A Fé da Torá (Judaica/Noaítica), Bnei Noach

Uma Mensagem do Rabi Eli Levy

A Fé Original: Noaismo.info

Um Site Bnei Noach

 

B”H

 

Uma Mensagem do Rabi Eli Levy (Chabad)

 

Bereshít – Uma recordação da infância

 

Estimados Leitores:

Como todo começo, Bereshít (Gênesis), o primeiro livro da Torá, oculta os segredos e as chaves da humanidade como um todo. Do mesmo modo que na vida de um indivíduo as recordações da infância ficam profundamente gravados, assim também os acontecimentos do Bereshít são chaves para o progresso de toda a humanidade.

Um detalhe interessante é a expulsão do primeiro homem Adám junto com sua mulher Chavá do Gan Éden. O homem e a mulher são criados na perfeição pelas mesmas mãos de D’us numa sexta à tarde. No Jardim do Éden eles têm todos os manjares da terra disponíveis, não existe o mal, nem a morte, nem as doenças, não há dor e eles não têm de se esforçar para subsistirem, tudo é perfeito.

Até que o homem peca e é expulso para um lugar no qual deve se esforçar para conseguir sustento, a mulher deve sofrer para ter e criar seus filhos, a luta contra o mal é constante, a dor e a morte são algo cotidiano.

A Chassidút nos ensina que a razão que D’us teve para criar o mundo é conseguir que este mundo de obscuridade com nosso esforço se transforme em um lugar para a divindade, por isso podemos dizer com segurança que o objetivo não era o paraíso, D’us queria que o humano lute e supere os obstáculos da vida. Então, por que não o criou diretamente neste mundo (obscuro)? Para que lhe mostrar o caramelo e depois tomá-lo?

Justamente essa era a vontade divina. Como na psicologia humana sempre buscamos voltar a esses momentos lindos da infância, assim também D’us queria que saibamos que o mundo em seu estado original é um verdadeiro paraíso, e está em cada um de nós voltar a recuperá-lo. O mal, a dor, a morte e a fome são apenas passageiros e circunstanciais, D’us nos deu as forças para revertê-los e, com a chegada do Mashíach, voltarmos a esse Éden.

 

Por Rabi Eli Levy
© Jabad.com (Chabad)

Traduzido do espanhol por Noaismo.info: © 2015-2019 Noaismo.info

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

Padrão
Bnei Noach

Livros recomendados para as crianças Bnei Noach e Sete textos da bíblia judaica para elas recitarem

OUTUBRO
MÊS DAS CRIANÇAS

 

A Fé Original: Noaismo.info

Um Site Bnei Noach

 

B”H

 

Livros recomendados para as crianças Bnei Noach e Sete textos da bíblia judaica para elas recitarem

 

https://a-fe-original–noaismo.info/2017/10/25/livros-recomendados-para-as-criancas-noaitas/

 

https://a-fe-original–noaismo.info/2019/05/25/sete-textos-biblicos-para-as-criancas-noaitas/

 

O Rebe disse:

“Todos os seres humanos são ordenados a acreditar em D’us.

O objetivo das Sete Leis Noaíticas é a humanidade civilizar o mundo de uma forma divina. Certamente cada pessoa, independentemente de sua cor ou origem, deve voltar-se para D’us pedindo por suas necessidades e confiar NELE.

A crença não afeta necessariamente a conduta de uma pessoa. As crenças de uma pessoa podem ser separadas de sua mente e conduta. Muitas pessoas falam sobre acreditar em D’us ou ter D’us em seus corações. O desafio da fé não é apenas acreditar. Na verdade, simplesmente ter fé não é nenhum desafio, já que a fé é uma parte inerente de nossa existência. Todos nós nascemos com fé. Nosso desafio é agir NA fé, de modo que nosso compromisso espiritual influencie nosso pensamento e conduta diários.

A confiança em D’us é uma necessidade fundamental. É impossível construir uma sociedade justa e moral sem confiança em D’us e dependência de SEUS princípios.

Um compromisso honesto com D’us permite que uma pessoa supere a tendência natural para o interesse próprio e considere o bem-estar dos outros.

O Rabi Maimônides escreve perto do fim do Mishnê Torá, seu abrangente código da lei judaica:

“Moisés {o maior de todos os profetas} foi ordenado pelo Todopoderoso a influenciar todos os habitantes do mundo a aceitar os Sete Mandamentos dados aos descendentes de Noá. … Estes Mandamentos devem ser aceitos e observados porque D’us ordenou-lhes… e nos instruiu sobre eles através de Moisés … . Aquele que os observa somente por convicção intelectual não é devoto {de Hashém} e nem sábio.”

O Rabi Maimônides fornece uma base sólida para a moralidade: a aceitação dos Mandamentos de D’us.

Estas diretrizes enfocam a crença em D’us {(Bereshít/Gênesis 1:27; 2:16; 6:8-9,13,22; 7:1; 8:15-16,20; 9:1,8-9,17)} e as nossas responsabilidades espirituais para com ELE.

Uma não pode existir sem a outra. A fé genuína em D’us requer conduta moral, e a conduta moral só pode prosseguir de maneira estável e contínua quando baseada na confiança em D’us.

Todas as pessoas, e não só os judeus, têm de acreditar em D’us e vivenciar D’us. {Esta é a primeira Lei Divina dos filhos (descendentes) de Noá.}

Até mesmo inclusive a educação de uma criança deve se basear em verdades universais. A criança deve entender que existem regras absolutas na vida, e que estas {regras} vêm de um CRIADOR absoluto que as incorporou na própria estrutura do Universo.

Isso causa uma forte impressão nas crianças, dotando sua vida de significado, propósito e direção. Elas aprendem que o mundo tem um MESTRE — não uma abstração filosófica, mas um D’us pessoal que SE interessa muito pelos assuntos de cada indivíduo, e a QUEM todo o mundo tem de prestar contas.

Uma criança deve perceber que suas ações (ou falta de ação) são importantes e têm consequências. Deve-se ensinar-lhe a responsabilidade e a sensibilidade para com os outros. A chave para estas virtudes positivas é um relacionamento bem fundamentado com D’us.

Nossos filhos devem aprender que o mundo não é uma selva. Uma criança deve se tornar consciente do “Olho que vê, e do Ouvido que ouve”, de um D’us onipresente que deu para a humanidade regras de conduta adequada, e que vigia para ver se estas {regras} são respeitadas.

É no nível pessoal que as Leis Noaíticas são mais poderosas, já que é através de nossas vidas que a influência cria uma mudança real. Ao melhorar nós mesmos, melhoramos o mundo.”

 

Por Noaismo.info

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

Padrão
A Fé da Torá (Judaica/Noaítica), Bnei Noach, PDF

É permitido a um ben Noach ler Ética dos Pais?

B”H

 

A Fé Original: Noaismo.info

Um Site Bnei Noach

 

PERGUNTAS & RESPOSTAS

 

PERGUNTA: Tenho interesse em adquirir alguns livros sobre judaísmo, como ÉTICA DOS PAIS. É permitido a um ben Noach ler Ética dos Pais? E quais livros são sugeridos aos Bnei Noach?

 

RESPOSTA: Sim. Os noaítas (benêi Nôach/filhos de Noá) podem ler o livro Ética dos Pais. Mas, tenha em mente que se trata de um livro escrito pelos judeus para os judeus (já observantes) (como é o caso de 5:8-9, que se referem aos judeus que transgridem os mandamentos judaicos declarados, que D’us não o permita).

Se quiser adquirir o livro Pirkê Avót, Ética dos Pais (também chamado de A Ética dos Sábios), pelo Rabino Moshe Bogomilsky, no formato PDF, gratuitamente, baixe-o pelo seguinte link:

http://pt.chabad.org/media/pdf/1066/tthb10661937.pdf

Bnei Noach_Noaismo.info_Copyright_2020

ATENÇÃO
Segue algumas recomendações do Rabi Michael Schulman, do Chabad, Diretor da AskNoah, Organização Mundial de Ensinamentos da Torá para os Bnei Noach:

“Tenha em mente que o Pirkê Avót realça os tipos de serviço divino para os judeus que são proibidos para noaítas, como o esforço de se estar profundamente envolvido no estudo da Torá, observar o Shabát e os dias santos, e manter tantos mandamentos dos 613 judaicos quanto possível, mas não para ter de receber recompensa. Noaítas, por outro lado, podem servir D’us completamente, altruisticamente, apenas no seu próprio Código Noaítico, já que esses preceitos são suas mitsvót reais. Assumir outras observâncias deve ser apenas para a recompensa espiritual que elas trazem[, o que na verdade significa], deve ser apenas para algum benefício prático que resultará disso (que é o aprimoramento espiritual, moral ou de personalidade que é obtido) – para si, ou para os outros, ou para a sociedade (como honrar os pais, dar caridade adequada, devolver objetos perdidos, etc.) – ou para ajudar a pessoa a ter cuidado extra ao observar o Código Noaítico.

Resumindo, noaítas podem aprender o Pirkê Avót se o fazem com um propósito prático, o qual o mais apropriado seria aprender a melhorar seus traços de caráter.

E lembre-se: “empenhe-se no estudo de Torá … se labutares na Torá, D’us tem enormes recompensas para lhe dar” (4:10), se aplica em geral aos judeus. Ao noaíta é proibido “labutar na Torá”, exceto por trabalhar duro para aprender e compreender os detalhes do Código Noaítico, que é permitido e encorajado, e recompensado por D’us. Mas em outras áreas que não estão relacionadas com o Código Noaítico, um noaíta que “labuta na Torá”, especialmente se se faz apenas para o seu próprio bem, é suscetível de ser punido pela Mão do Céu, e é nosso dever adverti-lo e tratar de persuadi-lo para que pare de aprender profundamente nessas áreas.
Tenha cuidado, porque os mandamentos de Noá e os mandamentos judaicos são na verdade dois sistemas separados de preceitos divinos. A aplicação correta e prática dos preceitos noaíticos não pode ser remendada com a seleção e escolha dos Mandamentos Judaicos, como alguns sites ditos ‘bnei noach’ e livros ditos ‘bnei noach’ tentam fazer.
Um noaíta fiel até pode aprender o básico do que os judeus devem fazer para cumprir seus 613 mandamentos judaicos. É o aprendizado aprofundado dos comentários e análises talmúdicos, midrashistas e cabalísticos, nos níveis mais profundos da Torá e suas leis detalhadas para os judeus, que devem ser aprendidos exclusivamente pelos judeus.”
(© Rabi Michael Schulman (Chabad) © Asknoah.org
Traduzido do inglês por Noaismo.info.)

Bnei Noach_Noaismo.info_Copyright_2020

Este estudo é dedicado à elevação das almas de Ana Tiapas Rinaldi e Victoria Tiapas. E também é dedicado à pronta recuperação de Marcelo Manso Gonçalves. E também é dedicado ao Elias Araújo.

Padrão
A Fé da Torá (Judaica/Noaítica), Bnei Noach

Judeus e Bnei Noach não dizem feliz ano novo no Rosh Hashaná

B”H

A Fé Original: Noaismo.info

Um Site Bnei Noach

 

Judeus e Bnei Noach não dizem feliz ano novo no Rosh Hashaná

 

Por Rabi Benjamin Blech (Aish)

 

Qual é o melhor desejo para o novo ano?

Alguma vez você se deu conta de que tradicionalmente os judeus e os benêi Nôach (noaítas/filhos de Noá) não desejam “feliz ano novo” uns aos outros?

Em vez disso dizemos a frase hebraica “shaná tová” que, apesar da má tradução que aparece em quase todos os cartões de Rosh Hashaná, não tem nenhuma conexão com a expressão “feliz ano novo”.

Shaná tová transmite o desejo de um ‘ano bom’, não de um ano feliz. E o motivo por trás desta diferença tem uma grande importância.

A revista Atlantic Monthly publicou há um tempo um fascinante artigo intitulado “Ser feliz não é tudo na vida”. A autora, Emily Esfahani Smith, ressalta: “A felicidade sem significado está caracterizada por uma vida relativamente superficial e inclusive egoísta, na qual tudo está bem, as necessidades e os desejos são satisfeitos sem dificuldade e as complicações são evitadas”.

Emily cita na reportagem à Kathleen Vohs, uma das autoras de um novo estudo publicado no Semanário de Psicologia Positiva: “Pessoas felizes obtêm sua alegria de receber dos outros ao passo que pessoas que têm uma vida significativa obtêm sua alegria de dar aos outros”. Em outras palavras, o sentido transcende o ego, enquanto a felicidade implica dar ao ego o que ele quer.

De acordo com Roy Baumeister, chefe de pesquisas do estudo: “O que separa os humanos dos animais não é a busca da felicidade, a qual ocorre em todo o mundo natural, mas é a busca de sentido, que só existe nos humanos”.

Muito antes destes estudos, os judeus já entendiam essas verdades intuitivamente. Feliz é bom, mas bom é melhor.

Desejar um feliz ano novo implica dar primazia ao ideal de uma cultura hedonista cujo objetivo principal é tirar proveito, ao passo que buscar um ano bom implica reconhecer a superioridade do significado por sobre a alegria do momento.

A palavra bom tem um significado especial na Torá. A primeira vez que encontramos esta palavra é na série de pessukím na qual D’us, depois de cada dia de criação, vê sua obra e a proclama boa. E não é só isso, quando D’us completou sua obra, viu tudo o que tinha feito e “eis que era muito bom”.

O que significa isso? De que forma era bom o mundo? Obviamente não estava sendo elogiado em um sentido moral. Os comentaristas oferecem uma profunda idéia: a palavra bom indica que cada parte da criação cumpria com o propósito de D’us; cada parte era boa porque era o que devia ser.

Este é o profundo significado da palabra bom quando é aplicada a nós e a nossas vidas. Somos bons quando alcançamos nosso propósito; nossa vida é boa quando nela se cumpre o que temos de fazer.

Um shaná tová, um ano bom — de uma perspectiva espiritual — contém muito mais bênção que um ano simplesmente feliz.

Uma vida significativa leva a uma vida feliz

Um shaná tová pode não enfatizar a felicidade, mas é a forma mais segura para alcançá-la.

Isto se deve a outra poderosa idéia que descobriram os psicólogos: que a felicidade é, no geral, um subproduto de uma vida significativa. É precisamente quando não a buscamos e estamos dispostos a deixá-la de lado por um objetivo mais elevado que ela nos visita — inesperadamente — com uma força que jamais pensamos que fosse possível.

Uma vida significativa é o objetivo supremo, e em nossa busca de uma boa vida descobriremos a recompensa da felicidade verdadeira.

Então lhe desejo um shaná tová. Que seu ano esteja cheio de significado e propósito, e a felicidade certamente virá a seguir…

Por Rabi Benjamin Blech (Aish)
© Aish.com

Traduzido e editado do espanhol por Noaismo.info

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

Padrão