Bnei Noach, PDF

As Sete Leis de Noé; O Movimento Bnei Noach; A Espiritualidade dos não-judeus – PDF

A Fé Original: Noaismo.info

O Site de Bnei Noach do Brasil

 

B”H

 

Nas palavras transliteradas, “CH” deve ser pronunciado como “rr” e “SH” como “ch”.

 

# As Sete Leis Universais; # As Sete Leis de Noé; # As Sete Leis dos filhos de Noé; # Filhos de Noé; # Bnei Noach; # Movimento Bnei Noach; # Noaísmo; # Código Noaítico; # Pacto Universal; # Mitsvót Universais; # Mandamentos para os não-judeus; # Torá para não-judeus;

 

Por Chabad e Chabad Lubavitch e Chabad.org
Compilação: Noaismo.info
(Produção e Tradução: Noaismo.info)


Qualquer um que quer servir D’us deve fazê-lo nos termos DELE


 

Em homenagem ao Rebe

 

Você não é judeu?

Há tanta coisa que você precisa fazer para tornar este mundo um lugar melhor!

Na tradição judaica, a observância dos 10 Mandamentos é exigida somente dos judeus. Espera-se que todas as demais pessoas (i.e., todos os não-judeus) observem as “Sete Leis de Noá” — os valores universais da Torá. Estas Leis Divinas (algumas das quais se sobrepõem aos 10 Mandamentos) fornecem a base para um mundo civilizado, relações bem-sucedidas e desenvolvimento espiritual. Infelizmente, estas Leis têm sido amplamente desconhecidas há séculos. Por isso, o Rebe (Rabi Menachem Mendel Schneerson) desenvolveu uma campanha muito interessante – a campanha das Sete Leis dos Descendentes de Noá ((Noé). Desde então,) o Rebe passou a falar sobre a responsabilidade (dos judeus) de comunicar* os ideais espirituais universais, tal como expresso nas Sete Leis Noaíticas, para todas as pessoas no mundo. A maioria dos não-judeus, embora familiarizados com os Dez Mandamentos, nunca tinha ouvido falar das Sete Leis dos noaítas. Recentemente, pessoas em todas as partes do mundo começaram a estudar as Leis Divinas, e há um interesse renovado no papel desempenhado por todas as nações na Redenção Messiânica.

* Informar e educar sobre as Leis Noaíticas.

É importante ter em mente que o judaísmo não solicita convertidos. A razão para isto é que no judaísmo (ao contrário de todas as religiões), os não-judeus (ou gentios) não precisam se converter a fim de conseguir a “salvação”.
Quem quer que mantém o Código Noaítico – os Sete Mandamentos de Noá (veja abaixo) – é considerado um gentio justo e recebe uma porção no Mundo Por Vir – e até mesmo será ressuscitado juntamente com o povo judeu.

Deve-se recordar a todas as pessoas sobre o seu propósito original: que ele ou ela aceite e siga as orientações que foram Divinamente ordenadas para ele ou ela. Para os judeus, isto significa os 613 Mandamentos. Para os não-judeus significa as instruções originais de D’us para a humanidade: o código moral universal, o código pelo qual toda a humanidade é obrigada a viver — o Código Noaítico.

“O movimento Bnei Noach — ou noaísmo — é a mensagem universal do judaísmo, mas não é uma “religião”. Não se trata de um judaísmo simplificado para não-judeus. Antes, se trata do projeto de D’us para a civilização, uma base de sete pontos (iniciais) para a construção de uma sociedade justa, moral e ética na Terra.” — Rabi Yanki Tauber, editor de Chabad.org, no Chabad.org.

Certamente, os não-judeus devem aceitar estes Mandamentos Universais não apenas porque fazem sentido, porque eles são bons e razoáveis, mas porque eles fazem parte da Torá de D’us dada aos judeus no Monte Sinái. O CRIADOR da humanidade (foi QUEM) deu aos filhos de Noá os decretos de moralidade, conhecidos como as Shéva Mitsvót Benêi Nôach ou Sete Leis Divinas dos Filhos de Noá (veja
https://a-fe-original–noaismo.info/2019/06/01/os-tres-tipos-de-descendentes-de-noa-os-dez-mandamentos-noaiticos-as-tres-leis-devocionais-dos-noitas/  ).
O fundamento do Código Noaítico é que não existe moralidade/moral sem D’us. O humanismo não basta.
Que (saibamos que) AQUELE que criou a vida humana também estabeleceu as regras para tal vida e aplica essas regras. “Esta deve, definitivamente, ser a motivação real para a aceitação dos Sete Princípios Noaíticos, como Leis ordenadas pelo CRIADOR, para toda a humanidade.” Diz o Rebe.
No entanto, como mencionado, os não-judeus não são obrigados a se converter para obter a “salvação”.
“Todos fomos criados por D’us Todopoderoso.” Diz o Rabi Yisroel Goldstein (Chabad de Poway).

Por outro lado, se um não-judeu insiste em adotar a Judaicidade – a Identidade Judaica (que tem rituais identificadores e testemunhais, as Mitsvót Edót), ele ou ela tem todo o direito de fazê-lo, mas apenas depois de um período significativo de estudo, observação e compromisso total com a vida judaica. Este processo tem de ser conduzido sob a supervisão de um tribunal religioso judaico (Bêit Din) – ortodoxo.

Os Bnei Noach sabem que eles não são judeus, eles são admiradores não-judeus da Torá e do povo judeu (eles apoiam Israel e a comunidade judaica de todas as formas possíveis) (veja
https://a-fe-original–noaismo.info/2019/06/23/perguntas-sobre-judaismo-e-noaismo/ ).

Após o dilúvio, D’us deu para o mundo inteiro (que naquele momento era Nôach e sua família) Sete Leis Especiais, gerais. As Leis fundamentais são apropriadamente chamadas de Sete Leis Noaíticas.

As Leis dos noaítas são as seguintes:

1. Creia em D’us* (Hashém)/Não sirva ídolos
2. Respeite D’us e louve-O e não fale blasfemamente de D’us
3. Não assassine
4. Não roube
5. Não cometa adultério, incesto ou atos homossexuais
6. Não seja cruel com os animais
7. Estabeleça tribunais de justiça.

* Quando falamos em D’us, Hashém, estamos falando que D’us é um e que D’us é infinito.

Estas Leis Divinas (Mitsvót) Universais devem ser a base de toda a sociedade humana para todas as futuras gerações. Estas Leis estabelecem claramente os códigos de decência que se espera de cada ser humano.

Nossos rabinos nos ensinam que as águas do dilúvio também estão presentes em cada geração. Elas estão representadas pelas numerosas influências anti-espirituais encontradas ao nosso redor. Estas águas podem parecer muito tentadoras e boas à primeira vista, mas quando se dá um passo para trás e analisa o que está vendo, a destrutividade se torna evidente.

A arca representa diferentes coisas dependendo de quem a observa. Para o judeu, a arca é a proteção oferecida pela nossa Torá que se encontra em nossas sinagogas, escolas judaicas e em nossos lares. As paredes destes edifícios protegem-nos da destruição que se encontra no mundo lá fora.

Para os não-judeus, a arca representa a adesão estrita às Sete Leis Noaíticas. Essas Leis são instruções claras da Torá sobre quais devem ser os objetivos e as aspirações de toda a humanidade. São precisamente essas Leis que fazem todas as pessoas atingirem, de maneira explícita, seu estado predestinado de superioridade e santidade.

Qualquer que seja o grupo ao qual pertencemos, é de suma importância garantir que as paredes da nossa “arca” sejam impermeáveis. Isto significa que a humanidade deve rejeitar o secularismo (uma existência desprovida de D’us).

Por outro lado, vemos algumas pessoas que, em nome de D’us, realizam atrocidades que estão além das palavras para descrever. É precisamente por isso que as Sete Leis Divinas são tão importantes. Qualquer um que quer servir D’us deve fazê-lo nos termos DELE. Quando alguém usa o nome de D’us para o mal, ele de fato profana o Santo Nome. Isto é muito odioso aos olhos de D’us.

Durante estes tempos difíceis, precisamos encontrar refúgio em nossas arcas pessoais, comunitárias e até nacionais. Devemos nos certificar de que as influências negativas sejam bloqueadas de forma segura. Melhor ainda, devemos permitir que a luz dos iluminados brilhe e transforme a escuridão circundante em uma luz que dá vida!

Nós podemos, e devemos, fazer o que ainda tem de ser feito.

Todas as nações devem observar os Mandamentos ditados a elas pela Torá, as 7 Leis Universais de moralidade, com o fim de obter a paz definitiva, a unidade entre todas as nações, o respeito por toda a humanidade e a apreciação de um D’us universal.

Isto transforma o mundo em um belo lugar onde D’us escolherá habitar de maneira revelada, muito em breve.

 

Por Chabad e Chabad Lubavitch e Chabad.org
Compilação: Noaismo.info
Produzido e Traduzido do inglês e do espanhol por Noaismo.info.
© Chabad; © Chabad Lubavitch; © Chabad.org

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

 

BAIXE ESTA MATÉRIA EM FORMATO PDF EM:
https://www.4shared.com/office/a-eYhrIBee/As_Sete_Leis_de_No__O_Moviment.html

 

Eu não sou judeu, mas eu realmente acredito na Torá. Como posso aprender e fazer mais?

Acessando:

https://a-fe-original–noaismo.info

https://a-fe-original–noaismo.info/pagina-de-posts/

Anúncios
Padrão
Bnei Noach

Nova página do site noaismo.info

A Fé Original: Noaismo.info

O Site de Bnei Noach do Brasil

 

B”H

 

No mês de aniversário do site A Fé Original: Noaismo.info ( ), uma nova página, Graças a D’us.

 

Confira:

https://a-fe-original–noaismo.info/palavras-do-rebe-a-toda-a-humanidade-a-todos-os-nao-judeus-do-mundo/

Padrão
Bnei Noach

Bnei Nôach, uma religião?

A Fé Original: Noaismo.info

O Site de Bnei Noach do Brasil

 

B”H

 

(Atenção:
Nas palavras transliteradas, o “ch” tem som de “RR”. Exemplo: Nôach.

Nas palavras transliteradas, o “sh” tem som de “CH”. Exemplos: Bereshít; Hashém.)

 

Perguntas E Respostas

 

É o movimento Bnei Nôach uma religião – uma nova religião? É o movimento Bnei Nôach uma religião para não-judeus criada por rabinos?

 

Por Rabi Moshe Genuth (Chabad)

 

Em nossos tempos, o Rebe de Lubavítch – Rabí Menachem Mendel Schneerson – trouxe as leis dos Bnei Nôach (Filhos de Noá) à vanguarda de nossos esforços por trazer a paz definitiva e a prosperidade ao povo judeu e ao mundo inteiro. Repetidamente o Rebe explicou que o mundo está preparado para aceitar a responsabilidade destas leis e de renovar o pacto feito entre Nôach (Noá) e o Todopoderoso depois do Dilúvio, como lemos em Bereshít/Gênesis.

As Leis dos Bnei Nôach NÃO são outra religião que os judeus estão tentando encorajar os não-judeus a aceitar. Decerto, elas não são de forma alguma uma religião, mas sim uma estrutura para criar um mundo melhor, uma humanidade melhor baseada na união da qual cada ser humano pode desfrutar com seu CRIADOR.

Mesmo que práticas à primeira vista, em geral o pacto de Nôach é baseado em princípios cujo valor e importância para criar uma sociedade justa e moral são facilmente reconhecidos pela maioria, se não por todos os povos do mundo em nossos dias.

Mas os princípios destas leis são diferentes de qualquer conjunto de leis racionais que podem ser estabelecidas por um tribunal da atualidade, porque foram estabelecidas pelo PRÓPRIO CRIADOR e entregues a nós como a base para SEU relacionamento com a humanidade como um todo.

Para além de seus aspectos positivos, o renascimento espiritual que o mundo experimenta hoje tem produzido o que se descreve como um choque de civilizações, cujo final não pode ser previsto. Em vez de incentivar a paz, a compreensão e a tolerância, as diferentes atitudes e alegações que cristãos e muçulmanos propõem em relação ao CRIADOR estão ameaçando causar uma tremenda confusão. Este é exatamente o tempo para que o povo judeu cumpra com sua missão como povo escolhido por Hashém e, junto com os não-judeus que já adotaram e se comprometeram com as leis dos Bnei Nôach, se dedique a propagar a mensagem destas leis e oferecer esperança, na forma de um pacto verdadeiramente universal entre o homem e Hashém, de uma nova era que pode emergir sobre todos nós.

O Rebe de Lubavítch imputou sobre seus irmãos e irmãs judeus a necessidade e obrigação de serem receptivos às necessidades espirituais dos não-judeus, até chegarem aos seus corações com A Verdade. Por conseguinte, a maioria dos centros Chabád Lubavítch estão procurando ensinar aos não-judeus como serem Bnei Nôach ao mesmo tempo em que os conecta com a autoridade de Torá local para propiciar seu crescimento contínuo e feliz.

De acordo com o Rebe, trazer as sete leis dos Bnei Nôach para o mundo gentio é um dos esforços mais valiosos para todos os judeus.

 

[E o próprio Rebe nunca disse que ‘os não-judeus receberam de D’us uma ou alguma religião (práticas religiosas ou rituais)’, e sim que “as nações do mundo receberam um código Divino de conduta, as Sete Leis Noaíticas.”

O Rabi Maimônides legisla que uma das Leis Divinas Universais é: “Não se deve permitir dar origem a alguma religião.”]

 

Por Rabi Moshe Genuth (Chabad)
© Rabi Moshe Genuth

Rabi Moshe Genuth é o editor em inglês do livro Cabalá e Meditação para as Nações do Rabi Yitzchak Ginsburgh (também Chabad).

Traduzido do espanhol por Noaismo.info © 2015-2019 Noaismo.info

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

 

MAS…

Se Bnei Nôach não é uma religião, significa isso que os Bnei Nôach não tem obrigação de acreditar em D’us e de orar para D’us?

Será que acreditar em D’us e orar para ELE torna o movimento Bnei Nôach uma religião?

O Rebe responde estas perguntas. Veja em:

https://a-fe-original–noaismo.info/palavras-do-rebe-a-toda-a-humanidade-a-todos-os-nao-judeus-do-mundo/

Padrão
Bnei Noach

Não recebemos nenhum mérito por observar mandamentos que não nos são pertinentes

B”H

 

Prestem muita atenção:

É muito arriscado e espiritualmente perigoso que nós, noaítas (Bnei Nôach), adotemos os mandamentos com os quais não temos conexão alguma [(ou seja, os mandamentos de identidade, os Edót)]. No máximo, não recebemos nenhum mérito por isso. Na pior das hipóteses, podemos receber punição divina. Isto é verdade tanto para os judeus quanto para os noaítas. Devemos ser muito cautelosos ao adotar práticas com as quais não temos obrigação ou conexão.”

Extraído do Curso das Leis Noaíticas da Yeshivá Pirchéi Shoshaním.

 

Tanto as palavras do Rabi Maimônides (Rambám) quanto as do Rebe são muito claras a este respeito (ao ponto de ser incrível a capacidade de alguém de conseguir deturpá-las):

“Qualquer um que aceita o cumprimento das Sete (Categorias de) Mitsvót Universais e e é cuidadoso na sua observância, é um dos devotos (de Hashém) entre os gentios e terá o MÉRITO de compartilhar do Mundo Vindouro.” — Rambám

“O judeu deve contar ao não-judeu sobre sua obrigação de observar as Sete Leis Noaíticas — e o mérito e recompensa que o não-judeu recebe por esta observância tanto neste mundo quanto no Mundo Por Vir.” — O Rebe

 

E o Rabi Ariel Groisman (seus vídeos sobre Bnei Nôach estão disponíveis no site do Chabad) complementa:

“Fazê-lo (ou seja, adotar mandamentos de identidade que não lhe são pertinentes – os mandamentos chamados Edót) é uma blasfêmia contra O CRIADOR visto que com as suas atitudes você está mostrando-LHE que repudia a sua identidade espiritual que ELE forjou e esculpiu em você.”

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

 

 

Veja também

 

https://a-fe-original–noaismo.info/2018/04/02/o-modo-de-vida-dos-bnei-noach/

 

Padrão
Noaítica ou Noaítico

Leis Noaíticas

B”H

 

Leis Noaíticas

 

As Leis Noaíticas* ou As Leis Noaicas (As Sete Leis Universais)

 

Por Noaismo.info

 

* Entre os Benêi Nôach brasileiros tornou-se comum o uso dos termos “noético” e “leis ‘noéticas'” como se estas palavras se referissem à Noá (da história bíblica do Dilúvio) ou aos descendentes de Noá ou às Mitsvót (Leis Divinas) Universais.

Acontece que esses Benêi Nôach (e também até mesmo rabinos) usam essas palavras sem saberem que elas não existem (no sentido em que usam-na). Na verdade estas palavras existem, mas elas não tem absolutamente nada a ver com Noá (Nôach) ou com as mitsvót universais.

Vejamos o que significam as palavras “noética” e “noético”.

 

Dicionário Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, Editora Nova Fronteira, 1975:

“Noético. Do GREGO noetikós, ‘inteligente’. Adjetivo. Filosofia. 1. Relativo à NOESE. 2. Relativo ao pensamento.”

 

Veja que “noético” é uma palavra que vem do grego e não do hebraico, e que é relativa à noese e nao à Noá (Nôach). O que é NOESE?

“Noese. Do GREGO noésis, ‘pensamento’, ‘inteligência’. Substantivo feminino. Filosofia. Na fenomenologia, aspecto subjetivo da vivência, constituído por todos os atos que tendem a apreender o objeto: o pensamento, a percepção, a imaginação, etc.”

 

Portanto, NOÉTICO vem de NOESE, e não de Noá, personagem da história bíblica.

E as Leis (Mitsvót) dadas por D’us para Noá (Nôach) e para toda a sua descendência NÃO são e NÃO se chamam “leis noéticas”, pois…

“Noética. Feminino substantivado de noético. Substantivo feminino. Filosofia. Estudo das leis gerais do pensamento.”

 

Portanto, como mostra o Dicionário, “noético” e “noética” (existem sim, MAS) NÃO têm absolutamente nada a ver com o indivíduo da história bíblica, Noá, e sim tem a ver é com a NOESE (e com a língua grega e com a filosofia).

 

Alguma vez você já olhou no dicionário o que é ou o que significa noético?
As palavras “noético” e “noética” no dicionário.

 

Para referir-se às Leis Divinas Universais ou Leis de Noá (Nôach), deve-se dizer LEIS NOAÍTICAS (dos noaítas/dos Benêi Nôach/dos Filhos de Noá) ou LEIS NOAICAS (de Noá). Portanto, as palavras Noaítico e Noaico, sim, tem a ver com Noá, personagem bíblico do evento do dilúvio.

Como dizemos “As Leis Mosaicas” ou “As Leis Judaicas” ou “As Leis Toraicas”, então dizemos AS LEIS NOAICAS.

E assim como é tão comum as palavras sinaítico, israelítico, levítico, semítico, toraítico, etc., então dizemos  noaítico (por exemplo: AS LEIS NOAÍTICAS).

Simples assim.

Em inglês: “noahitic”/”noaitic” e “noahic”/”noaic”.

Por exemplo, o livro de Halachá* em inglês, “Mishneh Torah, Foreign Worship and Customs of the Nations”, do Rambam (Rabi Maimônides), no capítulo 10, diz:

“… he must not pass through Eretz Yisrael before he obligates himself to live up to the seven Noaitic commandments,” e ainda, “if an idolater obligated himself to observe the Seven Noaitic commandments he is a sojourning alien.”

 

Noaítico em inglês no Mishneh Torah do Rambam

 

Como está muitíssimo evidente no texto, veja as duas ocasiões em que ocorre a palavra noaitic, exatamente tratando dos “Seven Noaitic commandments” ou em português CORRETO, as “Sete Leis Noaíticas” (alternativamente, os Sete Mandamentos Noaíticos).

 

* Halachá: a parte do Talmúd que constitui lei e que os judeus são obrigados a cumprir.

 

Os judeus e Benêi Nôach brasileiros que usam EQUIVOCADAMENTE a palavra “noético” deveriam pensar, por exemplo, o que será que significa “Ciência Noética” e “cientistas noéticos”. Será que “Ciência Noética” significa a ciência que estuda o Noá do relato do dilúvio ou que estuda os descendentes dele ou que estuda as mitsvót universais? Lógico que não. De modo algum. Será que “cientistas noéticos” significa os cientistas que seguem as Leis de Noá? Lógico que não. De modo algum. E o que será que é mito noético? Será que trata-se de considerar que o Noá da bíblia (Torá) é um mito? Queridíssimos leitores, por favor, JAMAIS pensem ou digam um dislate desse. Como vimos acima, noético e noética referem-se à noese.
E como também vimos acima, o que tem a ver com o Noá da história do dilúvio, o que refere-se à Noá, o que é relativo à Noá e aos seus descendentes e às mitsvót universais são as palavras NOAÍTICO e NOAÍTICA ou noaico e noaica.

Em inglês, assim como no português, obviamente existe a palavra “noético”: Noetic. E, Noetic (inglês), obviamente, como já vimos, não tem nada a ver com Noá, não se refere à Noá, não é derivada de Noá. Noetic vem de noēsis. No entanto, Noaitic (Noa+itic)  vem sim de Noá (Nôach/Noah) – em português, Noa+itico.

Até existe um site chamado noetic.org.  Você acha que esse site trata ou fala de Noá e seus descendentes e das Leis Divinas Universais – das Mitsvót Universais? Lógico que não. De modo algum. Simplesmente porque noetic não tem relação alguma com Noá.

Esperamos que a partir de agora este assunto esteja bem clarificado para todos.

Veja também o Dicionário online de Noaismo da Língua Portuguesa:

https://a-fe-original–noaismo.info/2019/04/12/dicionario-do-noaismo/

 

O que são as Leis Noaíticas?

São as mitsvót (leis ou mandamentos) que O PRÓPRIO D’us ordenou à Adám e Chavá (Adão e Eva) e também à Nôach (Noá) e Naamá e sua família ao sairem da arca. São Leis Divinas obrigatórias para toda a humanidade em todos os tempos.

(Usa-se como sinônimos de Leis Noaíticas os termos Pacto Noaítico e Código Noaítico.)

A questão é que D’us não deu religiões para a humanidade. D’us deu, sim, uma “religião” mas não para todos os povos, e sim, para um povo específico, a religião de um povo, o povo de uma religião, o judaísmo para o povo judeu. D’us não deu religião para os não-judeus. O que D’us deu para os não-judeus foi um Código de Conduta Universal. Este é o Código Noaítico. E este Código de Conduta Universal, o Código Noaítico, são exatamente as Leis ou Mandamentos – Mitsvót – que O PRÓPRIO CRIADOR deu para toda a SUA Criação (todos os humanos).

Daí que:

Benêi Nôach não é religião;

Benêi Nôach não é “judaísmo” para não-judeus;

Benêi Nôach não é judeu.

É verdade que a Fé Judaica e a Fé Noaítica são uma e a mesma, porém, são dois Caminhos Espirituais (práticas/vivências) distintos.

 

Quais são as Leis Noaíticas?

As Leis Noaíticas são:

1. Creia em D’us.
Não adore ídolos.

A essência das Sete Leis Universais é o reconhecimento do ENTE SUPERIOR que criou o Universo. Substituir o culto de D’us pelo culto de entidades finitas, seja a de si próprio ou de outros seres [humanos, espíritos, anjos, animais] solapa qualquer padrão de comportamento ético e moral. A aceitação de D’us e das instruções de D’us é mais do que um simples ato de fé. Implica ser uma pessoa melhor, centrada em D’us ao invés de em si mesmo e, assim, gera um ambiente moral.

 

2. Respeite O CRIADOR.
Não blasfeme.

Este princípio também está envolto em implicações práticas importantes. Tudo na Criação reflete a “mão” do CRIADOR. Degradar ou diminuir as criaturas de D’us, portanto, significa blasfemar e degradar O PRÓPRIO D’us. Assim, devemos respeitar todos os humanos porque todos [os humanos, sem exceção,] são criados por D’us na Divina imagem e semelhança. Devemos abster-nos de calúnias e boatos e de insultar ou prejudicar nossos semelhantes.

 

3. Respeite a Vida Humana.
Não assassine.

O mandamento proibindo o assassinato está explicitamente declarada a Noá por D’us: “Todo aquele que derrama o sangue do homem, pelo homem o seu sangue será derramado, pois ELE [D’us] fez o homem à imagem de D’us” (Gênesis 9:6). Estando expressa também é uma afirmação da qualidade transcendental do ser humano e da santidade da vida humana.

 

4. Respeite a Família.
Não cometa atos sexuais imorais.

No contexto histórico, qualquer sociedade que encorajou ou perdoou a imoralidade [homossexualidade, incesto, bestialidade, adultério, estupro] teve vida breve. Mais notavelmente a Grécia antiga, que dominava o mundo e depois foi sumariamente destruída no seu auge. Não é de admirar que todo o mundo esteja tão escandalizado com a atitude permissiva da sociedade e a proliferação da imoralidade no mundo.

 

5. Respeite os Direitos e a Propriedade dos Outros.
Não roube.

Esta proibição casa diretamente com o mandamento [judaico] “Não furtarás”* nos [chamados] Dez Mandamentos. O ideal é que, desde que o nosso sustento provém da “mão” de D’us, a pessoa procure ganhá-lo honestamente e não através de recursos falsos. Ao se abster do furto, a humanidade afirma a sua fé na bondade da “mão” de D’us.

 

* Apesar da opinião de que este mandamento se refira especificamente ao furto de vida – sequestro -, porque há o mandamento em Levítico 19:11, que então se refere ao furto de bens.

 

6. Respeite as Criaturas de D’us.
Não seja cruel para com os animais.

Este mandamento começa com a advertência: “Não coma o membro de um animal vivo”. Isto leva ao maior respeito por todas as coisas vivas. O potencial espiritual mais elevado do homem lhe permite o domínio e o coloca no papel de guardião de toda a Criação. Também o obriga a utilizar toda a Criação de maneira respeitosa e responsável.

 

7. Respeite a Lei.
Mantenha a justiça.

Uma sociedade que subverte a Justiça ao falhar em instituir um sistema que assegure a retidão e a moralidade é um instrumento para expulsar a bênção de D’us para fora do mundo. Uma comunidade ou cidade onde não existem cortes ou leis [imparciais e virtuosas] será finalmente destruída pelos seus próprios habitantes, conforme foi demonstrado historicamente repetidas vezes.

 

(As Sete Leis Universais no Código de Maimônides – o Rabi Moshé ben Maimon -, de As Leis dos Reis. No Brasil, publicado pela Editora Maayanot.)

 

E não se esqueçam: as Leis dos Descendentes de Noá não são – nunca foram e nunca serão – leis “noéticas”, e sim, LEIS NOAÍTICAS. O Movimento dos Benêi Nôach não é movimento “noético”, e sim, O Movimento Noaítico. E os Benêi Nôach não são “noéticos” e sim NOAÍTAS (como há israelitas, aaronitas, levitas, por exemplo).

Do mesmo modo que a palavra em inglês Korahites (de Korah) torna-se Coraítas em português (de Corá), a palavra em inglês Noahites (de Noah) torna-se Noaítas (de Noá). 

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

Padrão
Bnei Noach

Quais são as Mitsvot (Mandamentos) para não-judeus?

B”H

 

Quais são as Mitsvot (Mandamentos) para não-judeus?

 

Por Rabi Yosef Chaim Kantor

(do Chabad)

 

A resposta curta:

O Judaísmo ensina sobre um Mandato Divino conhecido como as Sete Leis Noaíticas, ou, as Sete Leis dos Noaítas/Benéi Nôach/Filhos de Noá), que são leis universais de D’us para toda a humanidade, como ensinado a Moisés e registrado na Torá. [1]

 

A Resposta do Askmoses:

Cada criação e, certamente, cada pessoa foi criada por D’us para uma finalidade específica. Aparte da missão pessoal, única, de cada pessoa, existem regras gerais que todas as pessoas devem obedecer a fim de cumprir o objetivo geral de sua criação individual; a saber, criar terrenos férteis (onde a Divindade possa ser revelada) e criar um ambiente estável (onde D’us possa habitar).

Para este propósito, D’us deu para a humanidade sete leis universais; leis básicas que asseguram que o mundo permaneça uma sociedade civilizada e uma sociedade que não nega seu CRIADOR. Por isso é importante que todas estas leis sejam observadas como mandatos Divinos, e não apenas como “idéias éticas”.

Seis destas leis foram ordenadas a Adám e Chavá (Adão e Eva), e a sétima, a proibição de comer um membro que foi tirado de um animal vivo, foi dada a Nôach (Noá) [2] (visto que esta lei era desnecessária desde a Criação até depois do Dilúvio, quando toda a humanidade era vegetariana). [3]

Estas sete leis são chamadas de “Sete Leis de Noá”, pois elas são obrigatórias para todos os descendentes de Noá, o progenitor da humanidade moderna.

O Judaísmo não incentiva não-judeus a se converterem ao Judaísmo, pois acreditamos que um não-judeu que segue suas leis pode levar uma vida espiritual satisfatória. Na verdade, um não-judeu que estuda e observa os Mandamentos Noaíticos é igual ao Sumo Sacerdote que entra no Santo dos Santos no Yom Kipur. [4]

Estas são as Sete Leis:

1. Não adorar ídolos.
2. Não blasfemar.
3. Não assassinar.
4. Não roubar.
5. Não se envolver em comportamento sexual ilícito (adultério, incesto, homossexualidade, etc.).
6. Não comer o membro de uma criatura viva [não ser cruel com os animais].
7. Estabelecer tribunais de justiça para fazer cumprir essas leis.

 

Veja também o tópico
Exceto as Sete Leis de Noé, pode um não-judeu observar Mitsvot?

https://a-fe-original–noaismo.info/2016/03/27/exceto-as-sete-leis-de-noe-pode-um-nao-judeu-observar-mitsvot/

 

Askmoses recomenda o seguinte livro: The Divine Code do Rabi Moshe Weiner.

 


 

Notas

1. A Torá não os lista como sete (do mesmo modo que não lista as 613 mitsvót dos judeus como 613). O Talmúd aponta sete mandamentos na Torá e compila a lista de sete. Veja Talmúd tratado Sanhedrín 56a-56b e Maimônides – Leis dos Reis 9:1-2

2. Maimônides – Leis dos Reis 9:1

3. Veja Gênesis/Bereshít 1:29, 9:3

4. Talmud Bavá Kamá 38a.

 

© AskMoses.com

Traduzido do inglês por Noaismo.info. © 2015-2019 Noaismo.info

 

Sobre distribuir nossos artigos, veja

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

Padrão
Bnei Noach

Exceto as Sete Leis de Noé, pode um não-judeu observar Mitsvot?

B”H

 

Exceto as Sete Leis de Noé, pode um não-judeu observar Mitsvót (Mandamentos Judaicos)?

 

Por Rabi Naftali Silberberg (do Chabad)

 

Apesar de que os Noaítas ou Benêi Nôach (Filhos de Noá) (isto é, os não-judeus que servem Hashém, O D’us da Torá) são ordenados apenas na observância das Sete Leis Noaíticas, [eles devem] observar SEUS outros mandamentos da Torá (todas as ramificações das Sete Leis, em outras palavras, todas as Mitsvót Mishpatím)[*] (ou seja, há exceções) com o propósito de receber recompensa divina.[**]

Um não-judeu pode observar as leis da cashér (para ter a certeza de que o abate do animal foi de acordo com a Lei Noaítica) e rezar em uma sinagoga, se é isso o que ele/ela deseja.

Um não-judeu pode fazer a maioria das mitsvót, mas não todas elas. Todas aquelas mitsvót que constituem um sinal entre D’us e os judeus ([as Edot,] como Tefilin, Mezuzá, Shabat, …) não devem ser observadas por um não-judeu. [De acordo com o Rabi Maimônides e o Rebe.]

 

Além disso, um não-judeu só deve estudar aquelas partes da Torá que são de relevância universal – ou seja, que afetem a sua observância das Sete Leis Noaíticas. [Também de acordo com o Rabi Maimônides e o Rebe.] Isto inclui o estudo de tópicos que aumentem o conhecimento nas áreas de moralidade, teologia e caridade. Veja http://www.asknoah.org/

 

Leia também o artigo

https://a-fe-original–noaismo.info//2018/04/02/o-modo-de-vida-dos-bnei-noach/

 

© AskMoses.com

Traduzido do inglês por Noaismo.info. © 2015-2019 Noaismo.info

 

Sobre distribuir nossos artigos, veja

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

 

 

* Daí que apesar do uso comum, popular, do nome Sete Leis de Noá, o mais adequado é chamá-las de Sete CATEGORIAS de Leis de Noá/Sete Categorias de Leis Noaíticas.

 

** O Rebe explicitamente disse:

“O judeu deve contar ao não-judeu sobre sua obrigação de observar as Sete Leis Noaíticas — e o mérito e recompensa que o não-judeu recebe por esta observância tanto neste mundo quanto no Mundo Por Vir.”

E para o esclarecimento de que quando se diz que os Noaítas (Benêi Nôach/Filhos de Noá) não devem estudar certas partes da Torá isto significa que, neste caso, a palavra Torá está se referindo ao estudo Talmúdico ou Haláchico das matérias que correspondem exclusivamente ao serviço judaico, não aos Cinco Livros de Moisés ou ao Tanách, veja

https://a-fe-original–noaismo.info/que-e-tora-no-judaismo-e-no-noaismo/

 

 

Padrão