Uncategorized

O cristianismo NÃO é o melhor caminho para os não-judeus

A Fé Original: Noaismo.info

O Site de Bnei Noach do Brasil

 

B”H

 

O cristianismo NÃO é o melhor caminho para os não-judeus

 

Por Noaismo.info

 

Perguntas E Respostas

 

Pergunta

O que o Maimônides quis dizer com o cristianismo ser o melhor caminho para os cristãos?

 

Resposta

Onde você leu isso?
Ou foi alguém que lhe falou que ele disse isso?

Acontece que o Rabi Maimônides nunca disse isso.
O Rabi Maimônides nunca disse que alguma religião, qualquer que seja, é o melhor caminho para esses ou aqueles não-judeus. Ele nunca disse que os não-judeus podem ou devem ser cristãos, ou maometanos, ou qualquer outra coisa. Muito pelo contrário, ele disse que “Moisés foi ordenado pelo TODOPODEROSO a compelir TODOS OS HABITANTES DO MUNDO a aceitar as leis transmitidas aos descendentes de Noá.”
Afirmar que o Rabi Maimônides disse que o cristianismo (ou o islamismo) é o melhor caminho para os não-judeus – ou que uma religião específica é o melhor caminho para algum povo não-judeu – é inventar palavras e colocá-las em sua boca, é distorcer seu ensinamento tão claro de que ‘foi O PRÓPRIO CRIADOR (através da Torá) QUEM ordenou a todas as pessoas do mundo o cumprimento das Sete Leis de Noá.’ Deste modo, infelizmente, até mesmo rabinos que defendem que não-judeus continuem sendo cristãos ou maometanos (muçulmanos) – que afirmam que não há problema nisso – estão indo contra o que o Rabi Maimônides ensinou.

Segundo o Rabi Maimônides, não existe o “melhor” caminho espiritual para os não-judeus. Existe sim O ÚNICO Caminho Espiritual para os não-judeus, O Caminho LEGÍTIMO, que é O Caminho Original, O Caminho conhecido como “Bnei Noach”, O Caminho dos Filhos de Noá. (Este é O Caminho para cada “ben Nôach” (“filho de Noá”) e para cada “bat Nôach” (“filha de Noá”), para todos os “benêi Nôach” (“filhos de Noá”) e para todas as “banót Nôach” (“filhas de Noá”).) A alternativa para aquele que não deseja ser noaíta é tornar-se judeu. Portanto, segundo o Rabi Maimônides, existem apenas Dois Caminhos Espirituais para a humanidade seguir, o Judaísmo para os judeus e para aqueles não-judeus que desejam cumprir todos os (613) mandamentos da Torá (que então passam pela conversão), e as Leis Noaíticas para os não-judeus. O Rabi Maimônides declarou que “qualquer pessoa que aceita o cumprimento destes Sete preceitos [de Noá] e é cuidadosa na sua observância, é considerada como um dos devotos [de Deus] entre os gentios e terá o mérito de compartilhar do Mundo Vindouro.
Isto se aplica somente quando ela os aceita e cumpre, porque O SANTÍSSIMO, abençoado Seja, ordenou-lhes isto na Torá e nos informou através de Moisés, nosso mestre, que mesmo previamente, os descendentes de Noá foram obrigados a cumpri-los.
No entanto, se a pessoa cumpre os preceitos por convicção intelectual, ela não é devota [de D’us] entre os gentios e nem sábia.”

Fato é que o Rabi Maimônides declarou explícitamente:

“Não devemos lhes permitir (aos não-judeus) que criem qualquer religião”, pois a única “religião” dada pelo PRÓPRIO D’us para toda a humanidade é a “religião” da Torá (que é composta de dois caminhos: o judaísmo para os judeus, e o noaísmo para os noaítas), e que os gentios não devem criar quaisquer “ritos (práticas) religiosos” (já que o seu caminho espiritual, o noaísmo, é um movimento e é um Código de moralidade, e portanto, é desprovido de rituais). Portanto, é uma mitsvá (ordem divina) para os não-judeus não criarem religiões, e, por conseguinte, não pertencer a nenhuma delas.

Para mais considerações sobre este tema, veja

https://a-fe-original–noaismo.info/2016/09/01/the-sons-of-noahos-filhos-de-noah/

(Em particular o “Mito #2“.
Mas será interessante e importante ler a matéria inteira.)

O que o Rabi Maimônides declarou sobre o cristianismo e o islamismo foi que, uma vez que esses foram inventados, ainda assim, de alguma forma, eles acabaram por difundir (mais rapidamente e mais abrangentemente) em todo o mundo alguns conceitos originalmente judaicos – obviamente distorcidos, adulterados, é verdade, mas – espalharam pelo mundo inteiro idéias como a criação do mundo por um único deus, leis divinas, o messias, a ressurreição dos mortos, entre outras. Assim, ter D’us permitido a existência dessas invenções (religiões) serviu ao propósito de na revelação do mashíach (o verdadeiro messias) o mundo todo prontamente reconhecê-lo e aceitá-lo. (É o que chamaríamos – segundo o ditado popular – de “o tiro saiu pela culatra”. Ou seja, é lógico que tais religiões foram inventadas para a dominação e controle das massas, mas ao mesmo tempo, sem querer, essas mesmas massas já foram (ou já estão) (de algum modo) preparadas para o derradeiro destino do mundo, de modo que, assim que mashíach for revelado, elas facilmente, sem dificuldades, perceberão que foram enganadas e iludidas, e retornarão à Fé Original (A Fé em Hashém).
Isto já está acontecendo, sim, exatamente agora, em nossos dias.)

“A intenção do CRIADOR do mundo não está ao alcance da compreensão do homem, porque [conforme Isaías 55:8] SEUS caminhos não são nossos caminhos, nem SEUS pensamentos são nossos pensamentos. [Eventualmente,] todos os atos de Jesus e de Muhammed, que surgiu depois dele, servirão somente para preparar o caminho para a vinda do Mashíach e para o melhoramento do mundo inteiro, motivando as nações a servirem D’us juntas, como [Sofonias 3:9] declara: ‘Então EU farei os povos puros de palavras para que todos proclamem O Nome de Havayah e O sirvam de comum acordo.’
Como isto acontecerá? [Em decorrência da invenção dessas religiões,] o mundo inteiro já está familiarizado com o assunto do Messias, da Torá e dos mandamentos. Estes assuntos foram difundidos e se espalharam até as nações mais distantes, para muitas nações [até então] de coração teimoso, [mas] que [agora] discutem estes assuntos e os mandamentos da Torá. [As nações cristãs] dizem: ‘Estes mandamentos são verdadeiros, mas não estão em vigor na era atual e não são válidos para todas as épocas.’ [As nações maometanas] dizem: ‘Nos mandamentos há conceitos ocultos que não podem ser entendidos de maneira simples. O “messias” [Muhammed] já veio e já os revelou.’
Então quando Mashíach, o verdadeiro messias,” for revelado, “todas as nações retornarão e entenderão que seus ancestrais lhes legaram uma falsa herança e seus “profetas” e ancestrais levaram-nas ao erro.”
(Maimônides, As Leis dos Reis, 11:4.)

 

Veja também:

https://a-fe-original–noaismo.info/palavras-do-rebe-a-toda-a-humanidade-a-todos-os-nao-judeus-do-mundo/

 

Uma outra pergunta

Depois da revelação de mashíach, todos os povos se converterão ao judaísmo?

O Rabi Maimônides também nunca disse isso.
Não há profecia alguma no Tanách que afirme que toda a humanidade algum dia se tornará judia.
O livro “Os Dias de Mashiach”, do Rabi Menachem M. Brod, Editora Chabad, explica:

“À medida que Mashiach retificar a humanidade em geral, tanto o povo judeu como as nações gentias passarão a cumprir suas respectivas funções.
O Judaísmo não aspira a tornar-se a religião da humanidade. Pelo contrário, … segundo o Judaísmo, os gentios têm sua própria missão:” vivenciar as “Sete (Categorias de) Leis de Nôach”.

O mundialmente reconhecido Rabino-Chefe Senhor Jonathan Sacks explica isso exaustivamente.
Citando algumas de suas palavras:

“O judaísmo … não afirma que é o único caminho para a salvação. Não é preciso ser judeu para ser bom, sábio, relacionar-se com D’us ou ser amado por D’us. Os rabinos ensinaram que os justos de todas as nações [i.e., todos os não-judeus que aceitam sobre si as Leis Noaíticas] têm uma porção no mundo vindouro (o mundo depois da revelação de mashíach).
O D’us de Israel é O D’us de todos, mas a religião de Israel não é a religião de todos. Os profetas não previram que as nações do mundo abraçariam a religião de Israel, com seu conjunto complexo de [613] mandamentos, nem mesmo no fim dos dias. Elas reconhecerão D’us [Hashém]. Irão a Jerusalém para rezar. Converterão suas espadas em arados e não guerrearão mais. Contudo, NÃO se tornarão judias.”
(Tempo Futuro. Editora Sêfer.)

 

Veja também a matéria

https://a-fe-original–noaismo.info/2016/09/01/the-sons-of-noahos-filhos-de-noah/

 

Por Noaismo.info

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

Anúncios
Padrão
Noaítica ou Noaítico

Leis Noaíticas

B”H

 

Leis Noaíticas

 

As Leis Noaíticas* ou As Leis Noaicas (As Sete Leis Universais)

 

Por Noaismo.info

 

* Entre os Benêi Nôach brasileiros tornou-se comum o uso dos termos “noético” e “leis ‘noéticas'” como se estas palavras se referissem à Noá (da história bíblica do Dilúvio) ou aos descendentes de Noá ou às Mitsvót (Leis Divinas) Universais.

Acontece que esses Benêi Nôach (e também até mesmo rabinos) usam essas palavras sem saberem que elas não existem (no sentido em que usam-na). Na verdade estas palavras existem, mas elas não tem absolutamente nada a ver com Noá (Nôach) ou com as mitsvót universais.

Vejamos o que significam as palavras “noética” e “noético”.

 

Dicionário Aurélio Buarque de Holanda Ferreira, Editora Nova Fronteira, 1975:

“Noético. Do GREGO noetikós, ‘inteligente’. Adjetivo. Filosofia. 1. Relativo à NOESE. 2. Relativo ao pensamento.”

 

Veja que “noético” é uma palavra que vem do grego e não do hebraico, e que é relativa à noese e nao à Noá (Nôach). O que é NOESE?

“Noese. Do GREGO noésis, ‘pensamento’, ‘inteligência’. Substantivo feminino. Filosofia. Na fenomenologia, aspecto subjetivo da vivência, constituído por todos os atos que tendem a apreender o objeto: o pensamento, a percepção, a imaginação, etc.”

 

Portanto, NOÉTICO vem de NOESE, e não de Noá, personagem da história bíblica.

E as Leis (Mitsvót) dadas por D’us para Noá (Nôach) e para toda a sua descendência NÃO são e NÃO se chamam “leis noéticas”, pois…

“Noética. Feminino substantivado de noético. Substantivo feminino. Filosofia. Estudo das leis gerais do pensamento.”

 

Portanto, como mostra o Dicionário, “noético” e “noética” (existem sim, MAS) NÃO têm absolutamente nada a ver com o indivíduo da história bíblica, Noá, e sim tem a ver é com a NOESE (e com a língua grega e com a filosofia).

 

Alguma vez você já olhou no dicionário o que é ou o que significa noético?
As palavras “noético” e “noética” no dicionário.

 

Para referir-se às Leis Divinas Universais ou Leis de Noá (Nôach), deve-se dizer LEIS NOAÍTICAS (dos noaítas/dos Benêi Nôach/dos Filhos de Noá) ou LEIS NOAICAS (de Noá). Portanto, as palavras Noaítico e Noaico, sim, tem a ver com Noá, personagem bíblico do evento do dilúvio.

Como dizemos “As Leis Mosaicas” ou “As Leis Judaicas” ou “As Leis Toraicas”, então dizemos AS LEIS NOAICAS.

E assim como é tão comum as palavras sinaítico, israelítico, levítico, semítico, toraítico, etc., então dizemos  noaítico (por exemplo: AS LEIS NOAÍTICAS).

Simples assim.

Em inglês: “noahitic”/”noaitic” e “noahic”/”noaic”.

Por exemplo, o livro de Halachá* em inglês, “Mishneh Torah, Foreign Worship and Customs of the Nations”, do Rambam (Rabi Maimônides), no capítulo 10, diz:

“… he must not pass through Eretz Yisrael before he obligates himself to live up to the seven Noaitic commandments,” e ainda, “if an idolater obligated himself to observe the Seven Noaitic commandments he is a sojourning alien.”

 

Noaítico em inglês no Mishneh Torah do Rambam

 

Como está muitíssimo evidente no texto, veja as duas ocasiões em que ocorre a palavra noaitic, exatamente tratando dos “Seven Noaitic commandments” ou em português CORRETO, as “Sete Leis Noaíticas” (alternativamente, os Sete Mandamentos Noaíticos).

 

* Halachá: a parte do Talmúd que constitui lei e que os judeus são obrigados a cumprir.

 

Os judeus e Benêi Nôach brasileiros que usam EQUIVOCADAMENTE a palavra “noético” deveriam pensar, por exemplo, o que será que significa “Ciência Noética” e “cientistas noéticos”. Será que “Ciência Noética” significa a ciência que estuda o Noá do relato do dilúvio ou que estuda os descendentes dele ou que estuda as mitsvót universais? Lógico que não. De modo algum. Será que “cientistas noéticos” significa os cientistas que seguem as Leis de Noá? Lógico que não. De modo algum. E o que será que é mito noético? Será que trata-se de considerar que o Noá da bíblia (Torá) é um mito? Queridíssimos leitores, por favor, JAMAIS pensem ou digam um dislate desse. Como vimos acima, noético e noética referem-se à noese.
E como também vimos acima, o que tem a ver com o Noá da história do dilúvio, o que refere-se à Noá, o que é relativo à Noá e aos seus descendentes e às mitsvót universais são as palavras NOAÍTICO e NOAÍTICA ou noaico e noaica.

Em inglês, assim como no português, obviamente existe a palavra “noético”: Noetic. E, Noetic (inglês), obviamente, como já vimos, não tem nada a ver com Noá, não se refere à Noá, não é derivada de Noá. Noetic vem de noēsis. No entanto, Noaitic (Noa+itic)  vem sim de Noá (Nôach/Noah) – em português, Noa+itico.

Até existe um site chamado noetic.org.  Você acha que esse site trata ou fala de Noá e seus descendentes e das Leis Divinas Universais – das Mitsvót Universais? Lógico que não. De modo algum. Simplesmente porque noetic não tem relação alguma com Noá.

Esperamos que a partir de agora este assunto esteja bem clarificado para todos.

Veja também o Dicionário online de Noaismo da Língua Portuguesa:

https://a-fe-original–noaismo.info/2019/04/12/dicionario-do-noaismo/

 

O que são as Leis Noaíticas?

São as mitsvót (leis ou mandamentos) que O PRÓPRIO D’us ordenou à Adám e Chavá (Adão e Eva) e também à Nôach (Noá) e Naamá e sua família ao sairem da arca. São Leis Divinas obrigatórias para toda a humanidade em todos os tempos.

(Usa-se como sinônimos de Leis Noaíticas os termos Pacto Noaítico e Código Noaítico.)

A questão é que D’us não deu religiões para a humanidade. D’us deu, sim, uma “religião” mas não para todos os povos, e sim, para um povo específico, a religião de um povo, o povo de uma religião, o judaísmo para o povo judeu. D’us não deu religião para os não-judeus. O que D’us deu para os não-judeus foi um Código de Conduta Universal. Este é o Código Noaítico. E este Código de Conduta Universal, o Código Noaítico, são exatamente as Leis ou Mandamentos – Mitsvót – que O PRÓPRIO CRIADOR deu para toda a SUA Criação (todos os humanos).

Daí que:

Benêi Nôach não é religião;

Benêi Nôach não é “judaísmo” para não-judeus;

Benêi Nôach não é judeu.

É verdade que a Fé Judaica e a Fé Noaítica são uma e a mesma, porém, são dois Caminhos Espirituais (práticas/vivências) distintos.

 

Quais são as Leis Noaíticas?

As Leis Noaíticas são:

1. Creia em D’us.
Não adore ídolos.

A essência das Sete Leis Universais é o reconhecimento do ENTE SUPERIOR que criou o Universo. Substituir o culto de D’us pelo culto de entidades finitas, seja a de si próprio ou de outros seres [humanos, espíritos, anjos, animais] solapa qualquer padrão de comportamento ético e moral. A aceitação de D’us e das instruções de D’us é mais do que um simples ato de fé. Implica ser uma pessoa melhor, centrada em D’us ao invés de em si mesmo e, assim, gera um ambiente moral.

 

2. Respeite O CRIADOR.
Não blasfeme.

Este princípio também está envolto em implicações práticas importantes. Tudo na Criação reflete a “mão” do CRIADOR. Degradar ou diminuir as criaturas de D’us, portanto, significa blasfemar e degradar O PRÓPRIO D’us. Assim, devemos respeitar todos os humanos porque todos [os humanos, sem exceção,] são criados por D’us na Divina imagem e semelhança. Devemos abster-nos de calúnias e boatos e de insultar ou prejudicar nossos semelhantes.

 

3. Respeite a Vida Humana.
Não assassine.

O mandamento proibindo o assassinato está explicitamente declarada a Noá por D’us: “Todo aquele que derrama o sangue do homem, pelo homem o seu sangue será derramado, pois ELE [D’us] fez o homem à imagem de D’us” (Gênesis 9:6). Estando expressa também é uma afirmação da qualidade transcendental do ser humano e da santidade da vida humana.

 

4. Respeite a Família.
Não cometa atos sexuais imorais.

No contexto histórico, qualquer sociedade que encorajou ou perdoou a imoralidade [homossexualidade, incesto, bestialidade, adultério, estupro] teve vida breve. Mais notavelmente a Grécia antiga, que dominava o mundo e depois foi sumariamente destruída no seu auge. Não é de admirar que todo o mundo esteja tão escandalizado com a atitude permissiva da sociedade e a proliferação da imoralidade no mundo.

 

5. Respeite os Direitos e a Propriedade dos Outros.
Não roube.

Esta proibição casa diretamente com o mandamento [judaico] “Não furtarás”* nos [chamados] Dez Mandamentos. O ideal é que, desde que o nosso sustento provém da “mão” de D’us, a pessoa procure ganhá-lo honestamente e não através de recursos falsos. Ao se abster do furto, a humanidade afirma a sua fé na bondade da “mão” de D’us.

 

* Apesar da opinião de que este mandamento se refira especificamente ao furto de vida – sequestro -, porque há o mandamento em Levítico 19:11, que então se refere ao furto de bens.

 

6. Respeite as Criaturas de D’us.
Não seja cruel para com os animais.

Este mandamento começa com a advertência: “Não coma o membro de um animal vivo”. Isto leva ao maior respeito por todas as coisas vivas. O potencial espiritual mais elevado do homem lhe permite o domínio e o coloca no papel de guardião de toda a Criação. Também o obriga a utilizar toda a Criação de maneira respeitosa e responsável.

 

7. Respeite a Lei.
Mantenha a justiça.

Uma sociedade que subverte a Justiça ao falhar em instituir um sistema que assegure a retidão e a moralidade é um instrumento para expulsar a bênção de D’us para fora do mundo. Uma comunidade ou cidade onde não existem cortes ou leis [imparciais e virtuosas] será finalmente destruída pelos seus próprios habitantes, conforme foi demonstrado historicamente repetidas vezes.

 

(As Sete Leis Universais no Código de Maimônides – o Rabi Moshé ben Maimon -, de As Leis dos Reis. No Brasil, publicado pela Editora Maayanot.)

 

E não se esqueçam: as Leis dos Descendentes de Noá não são – nunca foram e nunca serão – leis “noéticas”, e sim, LEIS NOAÍTICAS. O Movimento dos Benêi Nôach não é movimento “noético”, e sim, O Movimento Noaítico. E os Benêi Nôach não são “noéticos” e sim NOAÍTAS (como há israelitas, aaronitas, levitas, por exemplo).

Do mesmo modo que a palavra em inglês Korahites (de Korah) torna-se Coraítas em português (de Corá), a palavra em inglês Noahites (de Noah) torna-se Noaítas (de Noá). 

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

Padrão
Uncategorized

Os nomes de Moisés / Batiá

B”H

 

Os nomes de Moisés / Quem é Batiá?

 

Atenção: na transliteração dos termos hebraicos o “sh” tem som de “CH”.
Exemplos: “Hashém”, “Moshé”, etc.

Atenção: na transliteração dos termos hebraicos o “ch” tem som de “RR”.
Exemplos: “Chavér”, etc.

 

Por Noahidebr

 

“E um homem da casa de Leví (- Amrám, filho de Kehat, filho de Leví – Amrám é neto de Leví e bisneto de Yaacóv -) foi e se casou (novamente com a sua ex-esposa, Yochéved,) filha de Leví (- irmã de Kehat, neta de Yaacóv, e tia de seu marido Amrám -). (Eles se divorciaram porque não quiseram ter mais filhos – já tinham dois, Miriám e Aharón – devido o decreto do Paróh (Faraó).) E engravidou a mulher e deu à luz um filho; e vendo que ele era bom (i.e., especial), escondeu-o por 3 meses.”

Yochéved/Joquebede trouxe o menino para a Princesa Batiá, “a filha do Paróh (Faraó)”, e Batiá “chamou seu nome Moshé (Moisés), e disse: porque das águas (do Suf Ieór (Rio Nilo)) o tirei.”

Shemót/Êxodo 1:22-2:10

 

Por que a Torá não menciona qual nome os pais de Moshé deram para ele? Será que eles não lhe deram nome? E por que a Torá menciona que a filha do Faraó o chamou Moshé?

 

Apesar da Torá (escrita) carecer destas informações, a tradição judaica nos fornece as respostas.

 

De acordo com a tradição judaica, quando Yochéved levou o menino – o seu próprio filho – para a filha do Faraó, a Princesa egípcia Batiá, a própria Princesa perguntou para Yochéved: “Como vocês chamam-no?” Portanto, o menino tinha um nome, sim. Interessante e curioso é o fato de que, segundo a tradição judaica, o menino não apenas tinha um nome, mas tinha vários nomes (entre outros que ele ganhou no decorrer da vida).

 

Os (outros) 12 nomes de Moshé

 

▪Chavér (חבר) (ou, Chever).
Significa “Amigo; Companheiro”, ou ainda “Conector”.
Seu pai, Amrám, lhe deu esse nome (pois Amrám e Yochéved haviam se desconectado – divorciado – para evitarem ter mais filhos, além dos que já tinham, por causa do decreto infanticida do Paróh. Por fim, deixaram o temor pelo decreto de lado e casaram-se novamente – voltaram a estar conectados – e tiverem “Moshé”).
“Conector” ainda alude a Moshé conectar o povo judeu com SEU “PAI CELESTIAL” ou a ele impedir (העביר, fonéticamente semelhante a חבר) a retribuição celestial pelos pecados deles.

▪Avigdor (אבי גדור) (ou, Aviguedor).
Significa “Mestre da Cerca”.
Segundo o Me’am Loez, o avô de Moshé, Kehat, lhe deu esse nome porque “desde o nascimento de Moshé, D’us (como que) colocou uma cerca em torno do faraó impedindo-o de continuar com seu decreto de afogamento dos meninos judeus*”.

* Segundo o Rashí, a Torá não específica que o decreto era para os meninos judeus, o que significa que era um decreto geral, válido tanto para os meninos judeus quanto para os meninos egípcios (Shemót/Êxodo 1:22).

 

▪Avi-Socho (אבי סוכו).
Significa “Pai dos Videntes”.
Seu avô, Kehat, lhe deu esse nome (ou talvez (quem lhe deu esse nome) foi a babá que ajudou a mãe de Moshé a criá-lo) porque Moshé se tornaria o “pai” ou “mestre” (avi) de todos os videntes (sochim) e profetas.

▪Yekutiel (יקותיאל) (ou, Jekutiel, Iecutiel).
Da raiz cavê (קוה), “esperança”.
Significa “D’us Reúne” ou também “Fé em D’us (Espera por D’us; Confia em D’us)”.
Sua mãe, Yochéved, lhe deu esse nome porque tinha esperança e confiava que (mesmo com o evento do Rio Nilo, por fim,) D’us os reuniria. Moshé também induziu os judeus a depositarem sua “fé em D’us”.

▪Yéred (ירד).
Significa “Descenso; Descida”.
Sua irmã, Miriám, lhe deu esse nome porque, por causa dele, ela teve de descer (yarad) até o Nilo para ver o que seria dele.
Além disso, foi Moshé quem como que desceu do céu com a Torá para entregá-la para o povo judeu, fazendo também a Presença Divina descer de volta para o mundo físico.

▪Avi-Zanôach (אבי זנוח).
Significa “Mestre da Rejeição”.
Seu irmão, Aharón, lhe deu esse nome, dizendo: “Meu pai rejeitou minha mãe (i.e., divorciou-se dela), mas (por fim ele) a recebeu novamente por causa deste menino (i.e., casou-se de novo com ela porque ainda era para eles terem Moshé)”.
Outra explicação é que Moshé faria Israel rejeitar ídolos.

▪Leví (לוי).
Nome da tribo a que pertencia.

▪Tov (טוב).
Significa “Bom”.
Segundo o Midrash Shemót Rabá 18:3.

▪Toviyáh (טוביה) (Toviá, ou Tobias, ou Tuviá).
Significa “(Pela) Bondade de Havayah” ou “Havayah é Bom”.
Segundo o Talmúd, esse foi, de fato, o nome que Amrám e Yochéved deram para Moshé quando ele nasceu.

▪Ben Netanel (בן נתנאל) (Nethanel, ou Natanel, ou Nesanel).
Ben significa “Filho de”, e, Netanel significa “D’us Deu”.
Netanel é a junção das duas palavras, natán (deu) + El (D’us). Portanto, Ben Netanel alude ao fato de que Moshé foi “a pessoa (literalmente, “o filho” (do povo judeu)) para quem D’us deu a Torá”.

▪Ben Eviatar (בן אביתר).
Significa “Filho do Perdão”.
Alude ao fato de que Moshé foi o filho do povo judeu que solicitou o perdão de D’us (ויתר) pelo pecado do bezerro de ouro (o ídolo feito pelos judeus quando lhes pareceu que Moshé não iria descer do Monte Sinai).

▪Shemayáh (שמעיה) (Shemaiá).
Significa “Havayah Ouve”.
O povo judeu lhe deu esse nome porque eles previam que em seus dias D’us ouviria (שמע) as orações deles.

 

Apesar de ter seu nome primordial – Toviá – e de ter todos esses nomes, em toda a Torá ele é referido somente como Moshé. Além do mais, O PRÓPRIO D’us se dirige a Moshé somente com esse nome. Foi a Princesa Batiá* quem disse para Yochéved: “Eu lhe darei (ao menino) mais um nome. Eu o chamarei Moshé (משה) (Moisés) porque eu mesma o tirei das águas” do Rio Nilo. Moshé significa “Tirar; Retirar”, querendo dizer que ele foi “tirado”, isto é, “salvo” do rio.
Então Hashém declarou: “Devido a que Batiá foi tão amável e misericordiosa, o menino será chamado pelo nome dado por ela.”
Nossos Sábios nos dizem que isto nos ensina a importância da criação de um filho, especialmente quando isso requer um sacrifício pessoal especial.

* Bat-Yáh (בתיה) (Batiá, ou Bitia, ou Basya). Significa “Filha de Havayah” (Bat = “Filha de”; Yáh = “Havayah”). O PRÓPRIO Hashém deu esse nome para ela por ela ter arriscado a própria vida ao desobedecer o decreto real e salvar e adotar o bebê que se tornaria o maior de todos os profetas, Moshé:

“Rav Yehoshúa disse em nome do Rav Leví que D’us disse para a filha do Paróh: ‘Moshé não era seu filho, contudo você (o salvou e o adotou e) o chamou de seu filho. EU farei o mesmo: embora você não seja Minha filha, EU (a salvarei e a adotarei e) a chamarei de Minha Filha’ ” (Midrash Vayicrá Rabá 1:3).

Ela se converteu ao judaísmo.

No evento chamado Dez Pragas, só um egípcio não foi atingido por elas, Batiá.
No evento da décima praga, a morte dos bechorót ou primogênitos, houve um único bechor (primogênito) – além do próprio Paróh (Faraó) – que não morreu, Batiá. Sim, Batiá era a primogênita do Paróh.

Foi para ela que o rei Shelomô (Salomão) compôs o famoso poema Éshet Cháyil (Mishlê/Provérbios 31:10-31).

Quando o povo judeu foi libertado do Egito (Mitsráyim), ela saiu com eles.

Os místicos judeus ensinam que Batiá foi uma das 9 pessoas (alguns dizem que são 7, outros dizem que são 13) a adentrarem o Mundo Vindouro* sem ter falecido fisicamente (sim, isso mesmo, segundo o judaísmo existem algumas pouquíssimas pessoas que triunfaram sobre a morte).

* Viver no Mundo Vindouro (Gán Éden) não faz referência à vida como a conhecemos. Na realidade, é uma forma de existência desconhecida para nós.

 

Por Noahidebr

Baseado em chabad.org (ing.), em jabad.org.ar e em jabad.org (esp.), no Rabi Eliezer Danzinger (ing. e esp.), e no Instituto Morashá de Cultura.

© Noahidebr 2015-2019

https://noahidebr.com/copyright/

Padrão