Bnei Noach

É permitido a um não-judeu estudar a Torá?

A Fé Original: Noaismo.info

O Site de Bnei Noach do Brasil

 

B”H

É permitido a um não-judeu estudar a Torá?

 

Por Rabi Shamai Ende (Chabad)

 

No Talmúd (Sanhedrín 59a) encontramos duas opiniões opostas sobre este assunto muito delicado, que ocorre com frequência na vida atual. Lá, conclui-se que a proibição de estudar a Torá com um não-judeu não se aplica às sete mitsvót (as chamadas leis dos filhos de Noá) que eles têm a obrigação de conhecer e cumprir.

Assim também Rabi Maimônides, em seu livro Mishnê Torá (hilchót melachím 8:10), escreve: “Nosso mestre Moshé transmitiu a Torá e seus mandamentos somente ao povo de Israel e aos que desejarem converter-se. Ele também nos ordenou, a mando de D’us, que devemos instruir todos os habitantes do mundo a receber sobre si as sete Mitsvót que os filhos de Noá (toda a humanidade) foram ordenados a cumprir. Aquele que as aceita e toma o cuidado de cumpri-las é considerado um chassíd (devoto)  (de Hashém) entre os povos, e tem parte no mundo vindouro, contanto que assim o fizer e aceitar, por ordem Divina explícita na Torá, por intermédio de Moshé, nosso mestre”.

No capítulo seguinte, Rabi Maimônides nos ensina a lista e os detalhes dos sete mandamentos de toda a humanidade a serem seguidos: 1. A proibição de praticar idolatria; 2. De blasfemar contra D’us; 3. De cometer homicídio; 4. De manter relações incestuosas e cometer adultério; 5. De roubar; 6. A obrigação de instituir um sistema judiciário; e 7. A proibição de ingerir um órgão de um animal que foi extraído ainda em vida.

Desta forma, (nós judeus) temos a obrigação de ensinar a um não-judeu todas as leis dessas mitsvót, que incluem muitos detalhes, como estudos profundos que reforçam a fé em D’us; as leis de recato que nos levam a não cometer atos imorais; as leis judiciais do Talmúd aplicadas a todo ser humano; as minuciosas proibições de roubar, enganar e prejudicar o próximo; as leis de tsedacá (caridade) e justiça social; reforçar atos de bondade, etc.

O Rebe lançou uma campanha mundial para propagar essas mitsvót para toda a humanidade, e explicou que o fato de não termos notícias de que no último milênio os sábios judeus difundiram essa lei deve-se às inúmeras perseguições que nosso povo sofreu durante a história, sem que tivéssemos a possibilidade de exercer alguma influência sobre as demais nações do mundo. No entanto, na época atual, quando deixamos de ser o povo perseguido e tornamo-nos muito influentes em vários setores, passa a ser uma obrigação de cada judeu cumprir essa lei, instruindo todos os povos a cumprir as suas.

O Rebe ainda frisou que essa é a melhor solução para vários problemas atuais, como a violência, a imoralidade, a decadência da educação, os conflitos etc., pois uma pequena luz pode dissipar muita escuridão. Desta forma estaremos construindo um mundo melhor, preparando a humanidade para receber a era messiânica, quando todos os povos habitarão em paz e harmonia, conforme consta (Yeshayáhu [Isaías] 2:4): “Não levantará um povo sobre outro a espada, e não mais aprenderão a guerrear”, e juntos servirão D’us, como disse o profeta (judeu Tsefaniá [Sofonias] 3:9): “Então eu darei a todos os povos uma língua pura a fim de que invoquem o Nome de Havayah e O sirvam em  harmonia.”

 

© Chabad.org

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

 

Sobre o Rabi Shamai Ende, veja:

 

 

Padrão

2 comentários sobre “É permitido a um não-judeu estudar a Torá?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.