A Fé da Torá (Judaica/Noaítica), Bnei Noach

Descobrindo Rosh Hashaná

 

B”H

A Fé Original: Noaismo.info

Um Site Bnei Noach

 

Descobrindo Rosh Hashaná*

 

Por Rabi Tzvi Freeman (Chabad)

 

* Lê-se Róch Hachaná

Como é possível que o princípio do ano apareça no primeiro dia do sétimo mês? E como é que sabemos que é este o princípio do ano, se não está mencionado em nenhuma parte dos cinco livros de Moisés?

A resposta curta é: o sabíamos porque, quando Moisés recebeu a Torá, tudo isto era evidente para ele e ele transmitiu esta informação, ainda que não a deixou por escrito. E, além disso, antes de ouvirmos falar de Moisés, sabíamos sobre o Rosh Hashaná. Abraham recebeu os antigos ensinamentos de Shem, o filho de Noá. Noá por sua vez os havia recebido de Matusael, que os havia recebido de Enosh. E Enosh com toda a certeza estava inteirado de Rosh Hashaná, já que havia recebido sua sabedoria diretamente de Adám, que havia sido criado nesse dia.

Então, Rosh Hashaná não é somente uma festividade judaica. Rosh Hashaná é o nascimento da humanidade.

* * *

Uma olhada em todo o livro judaico de orações para Rosh Hashaná e Iom Kipur e não será encontrado menção alguma ao nascimento de Adám. O que você pode encontrar é a afirmação: “Hoje é o dia de nascimento do mundo.” Também poderá dizer uma enigmática frase que se repete várias vezes: “Este dia assinala o começo da Tua criação, é uma recordação do primeiro dia.”

Isto sugere um pensamento fascinante; efetivamente, um pensamento que os cientistas modernos podem chegar a aceitar. Talvez o universo tenha nascido apenas quando Adám abriu seus olhos para observar e dar um nome a cada coisa! Com efeito, não é certo que os físicos quânticos e os cosmólogos de hoje em dia nos dizem que não pode haver eventos nem universo, sem um observador? Então, o universo começa com a criação da primeira consciência humana. “E ELE insuflou em suas narinas alento de vida; e o homem se tornou alma vivente” (Gênesis 2:7).

Fascinante, sim, mesmo que não totalmente satisfatório. Já que, na realidade, o Livro do Gênesis nos diz que Adám foi criado no sexto dia da Criação. Antes deste momento já existia um mundo. Sim, eu reconheço, era um mundo muito diferente do que conhecemos, um mundo no qual foram criados a matéria, a energia, o tempo e o espaço, no qual os eventos foram ocorrendo rapidamente, e em poucos instantes o simples evoluiu para o complexo. Mas, ainda assim, era um mundo. Então, surge a pergunta clássica: por que comemoramos Rosh Hashaná no nascimento de Adám e não seis dias antes, no nascimento do mundo?

E a resposta clássica é: porque não estamos celebrando um aniversário. “Hoje é o nascimento do mundo”, significa hoje, agora. Hoje o mundo voltou a nascer. Este dia assinala “o começo de Tua(s obras da) criação”, evocando assim a primeríssima vez que o mundo foi criado. Só que a primeira vez que o mundo nasceu, foi um presente de graça. Desde então, depende de nós, dos descendentes de Adám. E é por isso que ocorre em nosso nascimento, Rosh Hashaná. Renascemos, e dentro de nós, todo o universo.

Nosso planeta terra é um relógio ajustado ao ritmo pelo qual bate, um ciclo de momentos e dias, de meses e anos. A cada momento surge a vida necessária para esse momento, é absorvida e depois volta para sua fonte. Cada dia, a energia para esse dia, cada mês, para esse mês. Mas a renovação mais importante da vida é a que surge em Rosh Hashaná. Porque é quando toda a vida do ano anterior volta para sua fonte essencial e, do vazio, surge uma nova vida como nunca antes conhecida, para sustentar a existência por um ano completo.

* * *

Não é estranho que um ser criado possa tomar parte em sua própria criação? Os seres criados (nós), suplicando para nosso CRIADOR: “Dá-nos vida! Uma boa vida! Coisas lindas! Revela-TE! Envolva-TE mais profundamente com teu mundo!

Como é possível que, no interior da Mente Cósmica, onde se determina se devemos ou não existir, estejamos aí, suplicando e participando nessa decisão? Deve haver algo de nós que está além da criação, algo eterno. Algo Divino. O chamamos “a alma Divina”.

É por isso que podemos denominar D’us tanto REI como PAI.

Um REI, no sentido essencial da realeza, porque é ELE QUEM determina se existiremos ou não, como está escrito no Machzór: “quem morrerá e quem viverá”.

Um PAI, porque dentro nós há algo DELE, portanto, podemos participar nessa decisão.

E nós somos o filho. Cada um de nós tem uma alma interior que é o hálito de D’us dentro de nós. Somos o ponto de contato entre D’us e Seu universo. E assim somos chamados Seus filhos. E podemos chamar ELE nosso PAI.

* * *

Em Rosh Hashaná, D’us SE apresenta perante um tribunal. Se D’us chegasse a SE desconectar de Sua criação, D’us não o permita, desapareceria até o próprio espaço. Inclusive ficaria anulado o tempo, o mundo nunca teria existido, sua história seria apagada, e não sobraria nada.

Mas demonstramos um sincero arrependimento e declaramos que agora realmente nós vamos tratar de melhorar nossos atos e fazer que o ano que se inicia seja muito, muito melhor que o passado. Acima de tudo, queremos assegurar que apenas falaremos bem dos demais e que lhes daremos nossas bênçãos para um ano bom e doce. É como julgamos os outros que nós seremos julgados.

Por Rabi Tzvi Freeman (Chabad)
© Jabad.com

Traduzido e editado do espanhol por Noaismo.info

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

 

O site Bnei Noach, Noaismo.info, deseja a todos um ano bom e doce.

Hoje, 29/9, é, no calendário bíblico/judaico, 1° de Tishrêi de 5780, ou seja, dia de um novo ano. Para você recitar as orações apropriadas para hoje e também para amanhã (mas amanhã, 30/9, somente até o pôr-do-sol), veja o Guia Bnei Noach de Rosh Hashaná:

https://a-fe-original–noaismo.info/2019/09/01/guia-rosh-hashana-yom-kipur-bnei-noach-2019/

Anúncios
Padrão
Bnei Noach

Pode um Bnei Noach fazer tatuagem?

B”H

 

A Fé Original: Noaismo.info

O Site de Bnei Noach do Brasil

 

Perguntas & Respostas

 

Rodrigo pergunta:

Gostaria de saber sobre as tatuagens. Pode um bnei noach fazer tatuagem de qualquer tipo com desenho ou escrita?

 

Noaismo.info responde:

Prezado Rodrigo!

Ficamos felizes com a sua pergunta e responderemos com prazer.

A única unanimidade existente entre os rabinos sobre Levítico 19:28 é que se trata de uma mitsvá para os JUDEUS.

Pode ser que haja rabinos que afirmem que a mitsvá de proibição de tatuagem também é da responsabilidade dos noaítas (Bnei Noach).

Aqui mencionaremos dois rabinos (representando organizações mundiais) que explicam que SIM, que os noaítas (Bnei Noach) podem fazer tatuagens (tatuagens não idolátricas).

Rabi Yitzchok Dubovick da Organização Internacional Para Bnei Noach, AskNoah (organização voltada para o chamado do Rebe — ensinar às nações suas próprias mitsvót da Torá):
“O Rabi Maimônides disse que a única proibição para os gentios é uma tatuagem que é parte de um culto religioso, quer dizer, uma tatuagem que signifique a intenção da pessoa de santificar-se ou submeter-se ao serviço de um ídolo em particular. Isto se aplica mesmo se a tatuagem em si não é parte da adoração do ídolo.”
© Asknoah.org

Rabi Simcha Bart do Chabad.org:
“Boa pergunta. Uma vez que a tatuagem [desenho ou escrita] não esteja associada com a adoração de ídolos ou suas práticas, seria permitida para um não-judeu.”
© Chabad.org

 

Por Noaismo.info

Traduzido do inglês por Noaismo.info

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

Padrão
Bnei Noach

Que tipo de livro é a Bíblia (Torá)?

A Fé Original: Noaismo.info

O Site de Bnei Noach do Brasil

 

B”H

 


“Toda a Torá foi dada para tornar este mundo físico um lugar espiritual e harmônico.” — Rabi Eli Levy (Chabad)


 

 

Que tipo de livro é a Bíblia (Torá)?

 

Por Rabi Eli Brackman (Chabad)

 

Nos últimos anos tem havido uma enorme quantidade de livros sobre a Bíblia que servem como guia para diferentes áreas da vida e perspectivas.

É possível encontrar livros sobre a Bíblia como literatura, Bíblia como arqueologia, Bíblia como poesia, Bíblia como história, Bíblia como filosofia, Bíblia como código para a ciência política e Bíblia como guia para a sabedoria nos negócios.

Em um livro muito intrigante do rabino Jonathan Sacks, The Home that we Build Together (O Lar que Vamos Construir Juntos), ele argumenta que a Bíblia Hebraica pode ser usada como um livro de texto sobre como construir uma sociedade multicultural bem-sucedida no século 21 no Reino Unido.

Similarmente, no livro Jewish Wisdom for Business Success: Lessons from the Torah and Other Ancient Texts (Sabedoria Judaica para o Sucesso nos Negócios: Lições da Torá e Outros Textos Antigos), o rabino Levi Brackman argumenta que os textos antigos da Torá podem servir como uma fonte de sabedoria e perspicácia sobre como ter êxito nos negócios.

Enquanto a sabedoria da Torá pode ter algo a dizer ao mundo contemporâneo da política e dos negócios, isto não é essencialmente o que a Torá é e pode levar a interpretações errôneas.

A Torá é essencialmente um trabalho espiritual destinado a aproximar uma pessoa de D’us e assegurar a vivência de uma vida ética e moral entre essa pessoa e sua família e vizinhos.

Isto é indicado no Mishnê Torá do rabino Maimônides (1138-1204), leis de Chanucá (Ch. 3), onde ele afirma que o propósito da Bíblia Hebraica é trazer paz ao mundo.

Para ser claro isto não significa que este é um trabalho sobre a resolução de conflitos a nível geopolítico, mas principalmente sobre a paz entre vizinhos e a harmonia familiar.

Toda a Torá é para este propósito — trazer paz entre uma pessoa e outra.

As histórias da Torá devem ser vistas de maneira similar. Não é um livro de história ou política — deve-se ver a Torá como um texto relevante para o desenvolvimento pessoal e espiritual da pessoa.

No pacto do Monte Sinái os judeus aceitaram um sistema de lei, social e espiritual, ao qual foram obrigados, além das leis universais da sociedade.

O D’us da Bíblia Hebraica é a fonte da moralidade e a Bíblia é o código de ética absoluto. “A Torá é o Ensinamento DIVINO para o povo judeu e para a humanidade.” A Bíblia Hebraica ensina como o indivíduo pode se aproximar de D’us e se tornar um ser humano mais espiritual e moral.

A Torá não é um livro de política ou história, mas de ensinamentos morais para a própria vida pessoal.

 

© Rabi Eli Brackman

Traduzido do inglês por Noaismo.info

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

 

Você sabia que a Bíblia (Torá) tem uma mensagem para você, não-judeu?

Se você ainda não conhece esta mensagem, para conhecê-la, acesse

https://a-fe-original–noaismo.info/2019/07/05/as-sete-leis-de-noe-o-movimento-bnei-noach-a-espiritualidade-dos-nao-judeus-pdf/

Neste post você também pode baixar a matéria dele em PDF.

 

Dedicado a Natan S. O., e em homenagem ao Rebe anterior (o sexto Rebe de Lubavitch), Rabi Yosef Yitschak Schneersohn.

Padrão
Bnei Noach, PDF

As Sete Leis de Noé; O Movimento Bnei Noach; A Espiritualidade dos não-judeus – PDF

A Fé Original: Noaismo.info

O Site de Bnei Noach do Brasil

 

B”H

 

Nas palavras transliteradas, “CH” deve ser pronunciado como “rr” e “SH” como “ch”.

 

# As Sete Leis Universais; # As Sete Leis de Noé; # As Sete Leis dos filhos de Noé; # Filhos de Noé; # Bnei Noach; # Movimento Bnei Noach; # Noaísmo; # Código Noaítico; # Pacto Universal; # Mitsvót Universais; # Mandamentos para os não-judeus; # Torá para não-judeus;

 

Por Chabad e Chabad Lubavitch e Chabad.org
Compilação: Noaismo.info
(Produção e Tradução: Noaismo.info)


Qualquer um que quer servir D’us deve fazê-lo nos termos DELE


 

Em homenagem ao Rebe

 

Você não é judeu?

Há tanta coisa que você precisa fazer para tornar este mundo um lugar melhor!

Na tradição judaica, a observância dos 10 Mandamentos é exigida somente dos judeus. Espera-se que todas as demais pessoas (i.e., todos os não-judeus) observem as “Sete Leis de Noá” — os valores universais da Torá. Estas Leis Divinas (algumas das quais se sobrepõem aos 10 Mandamentos) fornecem a base para um mundo civilizado, relações bem-sucedidas e desenvolvimento espiritual. Infelizmente, estas Leis têm sido amplamente desconhecidas há séculos. Por isso, o Rebe (Rabi Menachem Mendel Schneerson) desenvolveu uma campanha muito interessante – a campanha das Sete Leis dos Descendentes de Noá ((Noé). Desde então,) o Rebe passou a falar sobre a responsabilidade (dos judeus) de comunicar* os ideais espirituais universais, tal como expresso nas Sete Leis Noaíticas, para todas as pessoas no mundo. A maioria dos não-judeus, embora familiarizados com os Dez Mandamentos, nunca tinha ouvido falar das Sete Leis dos noaítas. Recentemente, pessoas em todas as partes do mundo começaram a estudar as Leis Divinas, e há um interesse renovado no papel desempenhado por todas as nações na Redenção Messiânica.

* Informar e educar sobre as Leis Noaíticas.

É importante ter em mente que o judaísmo não solicita convertidos. A razão para isto é que no judaísmo (ao contrário de todas as religiões), os não-judeus (ou gentios) não precisam se converter a fim de conseguir a “salvação”.
Quem quer que mantém o Código Noaítico – os Sete Mandamentos de Noá (veja abaixo) – é considerado um gentio justo e recebe uma porção no Mundo Por Vir – e até mesmo será ressuscitado juntamente com o povo judeu.

Deve-se recordar a todas as pessoas sobre o seu propósito original: que ele ou ela aceite e siga as orientações que foram Divinamente ordenadas para ele ou ela. Para os judeus, isto significa os 613 Mandamentos. Para os não-judeus significa as instruções originais de D’us para a humanidade: o código moral universal, o código pelo qual toda a humanidade é obrigada a viver — o Código Noaítico.

“O movimento Bnei Noach — ou noaísmo — é a mensagem universal do judaísmo, mas não é uma “religião”. Não se trata de um judaísmo simplificado para não-judeus. Antes, se trata do projeto de D’us para a civilização, uma base de sete pontos (iniciais) para a construção de uma sociedade justa, moral e ética na Terra.” — Rabi Yanki Tauber, editor de Chabad.org, no Chabad.org.

Certamente, os não-judeus devem aceitar estes Mandamentos Universais não apenas porque fazem sentido, porque eles são bons e razoáveis, mas porque eles fazem parte da Torá de D’us dada aos judeus no Monte Sinái. O CRIADOR da humanidade (foi QUEM) deu aos filhos de Noá os decretos de moralidade, conhecidos como as Shéva Mitsvót Benêi Nôach ou Sete Leis Divinas dos Filhos de Noá (veja
https://a-fe-original–noaismo.info/2019/06/01/os-tres-tipos-de-descendentes-de-noa-os-dez-mandamentos-noaiticos-as-tres-leis-devocionais-dos-noitas/  ).
O fundamento do Código Noaítico é que não existe moralidade/moral sem D’us. O humanismo não basta.
Que (saibamos que) AQUELE que criou a vida humana também estabeleceu as regras para tal vida e aplica essas regras. “Esta deve, definitivamente, ser a motivação real para a aceitação dos Sete Princípios Noaíticos, como Leis ordenadas pelo CRIADOR, para toda a humanidade.” Diz o Rebe.
No entanto, como mencionado, os não-judeus não são obrigados a se converter para obter a “salvação”.
“Todos fomos criados por D’us Todopoderoso.” Diz o Rabi Yisroel Goldstein (Chabad de Poway).

Por outro lado, se um não-judeu insiste em adotar a Judaicidade – a Identidade Judaica (que tem rituais identificadores e testemunhais, as Mitsvót Edót), ele ou ela tem todo o direito de fazê-lo, mas apenas depois de um período significativo de estudo, observação e compromisso total com a vida judaica. Este processo tem de ser conduzido sob a supervisão de um tribunal religioso judaico (Bêit Din) – ortodoxo.

Os Bnei Noach sabem que eles não são judeus, eles são admiradores não-judeus da Torá e do povo judeu (eles apoiam Israel e a comunidade judaica de todas as formas possíveis) (veja
https://a-fe-original–noaismo.info/2019/06/23/perguntas-sobre-judaismo-e-noaismo/ ).

Após o dilúvio, D’us deu para o mundo inteiro (que naquele momento era Nôach e sua família) Sete Leis Especiais, gerais. As Leis fundamentais são apropriadamente chamadas de Sete Leis Noaíticas.

As Leis dos noaítas são as seguintes:

1. Creia em D’us* (Hashém)/Não sirva ídolos
2. Respeite D’us e louve-O e não fale blasfemamente de D’us
3. Não assassine
4. Não roube
5. Não cometa adultério, incesto ou atos homossexuais
6. Não seja cruel com os animais
7. Estabeleça tribunais de justiça.

* Quando falamos em D’us, Hashém, estamos falando que D’us é um e que D’us é infinito.

Estas Leis Divinas (Mitsvót) Universais devem ser a base de toda a sociedade humana para todas as futuras gerações. Estas Leis estabelecem claramente os códigos de decência que se espera de cada ser humano.

Nossos rabinos nos ensinam que as águas do dilúvio também estão presentes em cada geração. Elas estão representadas pelas numerosas influências anti-espirituais encontradas ao nosso redor. Estas águas podem parecer muito tentadoras e boas à primeira vista, mas quando se dá um passo para trás e analisa o que está vendo, a destrutividade se torna evidente.

A arca representa diferentes coisas dependendo de quem a observa. Para o judeu, a arca é a proteção oferecida pela nossa Torá que se encontra em nossas sinagogas, escolas judaicas e em nossos lares. As paredes destes edifícios protegem-nos da destruição que se encontra no mundo lá fora.

Para os não-judeus, a arca representa a adesão estrita às Sete Leis Noaíticas. Essas Leis são instruções claras da Torá sobre quais devem ser os objetivos e as aspirações de toda a humanidade. São precisamente essas Leis que fazem todas as pessoas atingirem, de maneira explícita, seu estado predestinado de superioridade e santidade.

Qualquer que seja o grupo ao qual pertencemos, é de suma importância garantir que as paredes da nossa “arca” sejam impermeáveis. Isto significa que a humanidade deve rejeitar o secularismo (uma existência desprovida de D’us).

Por outro lado, vemos algumas pessoas que, em nome de D’us, realizam atrocidades que estão além das palavras para descrever. É precisamente por isso que as Sete Leis Divinas são tão importantes. Qualquer um que quer servir D’us deve fazê-lo nos termos DELE. Quando alguém usa o nome de D’us para o mal, ele de fato profana o Santo Nome. Isto é muito odioso aos olhos de D’us.

Durante estes tempos difíceis, precisamos encontrar refúgio em nossas arcas pessoais, comunitárias e até nacionais. Devemos nos certificar de que as influências negativas sejam bloqueadas de forma segura. Melhor ainda, devemos permitir que a luz dos iluminados brilhe e transforme a escuridão circundante em uma luz que dá vida!

Nós podemos, e devemos, fazer o que ainda tem de ser feito.

Todas as nações devem observar os Mandamentos ditados a elas pela Torá, as 7 Leis Universais de moralidade, com o fim de obter a paz definitiva, a unidade entre todas as nações, o respeito por toda a humanidade e a apreciação de um D’us universal.

Isto transforma o mundo em um belo lugar onde D’us escolherá habitar de maneira revelada, muito em breve.

 

Por Chabad e Chabad Lubavitch e Chabad.org
Compilação: Noaismo.info
Produzido e Traduzido do inglês e do espanhol por Noaismo.info.
© Chabad; © Chabad Lubavitch; © Chabad.org

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

 

BAIXE ESTA MATÉRIA EM FORMATO PDF EM:
https://www.4shared.com/office/a-eYhrIBee/As_Sete_Leis_de_No__O_Moviment.html

 

Eu não sou judeu, mas eu realmente acredito na Torá. Como posso aprender e fazer mais?

Acessando:

https://a-fe-original–noaismo.info

https://a-fe-original–noaismo.info/pagina-de-posts/

Padrão
Bnei Noach

A Guerra Final

B”H

 

Haverá a Guerra do Armagedom?
Haverá a Guerra de Gog e Magog?

A Guerra Final

 

Por Rabi Tzvi Freeman (Chabad)

 

Algumas pessoas estão à espera de uma guerra final, apocalíptica.

Mas a guerra final é travada
não nos campos de batalha,
nem no mar,
nem nos céus acima.

Tampouco é uma guerra entre líderes ou nações.

A guerra final é travada no coração de cada ser humano,
com os exércitos de suas ações neste mundo.

E com uma simples decisão:
Estou aqui para ser engolido vivo por essa confusão sem sentido?
Ou estou aqui para iluminar (o mundo)?

 

Por Rabi Tzvi Freeman (Chabad)

© Chabad.org
Traduzido do inglês por Noaismo.info. © 2015-2019 Noaismo.info

https://a-fe-original–noaismo.info

/copyright/

Padrão
Bnei Noach

Saudações de Fim de Ano

B”H

 

Perguntas E Respostas

 

(Atenção:
Nas palavras transliteradas, o “sh” tem som de “CH”. Exemplos: “Shulchán”; “Shalóm”.)

Nas palavras transliteradas, o “ch” tem som de “RR”. Exemplos: “Shulchán Arúch”.)

 

Por Noaismo.info

 

Pergunta:

Sou noaíta. Como noaíta, naturalmente, não comemoro o natal. O que devo responder quando me desejam “Feliz Natal”? Devo simplesmente repetir a saudação ou devo educadamente informar que sou noaíta e que não comemoro o natal?

 

Resposta:

Em primeiro lugar, devemos levar em conta que, hoje em dia, muitos que desejam “Feliz Natal” fazem-no apenas por educação, e não porque comemoram-no. Muitos são cristãos não-praticantes e muitos sequer acreditam no natal.

De qualquer modo, o Chabad.org declara: “Não há nenhum problema em desejar (a um cidadão cristão) um feliz ano novo, e de coração.”
Sobre isto (i.e., responder à saudação em vez de ficar quieto ou dizer que não comemora), 
o rabi Joshua Jonathan explica: “No Shulchán Arúch, o Rabi Moses Isserles chama a atenção para a necessidade de sermos bons cidadãos em uma sociedade onde judeus e noaítas e cristãos convivem e fazem negócios juntos, mesmo no que diz respeito a saudações problemáticas. Tudo é feito em prol da paz. A idéia é reduzir as tensões, não aumentá-las.”

Se ainda assim você se sente desconfortável em responder “feliz ano novo”, o rabi indica:

“Que você tenha um dia abençoado.”

“Shalóm.”

“Assim, se alguém que sabe que você é noaíta (e, portanto, sabe que você não comemora o natal) lhe diz “Feliz Natal” só para lhe provocar, prossiga a conversa elevando-a respondendo “Shalóm”. Mas se é simplesmente alguém na rua, no cinema ou no supermercado, (responder “feliz ano novo”) ou “Boas Festas” estará bom da mesma forma.”

 

© Chabad.org
© Rabi Joshua Jonathan


Traduzido do inglês por Noaismo.info. © 2015-2019 Noaismo.info

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

Padrão
Bnei Noach

Pode-se vender a alma ao diabo?

B”H

 

(Atenção:
Nas palavras transliteradas, o “ch” tem som de “RR”. Exemplos: Chabád; Chaguigá; Tanách; Sichót, etc.

Nas palavras transliteradas, o “sh” tem som de “CH”. Exemplos: Moshé; Yeshayáhu; Hashém; Shemót, etc.)

 

Pode-se vender a alma ao diabo?

 

Por Rabi Baruch S. Davidson (Chabad)

 

Pergunta:
Os judeus e os noaítas acreditam que uma pessoa pode vender a alma dela ao diabo?

 

Resposta:
A idéia de “uma pessoa vender a alma dela ao diabo” — isto é, tornar-se escrava do diabo em troca do provimento de favores — não existe na Torá. Obras éticas judaicas descrevem casos em que alguém pode ser “possuído” (dominado) de alguma forma pelos impulsos do mal. Mas mesmo esse estado é sempre reversível.

Antes de abordar isto, aqui está um pouco sobre a natureza de Satán no pensamento judaico/noaítico:

Satán é um verbo hebraico que significa “provocar” ou “opor-se” e é usado várias vezes na Bíblia (Tanách) como um verbo. O primeiro exemplo está na história de Bilám (Balaão), quando Bilám decide assumir a missão de amaldiçoar o povo judeu:

“A ira de D’us SE acendeu porque ele se ia; e pôs-se um anjo de Hashém no caminho para opor-se a ele (tradução de ‘lesatán lo’), e ele viajava na sua jumenta, e seus dois servos estavam com ele.” (Bamidbár/Números 22:22)

Em outros casos, a palavra aparece como um substantivo, “um provocador”. Geralmente, o título aparece com o artigo definido — “o satán” — o que significa que não é um nome próprio, apenas uma descrição do trabalho. Por exemplo, no livro de Jó, o satán aparece como um promotor diante de D’us:

“Certo dia, os anjos vieram se apresentar perante Hashém, e com eles veio também o satán.

E disse Hashém para o satán: ‘De onde vens?’ E o satán respondeu para Hashém: ‘De ir e vir e de caminhar de um lado para o outro por toda a terra.’

E Hashém perguntou para o satán: ‘Viste o Meu servo Iyóv, que não há ninguém igual a ele na terra por ser íntegro, justo, temente a MIM e distanciado de todo o mal?’

Ao que o satán contestou Hashém, e disse: ‘Temerá Iyóv a Hashém, sem motivo? Não o envolveste com uma cerca protetora, sua casa e tudo o que lhe pertence? Abençoaste o trabalho de suas mãos e (por isto) cresceram seus bens sobre toda a terra. Mas se estenderes TUA mão contra tudo que ele possui, verás como TE amaldiçoará frente a frente!’

E respondeu Hashém para o satán: ‘Concedo-te poder para destruir tudo que ele tem; somente a ele, pessoalmente, não deves tocar!’ E o satán retirou-se da presença de Hashém.” (Iyóv/Jó 1:6-12)

Desta passagem, vemos que D’us criou um anjo para desempenhar o papel de provocador; que ele é um mensageiro de, e subordinado a, D’us. Ele não é um anjo caído nem foi enviado para o inferno, onde começou a lutar contra D’us; ele foi criado para ser Satán. Tampouco Satán passa seus dias alimentando as chamas do inferno com seu tridente. É uma presença na terra com uma missão: provocar as pessoas a desobedecerem a vontade de D’us.

De fato, a noção [pagã] dualista de uma poderosa figura anti-D’us que luta com D’us pelo destino da raça humana é incompatível com a crença judaica/noaítica. Não existe poder do mal independente de D’us; do contrário, isto implicaria uma falta de controle e poder abrangentes de D’us. Para citar o livro de Isaías:

“… para que todos, do leste e do oeste, soubessem que nada há além de MIM. EU, somente, sou Hashém (O D’us), não há mais nada. Sou EU QUEM forma a luz e cria a escuridão; EU faço a paz e Sou EU QUEM cria o mal; EU sou Hashém que tudo faz.” (Yeshayáhu/Isaías 45:6-7)

Obviamente, então, o satán não é uma força autônoma que se opõe a D’us e recruta pessoas para sua milícia. Em vez disso, o satán é uma entidade espiritual que é completamente fiel ao seu criador. Por exemplo, em relação à história bíblica da tentativa particularmente agressiva do satán de seduzir Iyóv a blasfemar, o rav Leví declara no Talmúd (Bavá Batrá 16a):

“O Satán agiu por causa de D’us. Quando ele viu como D’us estava inclinado a favor de (i.e., tão focado em) Iyóv, ele disse: ‘O Céu não permita que D’us esqueça o amor de Avrahám (o antepassado do povo judeu).'”

O Zôhar (vol. 2, página 163a) compara o satán a uma prostituta que é contratada por um rei para tentar seduzir seu filho, porque o rei quer testar a moralidade e a dignidade de seu filho. Tanto o rei como a prostituta (que é dedicada ao rei) realmente querem que o filho permaneça firme e rejeite os avanços da prostituta. Da mesma forma, o satán é apenas mais um dos muitos mensageiros espirituais (anjos) que D’us envia para realizar SEU propósito na criação do homem (veja também os capítulos 9 e 29 do Tania).

Esta não é a descrição completa do trabalho do satán. O Talmúd (Bavá Batrá, ibidem) resume dizendo que o satán, a má inclinação (“iêtser hará”) e o Anjo da Morte são uma e a mesma personalidade. Ele desce do céu e induz ao erro, depois ascende e apresenta acusações contra a humanidade, e então cumpre o veredito.

No entanto, a passagem acima mencionada no Zôhar conclui que se uma pessoa sucumbe à insistência da má inclinação, ela “dá energia para o outro lado”. Isto significa que um ato de desafio à vontade de D’us concede àquelas forças que ocultam a presença de D’us — pela Vontade DELE — força adicional para ocultar D’us ainda mais de nós. Isto se apresenta como desafios internos e externos ainda maiores para a pessoa experimentar e se identificar com as verdades de D’us e SUA Torá.

Um exemplo extremo disto seria o Faraó, que escravizou o povo judeu no Egito. Apesar de D’us ter pedido a Moshé que mandasse o Faraó libertar os israelitas, ELE declarou: “EU fiz seu coração e o coração de seus servos endurecer” (Shemót/Êxodo 10:1) a fim de finalmente punir os egípcios com as dez pragas. Como consequência de sua opressão anterior e abuso da nação judaica, sua capacidade de abandonar seus maus caminhos foi dificultada ainda mais até o ponto em que parecia que ele havia perdido a liberdade de escolha, e sua visão de arrependimento e capacidade de senti-lo ficaram completamente prejudicadas (Maimônides, Leis do Arrependimento 6:2).

Em última análise, não há nada que possa impedir alguém que realmente se esforça para retornar (Talmúd Yerushalmí, Peá 1:1). Portanto, mesmo o Faraó ainda tinha a capacidade de superar este bloqueio e finalmente arrepender-se (baseado em Likutêi Sichót vol. 6, páginas 65-66. Veja também Maharshá sobre Chaguigá 15a). Assim, mesmo quando uma pessoa parece estar completamente dominada pelo satán – como retribuição divina por seus erros anteriores, não pela escolha de negociação com o diabo – ela nunca está vendida, e pode superar seu instinto e impulso de agir satanicamente. Estar completamente vendido sem esperança de redenção seria contraproducente ao propósito de D’us e seria inconcebível.

Independentemente de onde você tenha caído, você nunca está vendido a estas forças impuras, e sua alma pode lutar livremente e voltar a se comprometer a servir D’us com sinceridade e paixão. O machado do arrependimento sincero pode derrubar qualquer parede, seja preexistente ou criado por suas ações, abrindo o caminho para que você volte para casa, para o seu verdadeiro eu.

 

Rabi Baruch S. Davidson (Chabad)

 

Veja também

E ouça o áudio em

Existe diabo no Judaísmo? O que é o satan do Tanach?

 

© Chabad.org
Traduzido do inglês por Noaismo.info. © 2015-2019 Noaismo.info

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

Padrão