Bnei Noach

Tzniút (Modéstia)

A Fé Original: Noaismo.info

O Site de Bnei Noach do Brasil

 

B”H

 

Tzniút (Modéstia)

 

Por Rabi Shmuel Kaplan (Chabad)

 

As questões fundamentais são: o que é modéstia, de onde ela vem, e deve o governo estabelecer os padrões (da modéstia) e aplicá-los?

A comida, a roupa e o abrigo compõem os três elementos essenciais da sobrevivência humana. Em cada um destes, os humanos são radicalmente diferentes dos animais. Os animais encontram seu alimento em seu habitat natural, nascem com a roupa de que necessitam e se contentam com um abrigo temporário quando é necessário. Os humanos têm de produzir sua comida, fazer sua própria roupa e construir seu abrigo. E é isto que impulsiona a maior parte da atividade humana. Por quê?

Para abordar a categoria de roupa, devemos nos voltar à Bíblia e à primeira história após a criação.

Quando Adão e Eva pecaram comendo da árvore do conhecimento, toda a sua concepção do mal mudou de uma consciência intelectual desapaixonada para uma compulsão interna. A sexualidade, por exemplo, não era mais uma função biológica agradável necessária para produzir a próxima geração e povoar o mundo, mas uma poderosa (e em muitos, avassaladora) luxúria que mal pode ser contida e frequentemente leva a muitos estragos e dor emocional. Como resultado, tornou-se necessário esconder as partes do corpo que poderiam superestimular esta poderosa força. E foi aqui que a modéstia entrou em cena.

Mas a modéstia é muito mais do que um encobrimento de roupa; é um estado de espírito e um modo de vida para homens e mulheres e é construído sobre um sistema de valores subjacente. Todos nós entendemos que se deve entrar em um local de adoração com uma reverência e um respeito apropriados e o mesmo se dá quando se reconhece que D’us está verdadeiramente em todos os lugares e que estamos constantemente em SUA presença. Portanto, devemos manter um grau desta reverência em todos os momentos e em tudo o que fazemos. Além disso, a modéstia geral também ajuda a manter uma vida familiar saudável e até mesmo um estado sagrado de vida familiar (conforme exigido pela Torá).

Desta perspectiva, a modéstia é e se relaciona com a pessoa inteira: a maneira como pensamos, falamos e agimos (a roupa é apenas um aspecto desta estrutura). Isto pode ter o benefício adicional de se libertar do julgamento constante, da objetivação e da necessidade de validação por outros que assola nossa sociedade.

Uma força governamental externa, que não está no negócio de promover um sistema de valores particular, não pode impor a modéstia às pessoas nem pode impor o que considera imodéstia. Tais escolhas devem vir exclusivamente do sistema interno de valores do indivíduo e devem ser deixadas ao critério de cada indivíduo. Isto não significa que o governo não deva promover valores fundamentais comuns que formem uma base saudável para a civilização.

O profeta Michá (6:8) o disse melhor: “Ele lhe disse, ó homem, o que é bom e o que Havayáh quer de você. Apenas que você faça justiça, ame a bondade e caminhe humildemente com seu D’us (ao observar Seus mandamentos).”

 

© Rabi Shmuel Kaplan

Traduzido do inglês por Noaismo.info

 

Dedicado a Sophia Celeste S. O.

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

 

Veja também

https://a-fe-original–noaismo.info/2017/12/01/noaitas-e-o-vestir-se/

Anúncios
Padrão
Bnei Noach

Que tipo de livro é a Bíblia (Torá)?

A Fé Original: Noaismo.info

O Site de Bnei Noach do Brasil

 

B”H

 


“Toda a Torá foi dada para tornar este mundo físico um lugar espiritual e harmônico.” — Rabi Eli Levy (Chabad)


 

 

Que tipo de livro é a Bíblia (Torá)?

 

Por Rabi Eli Brackman (Chabad)

 

Nos últimos anos tem havido uma enorme quantidade de livros sobre a Bíblia que servem como guia para diferentes áreas da vida e perspectivas.

É possível encontrar livros sobre a Bíblia como literatura, Bíblia como arqueologia, Bíblia como poesia, Bíblia como história, Bíblia como filosofia, Bíblia como código para a ciência política e Bíblia como guia para a sabedoria nos negócios.

Em um livro muito intrigante do rabino Jonathan Sacks, The Home that we Build Together (O Lar que Vamos Construir Juntos), ele argumenta que a Bíblia Hebraica pode ser usada como um livro de texto sobre como construir uma sociedade multicultural bem-sucedida no século 21 no Reino Unido.

Similarmente, no livro Jewish Wisdom for Business Success: Lessons from the Torah and Other Ancient Texts (Sabedoria Judaica para o Sucesso nos Negócios: Lições da Torá e Outros Textos Antigos), o rabino Levi Brackman argumenta que os textos antigos da Torá podem servir como uma fonte de sabedoria e perspicácia sobre como ter êxito nos negócios.

Enquanto a sabedoria da Torá pode ter algo a dizer ao mundo contemporâneo da política e dos negócios, isto não é essencialmente o que a Torá é e pode levar a interpretações errôneas.

A Torá é essencialmente um trabalho espiritual destinado a aproximar uma pessoa de D’us e assegurar a vivência de uma vida ética e moral entre essa pessoa e sua família e vizinhos.

Isto é indicado no Mishnê Torá do rabino Maimônides (1138-1204), leis de Chanucá (Ch. 3), onde ele afirma que o propósito da Bíblia Hebraica é trazer paz ao mundo.

Para ser claro isto não significa que este é um trabalho sobre a resolução de conflitos a nível geopolítico, mas principalmente sobre a paz entre vizinhos e a harmonia familiar.

Toda a Torá é para este propósito — trazer paz entre uma pessoa e outra.

As histórias da Torá devem ser vistas de maneira similar. Não é um livro de história ou política — deve-se ver a Torá como um texto relevante para o desenvolvimento pessoal e espiritual da pessoa.

No pacto do Monte Sinái os judeus aceitaram um sistema de lei, social e espiritual, ao qual foram obrigados, além das leis universais da sociedade.

O D’us da Bíblia Hebraica é a fonte da moralidade e a Bíblia é o código de ética absoluto. “A Torá é o Ensinamento DIVINO para o povo judeu e para a humanidade.” A Bíblia Hebraica ensina como o indivíduo pode se aproximar de D’us e se tornar um ser humano mais espiritual e moral.

A Torá não é um livro de política ou história, mas de ensinamentos morais para a própria vida pessoal.

 

© Rabi Eli Brackman

Traduzido do inglês por Noaismo.info

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

 

Você sabia que a Bíblia (Torá) tem uma mensagem para você, não-judeu?

Se você ainda não conhece esta mensagem, para conhecê-la, acesse

https://a-fe-original–noaismo.info/2019/07/05/as-sete-leis-de-noe-o-movimento-bnei-noach-a-espiritualidade-dos-nao-judeus-pdf/

Neste post você também pode baixar a matéria dele em PDF.

 

Dedicado a Natan S. O., e em homenagem ao Rebe anterior (o sexto Rebe de Lubavitch), Rabi Yosef Yitschak Schneersohn.

Padrão
Bnei Noach, PDF

As Sete Leis de Noé; O Movimento Bnei Noach; A Espiritualidade dos não-judeus – PDF

A Fé Original: Noaismo.info

O Site de Bnei Noach do Brasil

 

B”H

 

Nas palavras transliteradas, “CH” deve ser pronunciado como “rr” e “SH” como “ch”.

 

# As Sete Leis Universais; # As Sete Leis de Noé; # As Sete Leis dos filhos de Noé; # Filhos de Noé; # Bnei Noach; # Movimento Bnei Noach; # Noaísmo; # Código Noaítico; # Pacto Universal; # Mitsvót Universais; # Mandamentos para os não-judeus; # Torá para não-judeus;

 

Por Chabad e Chabad Lubavitch e Chabad.org
Compilação: Noaismo.info
(Produção e Tradução: Noaismo.info)


Qualquer um que quer servir D’us deve fazê-lo nos termos DELE


 

Em homenagem ao Rebe

 

Você não é judeu?

Há tanta coisa que você precisa fazer para tornar este mundo um lugar melhor!

Na tradição judaica, a observância dos 10 Mandamentos é exigida somente dos judeus. Espera-se que todas as demais pessoas (i.e., todos os não-judeus) observem as “Sete Leis de Noá” — os valores universais da Torá. Estas Leis Divinas (algumas das quais se sobrepõem aos 10 Mandamentos) fornecem a base para um mundo civilizado, relações bem-sucedidas e desenvolvimento espiritual. Infelizmente, estas Leis têm sido amplamente desconhecidas há séculos. Por isso, o Rebe (Rabi Menachem Mendel Schneerson) desenvolveu uma campanha muito interessante – a campanha das Sete Leis dos Descendentes de Noá ((Noé). Desde então,) o Rebe passou a falar sobre a responsabilidade (dos judeus) de comunicar* os ideais espirituais universais, tal como expresso nas Sete Leis Noaíticas, para todas as pessoas no mundo. A maioria dos não-judeus, embora familiarizados com os Dez Mandamentos, nunca tinha ouvido falar das Sete Leis dos noaítas. Recentemente, pessoas em todas as partes do mundo começaram a estudar as Leis Divinas, e há um interesse renovado no papel desempenhado por todas as nações na Redenção Messiânica.

* Informar e educar sobre as Leis Noaíticas.

É importante ter em mente que o judaísmo não solicita convertidos. A razão para isto é que no judaísmo (ao contrário de todas as religiões), os não-judeus (ou gentios) não precisam se converter a fim de conseguir a “salvação”.
Quem quer que mantém o Código Noaítico – os Sete Mandamentos de Noá (veja abaixo) – é considerado um gentio justo e recebe uma porção no Mundo Por Vir – e até mesmo será ressuscitado juntamente com o povo judeu.

Deve-se recordar a todas as pessoas sobre o seu propósito original: que ele ou ela aceite e siga as orientações que foram Divinamente ordenadas para ele ou ela. Para os judeus, isto significa os 613 Mandamentos. Para os não-judeus significa as instruções originais de D’us para a humanidade: o código moral universal, o código pelo qual toda a humanidade é obrigada a viver — o Código Noaítico.

“O movimento Bnei Noach — ou noaísmo — é a mensagem universal do judaísmo, mas não é uma “religião”. Não se trata de um judaísmo simplificado para não-judeus. Antes, se trata do projeto de D’us para a civilização, uma base de sete pontos (iniciais) para a construção de uma sociedade justa, moral e ética na Terra.” — Rabi Yanki Tauber, editor de Chabad.org, no Chabad.org.

Certamente, os não-judeus devem aceitar estes Mandamentos Universais não apenas porque fazem sentido, porque eles são bons e razoáveis, mas porque eles fazem parte da Torá de D’us dada aos judeus no Monte Sinái. O CRIADOR da humanidade (foi QUEM) deu aos filhos de Noá os decretos de moralidade, conhecidos como as Shéva Mitsvót Benêi Nôach ou Sete Leis Divinas dos Filhos de Noá (veja
https://a-fe-original–noaismo.info/2019/06/01/os-tres-tipos-de-descendentes-de-noa-os-dez-mandamentos-noaiticos-as-tres-leis-devocionais-dos-noitas/  ).
O fundamento do Código Noaítico é que não existe moralidade/moral sem D’us. O humanismo não basta.
Que (saibamos que) AQUELE que criou a vida humana também estabeleceu as regras para tal vida e aplica essas regras. “Esta deve, definitivamente, ser a motivação real para a aceitação dos Sete Princípios Noaíticos, como Leis ordenadas pelo CRIADOR, para toda a humanidade.” Diz o Rebe.
No entanto, como mencionado, os não-judeus não são obrigados a se converter para obter a “salvação”.
“Todos fomos criados por D’us Todopoderoso.” Diz o Rabi Yisroel Goldstein (Chabad de Poway).

Por outro lado, se um não-judeu insiste em adotar a Judaicidade – a Identidade Judaica (que tem rituais identificadores e testemunhais, as Mitsvót Edót), ele ou ela tem todo o direito de fazê-lo, mas apenas depois de um período significativo de estudo, observação e compromisso total com a vida judaica. Este processo tem de ser conduzido sob a supervisão de um tribunal religioso judaico (Bêit Din) – ortodoxo.

Os Bnei Noach sabem que eles não são judeus, eles são admiradores não-judeus da Torá e do povo judeu (eles apoiam Israel e a comunidade judaica de todas as formas possíveis) (veja
https://a-fe-original–noaismo.info/2019/06/23/perguntas-sobre-judaismo-e-noaismo/ ).

Após o dilúvio, D’us deu para o mundo inteiro (que naquele momento era Nôach e sua família) Sete Leis Especiais, gerais. As Leis fundamentais são apropriadamente chamadas de Sete Leis Noaíticas.

As Leis dos noaítas são as seguintes:

1. Creia em D’us* (Hashém)/Não sirva ídolos
2. Respeite D’us e louve-O e não fale blasfemamente de D’us
3. Não assassine
4. Não roube
5. Não cometa adultério, incesto ou atos homossexuais
6. Não seja cruel com os animais
7. Estabeleça tribunais de justiça.

* Quando falamos em D’us, Hashém, estamos falando que D’us é um e que D’us é infinito.

Estas Leis Divinas (Mitsvót) Universais devem ser a base de toda a sociedade humana para todas as futuras gerações. Estas Leis estabelecem claramente os códigos de decência que se espera de cada ser humano.

Nossos rabinos nos ensinam que as águas do dilúvio também estão presentes em cada geração. Elas estão representadas pelas numerosas influências anti-espirituais encontradas ao nosso redor. Estas águas podem parecer muito tentadoras e boas à primeira vista, mas quando se dá um passo para trás e analisa o que está vendo, a destrutividade se torna evidente.

A arca representa diferentes coisas dependendo de quem a observa. Para o judeu, a arca é a proteção oferecida pela nossa Torá que se encontra em nossas sinagogas, escolas judaicas e em nossos lares. As paredes destes edifícios protegem-nos da destruição que se encontra no mundo lá fora.

Para os não-judeus, a arca representa a adesão estrita às Sete Leis Noaíticas. Essas Leis são instruções claras da Torá sobre quais devem ser os objetivos e as aspirações de toda a humanidade. São precisamente essas Leis que fazem todas as pessoas atingirem, de maneira explícita, seu estado predestinado de superioridade e santidade.

Qualquer que seja o grupo ao qual pertencemos, é de suma importância garantir que as paredes da nossa “arca” sejam impermeáveis. Isto significa que a humanidade deve rejeitar o secularismo (uma existência desprovida de D’us).

Por outro lado, vemos algumas pessoas que, em nome de D’us, realizam atrocidades que estão além das palavras para descrever. É precisamente por isso que as Sete Leis Divinas são tão importantes. Qualquer um que quer servir D’us deve fazê-lo nos termos DELE. Quando alguém usa o nome de D’us para o mal, ele de fato profana o Santo Nome. Isto é muito odioso aos olhos de D’us.

Durante estes tempos difíceis, precisamos encontrar refúgio em nossas arcas pessoais, comunitárias e até nacionais. Devemos nos certificar de que as influências negativas sejam bloqueadas de forma segura. Melhor ainda, devemos permitir que a luz dos iluminados brilhe e transforme a escuridão circundante em uma luz que dá vida!

Nós podemos, e devemos, fazer o que ainda tem de ser feito.

Todas as nações devem observar os Mandamentos ditados a elas pela Torá, as 7 Leis Universais de moralidade, com o fim de obter a paz definitiva, a unidade entre todas as nações, o respeito por toda a humanidade e a apreciação de um D’us universal.

Isto transforma o mundo em um belo lugar onde D’us escolherá habitar de maneira revelada, muito em breve.

 

Por Chabad e Chabad Lubavitch e Chabad.org
Compilação: Noaismo.info
Produzido e Traduzido do inglês e do espanhol por Noaismo.info.
© Chabad; © Chabad Lubavitch; © Chabad.org

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

 

BAIXE ESTA MATÉRIA EM FORMATO PDF EM:
https://www.4shared.com/office/a-eYhrIBee/As_Sete_Leis_de_No__O_Moviment.html

 

Eu não sou judeu, mas eu realmente acredito na Torá. Como posso aprender e fazer mais?

Acessando:

https://a-fe-original–noaismo.info

https://a-fe-original–noaismo.info/pagina-de-posts/

Padrão
Bnei Noach

Uma Mensagem do Rabi Eli Levy

A Fé Original: Noaismo.info

O Site de Bnei Noach do Brasil

 

B”H

 

Uma Mensagem do Rabi Eli Levy (Chabad)

Doze homens em conflito

 

Prezados leitores:

Aqueles que me lêem há alguns anos sabem que minha Parashá favorita é a dos espiões.

Doze homens justos, estudiosos e intelectuais. Os melhores do povo.

Mas o pecado deles foi grave, tão grave que impediu todo o povo de entrar na terra de Israel por 40 anos.

O que não está claro é:
Qual era a proposta alternativa dos espiões para a entrada na terra de Israel? Voltar ao Egito era o melhor a fazer? Viver no deserto eternamente?

Eles estavam cômodos no deserto com tudo sem esforço, o maná caía do céu, as roupas estavam limpas pelas nuvens de glória, estudavam Torá direto de Moshé. Para que mudar?

Entrar na terra de Israel implicava pegar em armas para conquistá-la, arar para obter alimento, tear para (fabricar) roupa. Quando eles teriam tempo para estudar Torá? Vivamos no deserto e estamos no paraíso.

O erro foi que esta não é a vontade de Hashém, ELE quer que nós estejamos ativos na terra, no mundo.

Para nós: Não pensemos que a vida espiritual ideal é estar recluso em uma montanha meditando e orando, Hashém quer que nós estejamos “envolvidos” no mundo e consigamos trazer a espiritualidade para a terra através do trabalho honesto e das boas ações.

Rabi Eli Levy

Por Eli Levy (Chabad)
© Jabad.com (Chabad)

Traduzido do espanhol por Noaismo.info: © 2015-2019 Noaismo.info

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

Padrão
Bnei Noach

Uma Mensagem do Rabi Eli Levy

B”H

 

Uma Mensagem do Rabi Eli Levy (Chabad)

 

A fé da liberdade

 

Estimados Leitores:

Estamos a poucos dias da festividade judaica de Pêssach, a festa da liberdade.

Pêssach também é chamado Chag Hamatsót, a festa de matsá.

Esse biscoito seco que nos recorda anos de escravidão e séculos de exílio. O pão da aflição e o pão da fé.

Qual é a relação entre a liberdade e a fé?

Escravos do Faraó fomos e passamos a ser escravos de Hashém.

[O que hoje aprendemos disto é que] o Faraó é o mundo cruel, a dura lei da rua, a lei do mais forte. A servidão a Mitsráim são as tentações que nos dominam, as preocupações que não nos deixam dormir, os problemas que não podemos superar.

Quem é escravo de Hashém tem fé absoluta que tudo vem de Hashém. Quem tem fé não tem preocupações, tem esperanças, não tem problemas, tem desafios, não tem tentações, tem superações. Quem tem fé vê na fria estrada uma oportunidade para trazer luz e calor, vê no mundo cruel uma chance para melhorá-lo.

A “matsá” da fé é a que nos dá a força para sermos realmente livres.

Por Rabi Eli Levy
© Jabad.com (Chabad)

Traduzido do espanhol por Noaismo.info: © 2015-2019 Noaismo.info

Padrão
Bnei Noach

E se eu não gosto do meu trabalho?

B”H

 

E se eu não gosto do meu trabalho?

 

Perguntas & Respostas / Palavras do Rebe (o líder da nossa geração)

 

● Uma pergunta para o Rebe:

Até hoje não descobri se existe, de fato, uma profissão que eu poderia dizer que trabalharia porque aquilo é o que gosto.
Trabalho porque é preciso.
E se eu nunca encontrar um emprego que eu goste?

 

● Resposta do Rebe:

Sobre a sua falta de prazer no seu trabalho — o propósito final do seu trabalho é ganhar dinheiro para você poder:
1. sustentar sua família;
2. dar tsedacá (caridade); e,
3. estudar Torá [(adquirindo livros judaicos pertinentes à sua identidade espiritual — judaítica ou noaítica)].
Estas são razões suficientes para você gostar do seu trabalho.

© Rabi Menachem Mendel Schneerson, o Rebe

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

Padrão
Bnei Noach

Uma geração supera a outra

A Fé Original: Noaismo.info

O Site de Bnei Noach do Brasil

 

B”H

 

Uma Mensagem do Rabi Eli Levy (Chabad)

 

Uma geração supera a outra

 

Prezados leitores:

Nôach foi um justo em sua geração.

Em sua geração foi um justo, em outra (geração) não sabemos. Ou talvez em outra tivesse sido mais proeminente ainda.

Esse é o debate dos comentaristas.

Um líder deve se adaptar à sua geração, escutar o que as pessoas precisam, estar atento às mudanças e liderar para encontrar o melhor meio de influenciar para o bem.

Temos a tendência de medir nossos líderes da Torá, do Tanách, da Mishná, etc., com os valores e parâmetros do nosso tempo. Mas o mundo está avançando, e a transformação deve ser para a frente.

O que era bom para Nôach, já não era suficiente para Avraham e o degrau mais alto para Avraham era o primeiro para Moshé, em todas as gerações.

O que Nôach alcançou em sua geração, foi o passo para que toda a humanidade possa avançar à civilização.

Shalóm!

Por Rabi Eli Levy
© Jabad.com (Chabad)

Traduzido do espanhol por Noaismo.info: © 2015-2019 Noaismo.info

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

Padrão