 4 do Mini Curso Virtual Gratuito de Introdução ao Tema de Bnei Noach

3a Parte do Curso Bnei Noach

B”H

 

Parte 3 do Mini Curso Virtual Gratuito de Introdução ao Tema de Bnei Noach

Shavuot Bnei Noach e 2a Parte do Curso Bnei Noach

Por Projeto Noaísmo Info

 

Shalom para todos!

Prezados Bnei Noach, hoje, domingo, 16 de maio de 2021, ao pôr do sol, ou seja, às 18 horas, começa a festividade judaica de Shavuót. Essa festividade, comemorada na Diáspora no 6° e 7° dias do mês judaico de Sivan, é a data na qual os judeus celebram Matan Torá — a Entrega da Torá. Portanto, no nosso calendário não judaico, ela vai do anoitecer de hoje ao anoitecer de terça, 18 de maio de 2021.

 


Observação:
É importante notar, contudo, que a transmissão da Torá não ocorreu em um único dia — mas sim, O ONIPOTENTE a transmitiu a Moshé, que a ensinou ao povo judeu durante os 40 anos de sua permanência no deserto do Sinai.


 

É importante nós Bnei Noach ou noaítas honrarmos a festividade de Shavuót porque, apesar de ser uma festividade judaica, de todas as festividades caracteristicamente judaicas a única que contém também um aspecto universal, não judaico, é essa, Shavuót.

Qual é a relevância para nós deste aspecto universal de Shavuót?

A data de Shavuót significa não apenas o nascimento do povo judeu enquanto nação mas também o nascimento do status de Chassidéi Umót Haolám, ou seja, de piedosos/devotos de Hashém dentre as nações, pois é apenas a partir de Shavuót que uma pessoa nao-judia que aceita as 7 Leis Universais, não porque foram dadas para Adão e Eva na Criação do mundo nem porque foram dadas para Noá e Naamá depois do dilúvio, mas, porque foram dadas pelo PRÓPRIO D’US para Moshé e para o povo judeu na Entrega da Torá no monte Sinai, é que se alcança o maior status que um não-judeu pode alcançar, mais do que ser apenas sábio e justo, como o foram Noá, Eliézer, Jó, alcança-se o status de um Chassíd Umót Haolám, como explicado pelo Rabi Maimônides, o Rambám.
O Rebe diz:
É óbvio que a tarefa de fazer com que o mundo todo seja um lugar [espiritualmente] civilizado não pode ser alcançado unicamente pelo povo judeu. Certamente, nós judeus podemos ajudar, mas a tarefa concreta de civilizar [espiritualmente] o mundo de maneira permanente deve ser levada a cabo pelas próprias nações não judaicas. Elas têm a responsabilidade de fazer deste mundo um lugar [espiritualmente] civilizado para se viver.
Rabi Maimônides enfatiza, ao analisar as Sete Leis Noaíticas, que elas devem fazê-lo com a convicção de que estão cumprindo a vontade de D’US tal como ELE a revelou no monte Sinai; que quando D’US deu todos os SEUS mandamentos para o povo judeu, ELE também deu as Sete Leis Noaíticas para todas as nações do mundo.”

 

E será que há algo que nós Bnei Noach podemos fazer para celebrar Shavuót referente àquilo que nos diz respeito?

Sim, com certeza. Podemos orar, fazer bênçãos, ler a Torá, acender vela para embelezar a casa, fazer refeições festivas, e mais, como nos explica a Ieshivá Pirchéi Shoshaním:

Embora Israel fosse a preocupação primária de D’US no Sinai, não era a única preocupação de D’US. Quando ELE ordenou Israel na Torá, ELE também aproveitou a oportunidade para reafirmar as leis noaíticas e ordená-las de novo para o mundo. Ao dar a Torá no Sinai, D’US renovou a esperança no mundo. Isto é confirmado pelo fato de que as leis noaíticas foram re-ordenadas para o mundo no Sinai.
Shavuot, o aniversário da entrega da Torá é o momento de conectar-se com a obrigação de observar as leis noaíticas, aceitá-las novamente e celebrar o fato de que D’US as afirmou de novo no Sinai.
Existe o costume de decorar a Sinagoga [e a casa] com plantas e flores para celebrar a revelação no Sinai, pois quando a Torá foi entregue para o povo judeu, o Monte Sinai — uma montanha deserta e árida — viu-se subitamente coberto de flores, árvores e grama. É apropriado que os noaítas enfeitem seus locais de reunião ou suas casas para a festividade. Uma vez que este é o aniversário da afirmação de D’US das leis noaíticas para o mundo, este é um momento apropriado para aceitar e afirmar as leis noaíticas tanto individualmente como comunitariamente. Esta aceitação pode ser realizada de forma individual ou pessoal (ou seja, não tem de ser perante um rabino nem ter a assinatura de um rabino). No entanto, se alguém desejar recitar um texto, nós sugerimos o do Guia de Bênçãos e Orações Diárias para os Bnei Noach (revisado, aprovado e recomendado pelo Rav Shimshon Bisker, de Israel) (que, inclusive, a versão PDF também contêm orações especiais que podem ser recitadas durante esses dois dias de Shavuót).

As orações devem expressar o desejo de que o mundo inteiro reconheça a revelação no Sinai e venha a aceitar as leis noaíticas. As orações também devem incluir pedidos para que se julgue favoravelmente os frutos das árvores, pois em Shavuot o mundo é julgado com base nos frutos. Como tal, é um momento apropriado para orar pelos frutos das árvores.

Também é apropriado estudar as leis noaíticas e [lições] relativas às leis noaíticas e à entrega da Torá até tarde da noite. As orações da manhã também devem ser feitas cedo.

Em resumo:
1. Enquanto os judeus celebram Shavuot como a entrega da Torá, Bnei Noach (noaítas) o celebra como o dia em que as leis noaíticas foram renovadas e um dia de julgamento para os frutos das árvores.
2. O local de reunião ou a casa deve ser decorado com plantas.
3. É o momento de reafirmar e aceitar as leis noaíticas.
4. O estudo da Torá deve ser aumentado neste dia.”

Editado e traduzido do inglês por Projeto Noaísmo Info: © Projeto Noaismo Info

© Rabi Menachem Mendel Schneerson
© Yeshiva Pirchei Shoshanim

© Projeto Noaismo Info

 

E certamente uma maneira de se estudar a Torá e suas leis universais, as Sete Leis de Bnei Noach, é fazendo o Mini Curso Virtual Gratuito de Introdução ao Tema de Bnei Noach. Se você ainda não estudou a primeira parte, estude-a. Se sim, reveja-a. E exatamente hoje, às 18h, graças a D’US, estará saindo a segunda parte. Bom curso.

 

Parte 2 do Mini Curso Virtual Gratuito de Introdução ao Tema de Bnei Noach

Site Bnei Noach (BRA)_Bnei Noach_Filhos de Noé_Leis Universais_Noaismo.info

© Projeto Noaismo Info (Site Bnei Noach)

ESPAÇO de todos os posts referentes ao Curso Bnei Noach

Graças a D’US

 

Post de Divulgação  (abertura do curso)

Primeira Parte

Segunda Parte

Terceira Parte

Quarta Parte

Quinta Parte

Sexta Parte

Sétima Parte

Oitava Parte

NONA PARTE (ESPECIAL: GUIA BNEI NOACH DE BÊNÇÃOS E ORAÇÕES REVISADO POR RAV SHIMSHON BISKER, DE ISRAEL, EM PDF GRATUITO SEGUNDA EDIÇÃO)

Décima Parte

Décima Primeira Parte

Décima Segunda Parte (Especial: para as crianças Bnei Noach)

Décima Terceira Parte

 

Site Bnei Noach (BRA)_Bnei Noach_Filhos de Noé_Leis Universais_Projeto Noaismo Info

© Projeto Noaismo Info (Site Bnei Noach)

1a Parte do Curso Bnei Noach

B”H

Parte 1 do Mini Curso Virtual Gratuito de Introdução ao Tema de Bnei Noach

Curso virtual gratuito de Introdução ao Tema de Bnei Noach

× Este post é um Post de Divulgação.


 

O PROJETO NOAÍSMO INFO TEM A HONRA E O ORGULHO DE APRESENTAR, GRAÇAS A D’US, O MINI CURSO GRATUITO DE INTRODUÇÃO AO TEMA DE BNEI NOACH.

⇑ CLIQUE AQUI

Site Bnei Noach (BRA)_Bnei Noach_Filhos de Noé_Leis Universais_Noaismo.info

© Projeto Noaismo Info (Site Bnei Noach)

Uma Carta Para os Bnei Noach

 

Por moré Yosef Ben Shlomo Hakohen

 

Uma Carta (de um amigo judeu) Para os Bnei Noach

 

Introdução à Carta:
Dentro da Torá, há um caminho universal para toda a humanidade.

Este caminho contém sete categorias básicas de mitsvót – mandamentos divinos (Sêfer HaChinuch, Mitsvá 416). Estas sete categorias de mitsvót fornecem uma base ética e moral para a sociedade humana. Além disso, existem fontes dentro de nossa tradição que afirmam que todos os seres humanos devem cumprir aquelas mitsvót da Torá que são sugeridas pela “razão humana e pela compreensão do coração” (Introdução ao Talmude por Rabi Nissim Gaon).

Há um número crescente de não-judeus que estão se esforçando para cumprir os preceitos deste caminho que dá vida. Eles são frequentemente chamados de Bnei Noach – os Filhos de Noá, pois os preceitos básicos deste caminho foram reafirmados na geração de Noá (Noé), após o grande dilúvio. Rabi Maimônides afirma que este caminho universal foi mais tarde reafirmado quando a Torá foi dada no Monte Sinai (A Lei dos Reis 8:11). Os Bnei Noach percebem que a Torá e suas interpretações foram dadas ao nosso povo no Monte Sinai; assim, eles procuram estudar com rabinos que podem guiá-los em seu caminho. Na atualidade, a maioria são ex-cristãos que optaram por aceitar os ensinamentos da Torá a respeito da Unidade de D’US, do Messias, do propósito do ser humano neste mundo, e outras questões relacionadas. Eles são verdadeiros amigos do nosso povo, pois amam e respeitam tanto o nosso povo quanto o nosso judaísmo; assim, ao contrário de muitos cristãos que procuram nos “converter”, eles procuram nos apoiar em nosso caminho espiritual. Como [verdadeiros] amigos do nosso povo, eles se posicionam fortemente contra todas as formas de ódio contra os judeus, e são fortes aliados do Estado de Israel. Em agradecimento por sua amizade e realizações espirituais, escrevo a seguinte carta aos membros do movimento Bnei Noach:

“Estimados amigos, como membros do crescente movimento Bnei Noach, vocês reconhecem a unicidade e a unidade de Hashém, O MISERICORDIOSO. Portanto, penso em vocês em minhas orações diárias, especialmente quando proclamo de manhã e à noite: “Ouça, ó Israel, Hashém é o nosso D’US, Hashém é UM!” (Deuteronômio 6:4) Segundo o comentarista bíblico clássico, Ráshi, quando proclamamos “Hashém é UM”, estamos proclamando que no futuro todos os povos da terra reconhecerão a unidade e a unicidade de Hashém, como está escrito: “Pois então eu transformarei os povos para que falem uma linguagem pura, para que todos proclamem O NOME de Hashém, para servi-LO com uma determinação unida.” (Sofonias 3:9) Como Ráshi nos lembra, também está escrito: “Naquele dia Hashém será UM e SEU NOME UM.” (Zacarias 14:9) Que esse dia chegue logo. Enquanto isso, vocês devem perceber que são pioneiros espirituais que estão se preparando para esse grande dia, unindo-se ao povo de Israel na proclamação: “Hashém é UM”! Quando proclamamos que Hashém é UM, também estamos proclamando que devemos servir apenas O ÚNICO e UNIFICADOR CRIADOR do Universo. Neste espírito, a voz Divina proclamou no Monte Sinai: “Não terás outros deuses diante da MINHA PRESENÇA.” (Êxodo 20:3) E também está escrito: “Conhece-O hoje e lembre-se repetidamente de que Hashém SOZINHO é D’US; no céu acima e na terra abaixo – não há outro.” (Deuteronômio 4:39) Portanto, é proibido divinizar qualquer objeto, força ou ser, incluindo um ser humano. De fato, a Torá nos diz que “D’US não é humano [(e portanto nem homem nem mulher)].” (Números 23:19) Muitos de vocês vivem entre cristãos que divinizam um homem judeu que viveu há mais de 2.000 anos; além disso, eles proclamam que a única maneira de chegar a D’US é através deste homem. Vocês rejeitaram esta crença cristã e escolheram seguir os ensinamentos originais de Abraão e Sara, que ensinaram os seres humanos a orar diretamente para O MISERICORDIOSO. Na verdade, todas as grandes figuras bíblicas incluindo Moisés, Aarão, Miriam, Débora, Davi, Isaías e Jeremias oraram diretamente para O MISERICORDIOSO. Foi assim que a Torá nos ensinou a orar, e qualquer um que leia o Livro dos Salmos pode descobrir a abordagem da Torá à oração. Há uma canção popular cristã que contém as palavras: “Dá-me essa religião dos velhos tempos”. A canção menciona que se a “religião dos velhos tempos” era suficientemente boa para Abraão, Moisés, e um monte de figuras bíblicas, “ela é suficientemente boa para mim”. Da perspectiva da Torá, no entanto, aqueles que rezam diretamente para Hashém são os que verdadeiramente estão no espírito dessa “religião dos velhos tempos”, pois estão estão imitando Abraão, Sara e todas as grandes figuras bíblicas.

Portanto, precisamos lembrar que “Hashém está perto de todos que O invocam, de todos que O invocam sinceramente.” (Salmo 145:18) Um comentarista bíblico clássico, Radák, explica que este versículo está revelando que O MISERICORDIOSO está próximo de “todos” que O invocam, “independentemente da nacionalidade”. Em outras palavras, não é preciso ser judeu para experimentar a proximidade amorosa do MISERICORDIOSO! Muitos de vocês são ex-cristãos, e há alguns pregadores cristãos que lhes têm dito que sua alma está eternamente condenada e que vocês não podem ir para o Céu, já que vocês não aceitam mais o “Senhor e Salvador” deles. Vocês estão em boa companhia, pois, na opinião desses pregadores, nós, o Povo de Israel, tampouco vamos para o Céu, já que não oramos ao homem que eles vêem como seu Senhor e Salvador, nem em nome dele, pois nos lembramos da seguinte proclamação divina: “EU, somente EU, sou Hashém, e não há SALVADOR além de MIM.” (Isaías 43:11) Quando o Estado de Israel capturou Eichman, um destacado assassino nazista, o governo israelense designou o Reverendo William Hall, um missionário canadense que vive em Jerusalém, para servir como seu capelão. Posteriormente, Hall disse à imprensa que se este assassino de homens, mulheres e crianças judeus tivesse aceitado seu “Salvador” antes de ser executado, ele teria entrado imediatamente nos portões do paraíso. Foi então perguntado a Hall: “E quanto às almas dos seis milhões de vítimas judaicas dele?” Hall respondeu que eles certamente não tinham entrado no paraíso já que não tinham aceitado a “salvação” da Igreja. (Citado no livro da ArtScroll, “Once Upon a Shtetl”, de Chaim Shapiro) Nós, as pessoas que receberam a Torá, temos um conceito diferente em relação à entrada no paraíso celestial: O céu de nosso D’US tem muito espaço [por assim dizer], e qualquer ser humano que é um “chassid” (devoto) – uma pessoa que se dedica amorosamente a servir O CRIADOR – pode entrar nos portões do paraíso. Como afirmam nossos sábios: “Os chassidins (devotos) entre as nações têm participação no Mundo Vindouro.” (Tosefta – Sanhedrin 13:1)

Vocês compartilham nossas crenças básicas, e também reconhecem que o Messias ainda não se revelou, pois compreendem que para alguém ser oficialmente reconhecido como o Messias, ele deve cumprir as profecias descritas no capítulo 11 do Livro de Isaías e em muitos outros lugares dentro de nossas Sagradas Escrituras. De acordo com estas profecias, o Messias reunirá [em Israel] todos os exilados [do povo] de Israel, e ele inspirará todos os seres humanos a se voltarem para O MISERICORDIOSO. Sua chegada inaugurará uma era de paz universal e de iluminação espiritual, “pois a toda a Terra se encherá do conhecimento de Hashém como a água cobre o mar.” (Isaías 11:9) Além disso, o Templo será reconstruído e será conhecido como “uma Casa de oração para todos os povos.” (Isaías 56:7) Estas profecias ainda não foram cumpridas; assim, vocês se unem ao nosso povo na espera do verdadeiro Messias que redimirá Israel e toda a humanidade. Seu amor e respeito pelo povo judeu e pelo judaísmo estão no espírito da profecia que descreve como os povos da terra eventualmente se tornarão nossos aliados espirituais, e eles nos dirão: “Iremos com vocês, pois ouvimos que D’US está com vocês.” (Zacarias 8:23) Nesta era, já não haverá missionários que nos exortem a seguir seu caminho; em vez disso, todos se inspirarão nos preceitos universais dentro do caminho de nosso povo.

Como educador da Torá, tenho muito respeito e apreço por sua disposição de serem nossos aliados espirituais, especialmente porque agora estamos vivendo em um período em que o ódio contra os judeus está se espalhando, e inimigos que se dedicam à nossa destruição estão ganhando força e apoio. De acordo com nossos profetas e sábios, este perigo faz parte das dores de parto que levarão ao nascimento da era messiânica, quando todo o ódio e a violência serão eliminados do mundo. O nascimento desta era ainda não ocorreu; no entanto, vocês têm a coragem de apoiar publicamente nossa missão espiritual durante este período difícil e perigoso. Portanto, vocês vão compartilhar de nossa alegria quando o “nascimento” ocorrer, e [finalmente] se cumprir a seguinte profecia:
“Acontecerá no final dos dias: A montanha do Templo de Hashém será firmemente estabelecida como a cabeça das montanhas, e será exaltada acima das colinas, e todas as nações fluirão para ela. Muitos povos irão e dirão: “Vinde, subamos à montanha de Hashém, ao Templo do D’US de Jacó, e ELE nos ensinará seus caminhos e nós andaremos em seus caminhos.” Pois de Sião sairá a Torá, e de Jerusalém a palavra de Hashém.” (Isaías 2:2-3)

Que O MISERICORDIOSO guie, abençoe e proteja vocês, e que nos encontremos na grande reunião em Jerusalém.

Shalom,
Yosef Ben Shlomo Hakohen.

© Yosef Ben Shlomo Hakohen
© Projeto Noaismo Info: traduzido do inglês por © Projeto Noaísmo Info

Site Bnei Noach (BRA)_Bnei Noach_Filhos de Noé_Leis Universais_Noaismo.info

© Projeto Noaismo Info (Site Bnei Noach)

 

Dedicado à elevação da alma de Ana Tiapas.

As Sete Leis de Noá da Torá são eternas para os Bnei Noach assim como o povo judeu também é eterno

As Sete Leis de Noá da Torá são eternas para os Bnei Noach assim como o povo judeu também é eterno

 

Por Projeto Noaísmo Info e O Rebe

 

Desde que o ser humano foi criado por Hashém que toda a humanidade está sujeita ao cumprimento das Sete Leis Divinas Universais, primeiramente dadas a Adám e Chavá (Adão e Eva), e posteriormente dadas a Nôach (Noá) e Naamá, e finalmente reveladas a toda a humanidade através da Torá, entregue por Hashém a Moshé (Moisés) e ao povo judeu no monte Sinái em 2448 depois da Criação.
Portanto, diferente das 613 mitsvót judaicas que foram surgindo gradativamente desde Avrahám (Abraão) (o primeiro judeu) até a entrega da Torá no Sinái, as Sete Leis Universais existiram desde sempre. E o surgimento do povo judeu se deu exatamente por causa delas, das Leis Universais de Hashém, ou seja, o povo judeu surgiu não para por um fim nelas, mas para protegê-las (do esquecimento das nações por causa de rejeição e abandono).
Todas as nações — todos os povos — são criações de D’us, obviamente. O povo judeu também é criação de D’us. Mas, mais do que apenas ser criação de D’us, o povo judeu foi escolhido por D’us para servi-LO eternamente (nunca O abandonando por completo, nunca O esquecendo por completo) e para representá-LO diante de todas as nações do mundo*. (* “Uma nação de sacerdotes — o povo a quem ELE escolhera para SI, para receber SUA Torá e para servir de guia e inspiração [espiritual e moral] aos demais povos do mundo. Ensinamos ao mundo o monoteísmo e lhes demos a nossa Torá, que é a base da civilização e da fé entre os homens.” – Revista Morashá) Assim, mesmo que a partir de então todas as pessoas do mundo abandonassem seu CRIADOR e se esquecessem de SUAS Leis Universais, o povo judeu estaria ali servindo como um lembrete, um aviso Divino, para elas.
Mas, se — como está evidente acima — o povo judeu tem uma missão divina diferente da missão divina de todas as outras nações, o que torna o judeu diferente do não-judeu? Qual é a diferença entre o judeu e o não-judeu?
O próprio Rebe, o Rabi Menachem Mendel Schneerson, o líder espiritual da nossa geração, responde:

“Somos todos iguais, biologicamente e fisiologicamente. Só que o papel do judeu é diferente do papel do não-judeu. D’us fez estas distinções e ninguém pode mudar isso. A diferença entre judeus e não-judeus se expressa em relação à observância da Torá. Se requer que o povo judeu observe 613 mitsvót da Torá e que os gentios do mundo só cumpram as Sete Leis Noaíticas (Universais). Esta não é uma responsabilidade pequena, já que é um ingrediente essencial na criação do mundo.”

O povo judeu é diferente dos povos não-judeus porque recebeu do MESMO CRIADOR 613 mandamentos: as Sete Leis Universais (sim, os judeus não estão dispensados delas) acrescidas de 606 mandamentos. Isto é o que identifica o judeu, esta é a sua identidade, esta é a Identidade Judaica (estar sujeito ao cumprimento de 613 mandamentos divinos).
Se o povo judeu surgiu para assegurar que todas as pessoas do mundo NUNCA se esquecessem das Sete Leis Universais de Hashém, então, assim como o povo judeu é eterno, assim também as Sete Leis Universais de Hashém são eternas para todos os povos. Como Hashém é eterno, nada do que ELE cria se desfaz. Portanto, as Sete Leis Universais de Hashém são eternas, vão existir para sempre. E para serem cumpridas por quem? Pelos não-judeus, é óbvio. Então os não-judeus também existirão para sempre, pois também são criações de Hashém. E dessa maneira, portanto, o mesmo se dá com o povo judeu e com as 613 mitsvót da Torá, cada um também existirá para sempre.
“Assim como D’us é eterno, também é eterna a sua aliança com o povo judeu.”
“Assim como D’us é eterno, assim também o povo judeu é eterno.”
“A Torá é eterna, e tudo o que nela está escrito também é eterno.”
“Nosso interesse (dos judeus) não é eliminar as nações do mundo, mas refiná-las. Elas não deixam de existir após a conclusão do processo de refinamento (do mundo). Mesmo no futuro (messiânico), as nações continuarão a existir.” Continue lendo “As Sete Leis de Noá da Torá são eternas para os Bnei Noach assim como o povo judeu também é eterno”