Site Bnei Noach: NOAISMO — A Fé Original da Humanidade

A Fé Original: Noaismo.info

Um Site Bnei Noach

 

B”H

 

Para acessar os nossos posts, clique em MENU, e em PÁGINA DE POSTS.

 


Nas palavras transliteradas, “CH” deve ser pronunciado como “rr” e “SH” como “ch”.


 

# As Sete Leis Universais; # As Sete Leis de Noé; # As Sete Leis dos filhos de Noé; # Filhos de Noé; # Bnei Noach; # Movimento Bnei Noach; # Noaísmo; # Código Noaítico; # Pacto Universal; # Mitsvót Universais; # Mandamentos para os não-judeus; # Torá para não-judeus; # Comunidade Bnei Noach Brasil; # A Fé Original e O Caminho Espiritual Original da Humanidade; # The Divine Code (Sheva Mitsvot Hashem) por Rabino Moshe Weiner, publicado por Ask Noah International; # Shulchan Aruch Bnei Noach; # Guia Bnei Noach; # O Rebe, Líder espiritual da geração

 

O Judaismo e o Noaismo ensinam:

 


Qualquer um que quer servir D’us deve fazê-lo nos termos DELE


Por Chabad e Chabad Lubavitch e Chabad.org
Compilação: Noaismo.info
(Produção e Tradução: Noaismo.info)

 

Em homenagem ao Rebe

 

Você não é judeu?

Há tanta coisa que você precisa fazer para tornar este mundo um lugar melhor!

Na tradição judaica, a observância dos 10 Mandamentos é exigida somente dos judeus. Espera-se que todas as demais pessoas (i.e., todos os não-judeus) observem as “Sete Leis de Noá” — os valores universais da Torá. Estas Leis Divinas (algumas das quais se sobrepõem aos 10 Mandamentos) fornecem a base para um mundo civilizado, relações bem-sucedidas e desenvolvimento espiritual. Infelizmente, estas Leis têm sido amplamente desconhecidas há séculos. Por isso, o Rebe (Rabi Menachem Mendel Schneerson) desenvolveu uma campanha muito interessante – a campanha das Sete Leis dos Descendentes de Noá ((Noé). Desde então,) o Rebe passou a falar sobre a responsabilidade (dos judeus) de comunicar* os ideais espirituais universais, tal como expresso nas Sete Leis Noaíticas, para todas as pessoas no mundo. A maioria dos não-judeus, embora familiarizados com os Dez Mandamentos, nunca tinha ouvido falar das Sete Leis dos noaítas. Recentemente, pessoas em todas as partes do mundo começaram a estudar as Leis Divinas, e há um interesse renovado no papel desempenhado por todas as nações na Redenção Messiânica.

* Informar e educar sobre as Leis Noaíticas.

 

É importante ter em mente que o judaísmo não solicita convertidos. A razão para isto é que no judaísmo (ao contrário de todas as religiões), os não-judeus (ou gentios) não precisam se converter a fim de conseguir a “salvação”.
Quem quer que mantém o Código Noaítico – os Sete Mandamentos de Noá (veja abaixo) – é considerado um gentio justo e recebe uma porção no Mundo Por Vir – e até mesmo será ressuscitado juntamente com o povo judeu.

Deve-se recordar a todas as pessoas sobre o seu propósito original: que ele ou ela aceite e siga as orientações que foram Divinamente ordenadas para ele ou ela. Para os judeus, isto significa os 613 Mandamentos. Para os não-judeus significa as instruções originais de D’us para a humanidade: o código moral universal, o código pelo qual toda a humanidade é obrigada a viver — o Código Noaítico.

“O movimento Bnei Noach — ou noaísmo — é a mensagem universal do judaísmo, mas não é uma “religião”. Não se trata de um judaísmo simplificado para não-judeus. Antes, se trata do projeto de D’us para a civilização, uma base de sete pontos (iniciais) para a construção de uma sociedade justa, moral e ética na Terra.” — Rabi Yanki Tauber, editor de Chabad.org, no Chabad.org.

Certamente, os não-judeus devem aceitar estes Mandamentos Universais não apenas porque fazem sentido, porque eles são bons e razoáveis, mas porque eles fazem parte da Torá de D’us dada aos judeus no Monte Sinái. O CRIADOR da humanidade (foi QUEM) deu aos filhos de Noá os decretos de moralidade, conhecidos como as Shéva Mitsvót Benêi Nôach ou Sete Leis Divinas dos Filhos de Noá (veja
https://a-fe-original–noaismo.info/2019/06/01/os-tres-tipos-de-descendentes-de-noa-os-dez-mandamentos-noaiticos-as-tres-leis-devocionais-dos-noitas/  ).
O fundamento do Código Noaítico é que não existe moralidade/moral sem D’us. O humanismo não basta.
Que (saibamos que) AQUELE que criou a vida humana também estabeleceu as regras para tal vida e aplica essas regras. “Esta deve, definitivamente, ser a motivação real para a aceitação dos Sete Princípios Noaíticos, como Leis ordenadas pelo CRIADOR, para toda a humanidade.” Diz o Rebe.
No entanto, como mencionado, os não-judeus não são obrigados a se converter para obter a “salvação”.
“Todos fomos criados por D’us Todopoderoso.” Diz o Rabi Yisroel Goldstein (Chabad de Poway).

Por outro lado, se um não-judeu insiste em adotar a Judaicidade – a Identidade Judaica (que tem rituais identificadores e testemunhais, as Mitsvót Edót), ele ou ela tem todo o direito de fazê-lo, mas apenas depois de um período significativo de estudo, observação e compromisso total com a vida judaica. Este processo tem de ser conduzido sob a supervisão de um tribunal religioso judaico (Bêit Din) – ortodoxo.

Os Bnei Noach sabem que eles não são judeus, eles são admiradores não-judeus da Torá e do povo judeu (eles apoiam Israel e a comunidade judaica de todas as formas possíveis) (veja
https://a-fe-original–noaismo.info/2019/06/23/perguntas-sobre-judaismo-e-noaismo/ ).

Após o dilúvio, D’us deu para o mundo inteiro (que naquele momento era Nôach e sua família) Sete Leis Especiais, gerais. As Leis fundamentais são apropriadamente chamadas de Sete Leis Noaíticas.

 

As Leis dos noaítas são as seguintes:

1. Creia em D’us* (Hashém)/Não sirva ídolos
2. Respeite D’us e louve-O e não fale blasfemamente de D’us
3. Não assassine
4. Não roube
5. Não cometa adultério, incesto ou atos homossexuais
6. Não seja cruel com os animais
7. Estabeleça tribunais de justiça.

* Quando falamos em D’us, Hashém, estamos falando que D’us é um e que D’us é infinito.

 

Estas Leis Divinas (Mitsvót) Universais devem ser a base de toda a sociedade humana para todas as futuras gerações. Estas Leis estabelecem claramente os códigos de decência que se espera de cada ser humano.

Nossos rabinos nos ensinam que as águas do dilúvio também estão presentes em cada geração. Elas estão representadas pelas numerosas influências anti-espirituais encontradas ao nosso redor. Estas águas podem parecer muito tentadoras e boas à primeira vista, mas quando se dá um passo para trás e analisa o que está vendo, a destrutividade se torna evidente.

A arca representa diferentes coisas dependendo de quem a observa. Para o judeu, a arca é a proteção oferecida pela nossa Torá que se encontra em nossas sinagogas, escolas judaicas e em nossos lares. As paredes destes edifícios protegem-nos da destruição que se encontra no mundo lá fora.

Para os não-judeus, a arca representa a adesão estrita às Sete Leis Noaíticas. Essas Leis são instruções claras da Torá sobre quais devem ser os objetivos e as aspirações de toda a humanidade. São precisamente essas Leis que fazem todas as pessoas atingirem, de maneira explícita, seu estado predestinado de superioridade e santidade.

Qualquer que seja o grupo ao qual pertencemos, é de suma importância garantir que as paredes da nossa “arca” sejam impermeáveis. Isto significa que a humanidade deve rejeitar o secularismo (uma existência desprovida de D’us).

Por outro lado, vemos algumas pessoas que, em nome de D’us, realizam atrocidades que estão além das palavras para descrever. É precisamente por isso que as Sete Leis Divinas são tão importantes. Qualquer um que quer servir D’us deve fazê-lo nos termos DELE. Quando alguém usa o nome de D’us para o mal, ele de fato profana o Santo Nome. Isto é muito odioso aos olhos de D’us.

Durante estes tempos difíceis, precisamos encontrar refúgio em nossas arcas pessoais, comunitárias e até nacionais. Devemos nos certificar de que as influências negativas sejam bloqueadas de forma segura. Melhor ainda, devemos permitir que a luz dos iluminados brilhe e transforme a escuridão circundante em uma luz que dá vida!

Nós podemos, e devemos, fazer o que ainda tem de ser feito.

Todas as nações devem observar os Mandamentos ditados a elas pela Torá, as 7 Leis Universais de moralidade, com o fim de obter a paz definitiva, a unidade entre todas as nações, o respeito por toda a humanidade e a apreciação de um D’us universal.

Isto transforma o mundo em um belo lugar onde D’us escolherá habitar de maneira revelada, muito em breve.

Por Chabad e Chabad Lubavitch e Chabad.org
Compilação: Noaismo.info
Produzido e Traduzido do inglês e do espanhol por Noaismo.info.
© Chabad; © Chabad Lubavitch; © Chabad.org

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

 

BAIXE ESTA MATÉRIA EM FORMATO PDF EM:
https://www.4shared.com/office/a-eYhrIBee/As_Sete_Leis_de_No__O_Moviment.html

 

Eu não sou judeu, mas eu realmente acredito na Torá. Como posso aprender e fazer mais?

Acessando:

https://a-fe-original–noaismo.info

https://a-fe-original–noaismo.info/pagina-de-posts/

 


 

Rabi Moshé ben Maimón (ou Rambám, ou também, Maimônides)

 

“Todas as nações retornarão à Fé verdadeira.

A principal ocupação do mundo inteiro será somente conhecer D’us.”
— Rabi Maimônides

 

 

Rabi Menachem Mendel Schneerson (ou Lubavitcher Rebe, ou também, o Rebe) — o líder da nossa geração

“Fazer deste mundo físico um lugar de morada para D’us inclui os esforços dos judeus para influenciar as pessoas do mundo a observar as Sete Leis Noaíticas e todas as suas ramificações.

A idéia de fazer deste mundo um lugar de morada para D’us significa que é através da observância das Sete Leis Noaíticas que o mundo inteiro se torna um receptáculo adequado para O DIVINO. Então, promete a Escritura: “A Glória [(Presença)] de Havayah será revelada e todas as criaturas A verá — diz Havayah.” (Isaías 40:5) O Rabi Maimônides decreta (As Leis dos Reis 11:4) que Mashíach [o verdadeiro messias] retificará o mundo inteiro e levará todas as pessoas a servirem Hashém juntas, como (Sofonias 3:9) declara: “Então eu darei a todos os povos uma língua pura a fim de que invoquem o Nome de Havayah e O sirvam em harmonia.”

É dever do judeu em todas as eras, e não somente no tempo do Mashíach ou nos tempos dos Bêt Hamicdásh (Templos), fazer com que todos os povos reconheçam D’us como CRIADOR e GOVERNANTE do mundo e levem a vida justa e decente que vem do cumprimento das Sete Leis Noaíticas.

Os não-judeus foram ordenados a acreditar em D’us, O CRIADOR e GOVERNANTE do universo, [e] D’us deixou a humanidade saber como servi-LO através da Torá. Um judeu deve estar ciente de que existem não-judeus no mundo que não sabem dos Sete Princípios Noaíticos, e, portanto, ele [o judeu] deve fazer tudo o que está ao seu alcance para garantir que eles [os não-judeus] conheçam-nos e observem-nos.

As nações do mundo receberam um código divino de conduta, as Sete Leis Noaíticas, que consistem em: acreditar em D’us e não praticar idolatria, não assassinar, não roubar, não cometer adultério ou incesto (ou homossexualidade), não blasfemar contra D’us, proibido a crueldade para com os animais e estabelecer um sistema judicial. Estas Sete Leis Noaíticas são declarações gerais, que, com suas ramificações e extensões, abrangem inúmeros detalhes.

A razão pela qual estas Sete Leis devem ser observadas também é importante. O Rabi Maimônides decreta (As Leis dos Reis 8:11) que os Descendentes de Noá (ou seja, toda a humanidade) “devem aceitá-las e observá-las porque D’us ordenou-lhes na Torá e nos deixou saber sobre isso através de Moshé Rabênu que os Descendentes de Noá foram ordenados sobre elas antes.” Um não-judeu se conduz em consonância com as Sete Leis porque elas são a palavra do CRIADOR — os mandamentos de D’us transmitidos através de Moshé. Todas as nações devem cumprir os mandamentos universais de D’us — as Sete Leis Noaíticas.

Quando a nação judaica aceitou a Torá e suas leis, aceitaram também a tarefa e a missão especial de influenciar os não-judeus a cumprir as Leis Noaíticas. Esta obrigação de influenciar os não-judeus a reconhecer D’us e observar as Sete Leis Noaíticas se aplica não apenas àqueles judeus que têm influência nos círculos do governo, nem se aplica somente quando uma oportunidade especial surge. Aplica-se a todos os judeus.

Assim, ainda que um judeu tenha muito a fazer para pôr em prática a sua própria situação espiritual — e a de outros judeus —, todo judeu é obrigado a influenciar os não-judeus a observar as Sete Mitsvót.

A missão de um judeu não é apenas disseminar o judaísmo entre os judeus, mas também cumprir a mitsvá de influenciar todos os povos a aceitar e guardar as Sete Leis Noaíticas. Todos devem difundir a Torá entre os judeus e também entre os não-judeus nas áreas que lhes são aplicáveis.

Por estarmos na geração de Mashíach, um judeu deve, a todo momento, em qualquer caso, contar ao não-judeu sobre sua obrigação de observar as Sete Leis Noaíticas — e o mérito e recompensa que ele [o não-judeu] recebe por esta observância tanto neste mundo quanto no Mundo Por Vir.

Ajudar os não-judeus a pensar em D’us e a cumprir as mitsvót que lhes são ordenadas, as Sete Leis Noaíticas, é aplicável a todos os judeus. E, como já foi dito, a observância universal das Sete Leis Noaíticas é o prelúdio da era messiânica quando todos servirão D’us juntos.

Por a nação judaica difundir a crença no CRIADOR e MESTRE do mundo a todos os povos, o mundo é permeado com a idéia de “conhece O D’us de vossos antepassados [(Nôach e Adám)] e sirva-O com todo o coração.” (Alusão à 1 Crônicas 28:9) Isto serve como preparação para a era messiânica, quando “toda a terra ficará preenchida com o conhecimento de Havayah assim como as águas no mar cobrem os oceanos.” (Isaías 11:9)

Quando todos os judeus realizarem esta missão de falar com os não-judeus deste maravilhoso ensinamento baseado na Torá — os mandamentos de D’us para a humanidade —, [e, por sua vez, aqueles não-judeus que se tornaram noaítas] também falarem [dele] às suas famílias e amigos em todas as oportunidades, ajudando ativamente a espalhar as Sete Mitsvót, e assim ajudando o mundo inteiro a conhecer e reconhecer que existe um CRIADOR do mundo, “para que todos os povos da terra saibam que Havayah é D’us, e que não há outro” (I Reis 8:60), então nós mereceremos o cumprimento da promessa: “Havayah SE tornará REI sobre toda a terra; nesse dia, Havayah será UM e SEU NOME Um.” (Zacarias 14:9)
— o Rebe

 

(Discursos do Rebe: © Chabad.org
Traduzido por Noaismo.info: © 2015-2019 Noaismo.info)

 

 

Rabi Eliyahu Benamozegh (foi o orientador do ex-cristão Aimé Pallière — que está na foto ao lado)

 

“Para estar na verdade, para pertencer à verdadeira Fé, você não precisa abraçar a judaicidade [identidade judaica]. Nós, judeus, conservamos (em nossa tradição) a Fé destinada a toda a humanidade, a única Fé à qual os não-judeus estão sujeitos e pela qual são salvos e verdadeiramente na graça de D’us, como foram-no nossos patriarcas antes da entrega da Torá. Poderia você supor que a verdadeira Fé — aquela que D’us destina a toda a humanidade — data somente da época de Moshé, e que (ela) é propriedade exclusiva de um povo especial? De modo algum. Aprenda que o plano de D’us é muito maior do que isso. A Fé da humanidade não é outra senão o Noaísmo, não porque ela foi fundada por Noá, mas porque foi através da pessoa deste justo que foi feito o pacto de D’us com (toda) a humanidade. Esta é a Fé preservada por Israel para ser transmitida aos não-judeus. Este é o Caminho (Espiritual) que se abre diante dos seus esforços e, na verdade, diante dos meus também, já que é meu dever difundir o conhecimento disto. E (este Caminho Espiritual) está aberto aos esforços de qualquer um, de todo aquele que acredita na Revelação (do Sinái), sem ser necessário aderir à judaicidade, que é o estatuto particular de Israel.
O Noaísmo é a verdadeira e única Fé eterna dos não-judeus, e (o Noaismo) tem sua base em comum com Israel.”
— Rabi Eliyáhu Benamozegh
(Rabino da comunidade sefardita de Livorno, Itália)

(CONTINUA.)

 

 

bíblia — A Torá, ou, O Tanách

 

“Pois os filhos de Israel (Benêi Yisrael) são MEUS servos. Eles são MEUS servos porque EU os tirei da terra do Egito. EU sou Havayah, vosso D’us.”
— Vaicrá/Levítico 25:55

 

“Tu, (povo de) Israel[,] (tu és) MEU servo! (Filhos de) Yaacóv! EU vos escolhi (para ser MEU povo porque vós sois) os descendentes de Avrahám, que ME amou (e se afastou da idolatria). … EU disse, tu és MEU servo (desde o momento em que) EU te escolhi, e EU não te desprezarei. … Não temam (filhos de) Yaacóv, povo de Israel … . EU te ajudei (no passado)”, disse Havayah, “e (EU,) O SANTO de Israel, EU serei seu redentor (no futuro).” Isto foi dito por D’us, Havayah[:] “EU sou Havayah. (O que) EU disse sobre ti (Mashíach[, o verdadeiro messias,] por meio dos profetas) é verdadeiro (e eterno)! … EU … te darei o poder para trazer o pacto (da Torá) para MEU povo [e serão uma luz para as nações].” D’us disse: “EU ME mantive quieto por todo este tempo (em que as nações perseguiram o MEU povo). EU fiquei em silencio (e) refreei-ME. (Mas agora …) elas serão obliteradas e consumidas todas juntas.” E agora, assim disse Havayah, teu CRIADOR, ó Yaacóv, AQUELE que te formou, ó Israel: “Não temas, pois EU te redimi, EU te chamei pelo nome, pois tu és MEU. Vocês [judeus] são MINHAS testemunhas”, declara Havayah, “e MEUS servos, a quem EU escolhi, de modo que vocês ME conhecerão e acreditarão em MIM, e entenderão que EU sou ELE; antes de MIM nada foi criado por um deus, e depois de MIM não haverá! EU, somente EU sou Havayah, e além de MIM não existe outro salvador.”
— Ieshayáhu/O Profeta Judeu Isaías 41:8-9, 14; 42:5-6, 14; 43:1, 10-11 (Torá Rashi – Tradução e notas: Yaacov Nurkin; © Maayanot.)

 

“Assim diz Havayah dos Exércitos: ‘Nesses [atuais] dias, dez pessoas de todas as línguas e nações segurarão a orla das vestes do judeu, dizendo: ‘Iremos (aprender sobre D’us) contigo, porque (agora) sabemos que D’us está contigo!’ ‘”
— Zechariá/O Profeta Judeu Zacarias 8:23

 

“Ó Havayah … (um dia,) a TI virão as nações desde as extremidades da terra, e dirão: ‘Nossos pais herdaram somente mentiras e coisas vãs em que não há proveito. Pode um humano fazer deuses para si quando ele próprio não é um deus?’
‘Por isso(‘, diz Havayah, ‘)eis que EU as farei conhecer MEU poder e MINHA força, e elas (as nações) saberão então que o MEU NOME é Havayah’.”
— Irmyáhu/O Profeta Judeu Jeremias 16:19-21

 

(Crédito da foto: © Chabad)

 

(© Maayanot)

Este é o Noaismo, a Fé Original da humanidade, o Caminho Espiritual dos não-judeus.

“A soberania de [Havayah (D’us)] será reconhecida e aceita pela humanidade. As nações procurarão Israel que espalhou através dos tempos o conhecimento do verdadeiro D’us, apesar das campanhas contrárias. E (Israel) vai ensinar-lhes o [Noaismo, o] caminho adequado para servi-LO.” — Título do capítulo 47 dos Salmos da Editora & Livraria Sêfer.

 

Não somos cristãos. Não somos messiânicos (cristãos hebraistas). Não cremos em Jesus ou Yeshua (nem cremos nos evangelhos e nem no novo testamento). Não somos maometanos (muçulmanos). … Somos não-judeus que aprendem a Torá com os judeus. Servimos Hashém, O D’us de Israel, sem nos convertermos ao judaismo. Seguimos a Fé Original da humanidade, a Fé de nossos antepassados, a Fé de Nôach (Noá) e Naamá e de Adám e Chavá (Eva), e cumprimos as Mitsvót (Leis Divinas) Universais.

https://a-fe-original–noaismo.info/copyright/

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.